Um dos lados bons da pandemia: somos mais adaptáveis do que pensamos

“Embora eventos estressantes nos tirem do jogo, nosso “sistema imunológico psicológico” tem o poder de se recuperar muito mais rápido do que se pensava anteriormente. Essa é a conclusão de um novo estudo que começou a rastrear um grupo de funcionários em meados de março, assim que os pedidos para ficar em casa começaram a entrar em vigor nos EUA. Depois que Covid-19 foi declarada uma pandemia global.

“Quando acontece um grande estressor, ele nos tira do nosso padrão. Sentimos que não temos controle e simplesmente não somos como nós normais ”, disse o coautor do estudo Trevor Foulk, professor da Escola de Negócios Robert H. Smith da Universidade de Maryland, em um comunicado à imprensa. “Sempre tendemos a pensar que só recuperaremos nosso senso de normalidade quando o estressor passar.”

Em vez disso, Foulk diz que a pesquisa de sua equipe descobriu que a “recuperação psicológica” de eventos intensamente estressantes pode começar enquanto ainda estamos lutando com a experiência.

O estudo acompanhou 122 funcionários, pesquisando-os várias vezes ao dia durante duas semanas sobre como a pandemia Covid-19 influenciou suas vidas. A pesquisa começou em 16 de março de 2020, apenas dois dias depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que a Covid-19 havia atingido o status de pandemia global.

O estudo se concentrou na rapidez com que as pessoas encontram o caminho de volta a uma forma de “normalidade”, especificamente observando duas marcas da normalidade: “impotência e autenticidade”.

Consistente com o que a maioria de nós já experimentou, os participantes da pesquisa relataram altos níveis de impotência e inautenticidade durante os primeiros dias do estudo. A pandemia drenou o senso de controle de suas vidas, impedindo-os de participar das atividades e rotinas que informam a autopercepção.

Em apenas duas semanas, no entanto, os participantes começaram a encontrar o caminho de volta à normalidade.

“As pessoas se sentiam menos impotentes e mais autênticas – mesmo enquanto seus níveis de estresse subjetivo estavam subindo”, disse Foulk. “O ritmo no qual as pessoas se sentiram normais novamente é notável e destaca o quão resilientes podemos ser diante de desafios sem precedentes.”

Ironicamente, os participantes mais adaptativos neste estudo também foram os mais “neuróticos” pela definição psicológica padrão. Aqueles que experimentaram os níveis mais altos de “ansiedade, depressão e autoconsciência” no início tenderam a se recuperar em um ritmo mais rápido. Embora este estudo não consiga explicar o porquê, pesquisas anteriores sugeriram que o “neuroticismo saudável” pode resultar em mais vigilância e pró-atividade diante de eventos estressante.

No geral, a maioria dos participantes começou a se sentir normal muito mais rápido do que o esperado, relataram os pesquisadores.

Como este estudo se baseou em autorrelato, é limitado em termos de quanto pode nos dizer sobre como e por que as pessoas se adaptam a diferentes taxas de participantes, e também não pode nos dizer como continuou após o período de duas semanas. Mas o momento ideal do estudo fornece vislumbres de insights sobre o processo de adaptação a eventos sem precedentes.

“Ao contrário de grande parte da desgraça e tristeza que estamos ouvindo, nosso trabalho oferece um pouco de um raio de esperança, que nosso sistema imunológico psicológico começa a funcionar muito mais rápido do que pensamos e que podemos começar a nos sentir ‘normais ‘mesmo enquanto tudo isso está acontecendo.” acrescentou Foulk.

A pesquisa será publicada no Journal of Applied Psychology como parte de um pacote de estudos focados no trabalho e emprego durante a pandemia de Covid-19.”

o autor deste artigo é – David DiSalvo, também autor do livro best-seller “O que faz seu cérebro feliz e por que você deve fazer o oposto”, que foi publicado em 15 idiomas.


Texto traduzido do original em inglês – publicado no site da FORBES em 30 de julho de 2020 – no link: https://www.forbes.com/sites/daviddisalvo/2020/07/30/on-the-brighter-side-of-the-covid-19-pandemic-we-are-more-adaptive-than-we-think-finds-new-study/?sh=126709a21cc5


#ei – A bolsa ou a vida?

Contardo Calligaris
Psicanalista, na FSP de 14.05.2020


Há quem ache que, diante da pandemia, deveríamos sacrificar vidas

A bolsa ou a vida? Anos atrás, o psicanalista francês Jacques Lacan se serviu dessa alternativa para explicar o que é uma escolha forçada —que, de fato, nem sequer é uma escolha.

