#ei – A bolsa ou a vida?

Contardo Calligaris
Psicanalista, na FSP de 14.05.2020


Há quem ache que, diante da pandemia, deveríamos sacrificar vidas

A bolsa ou a vida? Anos atrás, o psicanalista francês Jacques Lacan se serviu dessa alternativa para explicar o que é uma escolha forçada —que, de fato, nem sequer é uma escolha.

Eis por quê: se eu escolher ficar com a bolsa, não perderei só a vida, mas também a própria bolsa pela qual me sacrifiquei, pois nenhum ladrão vai ser burro a ponto de deixar a bolsa com o meu cadáver. Então, quem escolhe a bolsa perde a vida e também a bolsa.

Conclusão: só resta escolher a vida e entregar a bolsa. No Brasil, por causa de um gosto antigo pela violência (que talvez tenha penetrado a cultura nacional junto da prática da escravatura), o bandido, às vezes, recebe a bolsa e ainda assim nos dá um tiro de despedida. De qualquer forma, entregando a bolsa, temos ao menos uma chance de ficar com a vida —embora, é claro, uma vida sem a bolsa.

A alternativa de “a bolsa ou a vida?” talvez nos ajude a enxergar a estranheza do debate em curso entre a saúde e a economia diante da pandemia de coronavírus. Deveríamos, por exemplo, proteger as vidas com o maior isolamento social possível? Ou deveríamos aceitar um aumento da taxa de infecção e do número de mortos para preservar a atividade econômica? A vida ou a bolsa?

Parênteses: em outros países, o debate a favor ou contra o isolamento existe como discussão sobre qual caminho poderia, a longo prazo, produzir uma imunidade coletiva e portanto poupar mais vidas.

No Brasil, a questão é apenas sobre a “necessidade” de reabrir o comércio e retomar a atividade econômica.

Voltemos. Há uma diferença considerável entre a alternativa proposta pelo bandido e nossa situação atual. A pergunta do bandido se endereça a uma pessoa só —você, que está sendo assaltado.


Imagine que, na hora do assalto, você esteja com um seu conhecido. Ao serem assaltados, você consegue se entrincheirar numa sala segura, junto com a sua bolsa, mas seu conhecido fica de fora. O bandido pede para você escolher entre a sua bolsa e a vida do conhecido. Qual será sua escolha?

Os que acham que, diante da pandemia, deveríamos escolher a bolsa e sacrificar vidas não estão entrincheirados em abrigos que os protejam da contaminação e de uma morte eventual. Eles apenas se consideram invulneráveis. São crianças atrasadas, convencidas de sua onipotência e da proteção eterna que lhes seria reservada pelo amor de suas mães.

Essa é uma patologia frequente, sobretudo masculina, incômoda para quem tem a desgraça de conviver com o paciente e só realmente perigosa quando o paciente ocupa um cargo de governo, sobretudo executivo.

No governo, a criança onipotente se transforma facilmente num canalha, que, considerando-se invulnerável, está disposto a escolher a bolsa, porque a vida que ele perderia seria sempre a vida dos outros.

Ou seja, os negacionistas acham que deveríamos desistir do isolamento social para preservar a economia e estão dispostos, para isso, a entregar, não a vida deles, mas a vida dos outros. Eles escolhem a bolsa e deixam o bandido (o vírus) matar a quem ele quiser (salvo a eles mesmos, que se imaginam protegidos por serem os eternos bebês maravilhosos de suas mães).

Alguém dirá: então deveríamos escolher a vida e esquecer a bolsa? E como vamos pôr comida na mesa?

Pois bem, é exatamente aqui que se esperariam a existência e a intervenção de um governo. O debate entre privilegiar a saúde ou a economia (a bolsa ou a vida) parece ser uma diversão inventada por um governo que não enxerga sua função crucial, a qual consistiria em administrar as consequências econômicas da única escolha aceitável (a escolha pela vida).

Ou seja, uma vez que só é possível escolher a vida (e não a bolsa), resta a tarefa de sustentar a vida de todos da melhor maneira possível.

Os governos, mundo afora, gastam e gastarão o que têm e o que não têm (sim, há momentos em qualquer administração nos quais é necessário gastar o que não se tem) para que os cidadãos possam proteger suas vidas (e logo retomá-las) sem se preocupar com sua sustentação básica, suas dívidas vencidas, seu aluguel e seus impostos atrasados etc.