Eis por quê: se eu escolher ficar com a bolsa, não perderei só a vida, mas também a própria bolsa pela qual me sacrifiquei, pois nenhum ladrão vai ser burro a ponto de deixar a bolsa com o meu cadáver. Então, quem escolhe a bolsa perde a vida e também a bolsa.

Conclusão: só resta escolher a vida e entregar a bolsa. No Brasil, por causa de um gosto antigo pela violência (que talvez tenha penetrado a cultura nacional junto da prática da escravatura), o bandido, às vezes, recebe a bolsa e ainda assim nos dá um tiro de despedida. De qualquer forma, entregando a bolsa, temos ao menos uma chance de ficar com a vida —embora, é claro, uma vida sem a bolsa.

A alternativa de “a bolsa ou a vida?” talvez nos ajude a enxergar a estranheza do debate em curso entre a saúde e a economia diante da pandemia de coronavírus. Deveríamos, por exemplo, proteger as vidas com o maior isolamento social possível? Ou deveríamos aceitar um aumento da taxa de infecção e do número de mortos para preservar a atividade econômica? A vida ou a bolsa?

Parênteses: em outros países, o debate a favor ou contra o isolamento existe como discussão sobre qual caminho poderia, a longo prazo, produzir uma imunidade coletiva e portanto poupar mais vidas.

No Brasil, a questão é apenas sobre a “necessidade” de reabrir o comércio e retomar a atividade econômica.

Voltemos. Há uma diferença considerável entre a alternativa proposta pelo bandido e nossa situação atual. A pergunta do bandido se endereça a uma pessoa só —você, que está sendo assaltado.


Imagine que, na hora do assalto, você esteja com um seu conhecido. Ao serem assaltados, você consegue se entrincheirar numa sala segura, junto com a sua bolsa, mas seu conhecido fica de fora. O bandido pede para você escolher entre a sua bolsa e a vida do conhecido. Qual será sua escolha?

Os que acham que, diante da pandemia, deveríamos escolher a bolsa e sacrificar vidas não estão entrincheirados em abrigos que os protejam da contaminação e de uma morte eventual. Eles apenas se consideram invulneráveis. São crianças atrasadas, convencidas de sua onipotência e da proteção eterna que lhes seria reservada pelo amor de suas mães.

Essa é uma patologia frequente, sobretudo masculina, incômoda para quem tem a desgraça de conviver com o paciente e só realmente perigosa quando o paciente ocupa um cargo de governo, sobretudo executivo.

No governo, a criança onipotente se transforma facilmente num canalha, que, considerando-se invulnerável, está disposto a escolher a bolsa, porque a vida que ele perderia seria sempre a vida dos outros.

Ou seja, os negacionistas acham que deveríamos desistir do isolamento social para preservar a economia e estão dispostos, para isso, a entregar, não a vida deles, mas a vida dos outros. Eles escolhem a bolsa e deixam o bandido (o vírus) matar a quem ele quiser (salvo a eles mesmos, que se imaginam protegidos por serem os eternos bebês maravilhosos de suas mães).

Alguém dirá: então deveríamos escolher a vida e esquecer a bolsa? E como vamos pôr comida na mesa?

Pois bem, é exatamente aqui que se esperariam a existência e a intervenção de um governo. O debate entre privilegiar a saúde ou a economia (a bolsa ou a vida) parece ser uma diversão inventada por um governo que não enxerga sua função crucial, a qual consistiria em administrar as consequências econômicas da única escolha aceitável (a escolha pela vida).

Ou seja, uma vez que só é possível escolher a vida (e não a bolsa), resta a tarefa de sustentar a vida de todos da melhor maneira possível.

Os governos, mundo afora, gastam e gastarão o que têm e o que não têm (sim, há momentos em qualquer administração nos quais é necessário gastar o que não se tem) para que os cidadãos possam proteger suas vidas (e logo retomá-las) sem se preocupar com sua sustentação básica, suas dívidas vencidas, seu aluguel e seus impostos atrasados etc.

Em vez disso, no Brasil, até agora, assistimos a uma comédia patética em que o governo promete, brada e não consegue nem sequer distribuir dignamente uma ajuda irrisória (os famosos R$ 600) sem que a própria distribuição se torne, para muitos, a ocasião de mais uma sinistra exposição ao contágio, em filas de espera.

https://escritosincriveis.blogspot.com/2020/05/a-bolsa-ou-vida-contardo-calligaris.html

#coronavirus #covid-19 #pandemia #economia #gestao #liderança #leadership #tradeoff #corona #pandemy