Em vez disso, no Brasil, até agora, assistimos a uma comédia patética em que o governo promete, brada e não consegue nem sequer distribuir dignamente uma ajuda irrisória (os famosos R$ 600) sem que a própria distribuição se torne, para muitos, a ocasião de mais uma sinistra exposição ao contágio, em filas de espera.

https://escritosincriveis.blogspot.com/2020/05/a-bolsa-ou-vida-contardo-calligaris.html

#coronavirus #covid-19 #pandemia #economia #gestao #liderança #leadership #tradeoff #corona #pandemy

“É como se o mundo estivesse à minha espera. E eu vou …”

Eu me vejo,
me assemelho,
me leio,
me questiono,
me emociono,
com as tantas “palavras”,
ou “provocações”
de Clarice Lispector.
Uma verdadeira arte na expressão de sentimentos,
na tradução da existência humana.

Como bem disse Yudith Rosembaum não se lê Clarice impunemente.

Resultado de imagem para clarice lispector

Compartilho sua bela crônica “As três experiências”, de 1968,
atemporal.

“Há três coisas para as quais eu nasci e para as quais eu dou a minha vida. Nasci para amar os outros, nasci para escrever, e nasci para criar meus filhos. “O amar os outros” é tão vasto que inclui até o perdão para mim mesma com o que sobra. As três coisas são tão importantes que minha vida é curta para tanto. Tenho que me apressar, o tempo urge. Não posso perder um minuto do tempo que faz minha vida . Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca.

E nasci para escrever. A palavra é meu domínio sobre o mundo. Eu tive desde a infância várias vocações que me chamavam ardentemente. Uma das vocações era escrever. E não sei por que, foi esta que eu segui. Talvez porque para outras vocações eu precisaria de um longo aprendizado, enquanto que para escrever o aprendizado é a própria vida se vivendo em nós e ao redor de nós. É que não sei estudar. E, para escrever, o único estudo é mesmo escrever. Adestrei-me desde os sete anos de idade para que um dia eu tivesse a língua em meu poder. E no entanto cada vez que eu vou escrever, é como se fosse a primeira vez. Cada livro meu é uma estréia penosa e feliz. Essa capacidade de me renovar toda à medida que o tempo passa é o que eu chamo de viver e escrever.

Quanto aos meus filhos, o nascimento deles não foi casual. Eu quis ser mãe. Meus dois filhos foram gerados voluntariamente. Os dois meninos estão aqui, ao meu lado. Eu me orgulho deles, eu me renovo neles, eu acompanho seus sofrimentos e angústias, eu lhes dou o que é possível dar. Se eu não fosse mãe, seria sozinha no mundo. Mas tenho uma descendência, e para eles no futuro eu preparo meu nome dia a dia. Sei que um dia abrirão as asas para o vôo necessário, e eu ficarei sozinha: É fatal, porque a gente não cria os filhos para a gente, nós os criamos para eles mesmos.

Quando eu ficar sozinha, estarei seguindo o destino de todas as mulheres. Sempre me restará amar.

Escrever é alguma coisa extremamente forte mas que pode me trair e me abandonar: posso um dia sentir que já escrevi o que é meu lote neste mundo e que eu devo aprender também a parar. Em escrever eu não tenho nenhuma garantia. Ao passo que amar eu posso até a hora de morrer. Amar não acaba. É como se o mundo estivesse a minha espera. E eu vou ao encontro do que me espera. “

Veja esse video sobre a leitura de Clarice e seus efeitos.

bjo,

Darlene

Sobre Clarice

Nasceu no dia 10 de dezembro de 1920, em Chechelnyk, na Ucrânia, Clarice Lispector se chamou Chaya Pinkhasovna Lispector. Mas de ucraniana só teve o local nascimento: ao longo de sua carreira, ela dizia literalmente nunca ter pisado lá, visto que foi carregada no colo. Em 1921, ela e a família migraram para o Brasil fugindo da perseguição a judeus durante a Guerra Civil Russa. Instalaram-se primeiro em Maceió, e logo mudaram para o Recife, tanto que Lispector se considerava pernambucana. Aos 14 anos, mudou-se para o Rio de Janeiro com o pai e as irmãs após a morte da mãe. Lá estudou direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro, embora já se interessasse mais pelo meio literário.

Fonte: Revista Galileu

“Eureka”, uma habilidade?

Sensíveis. Próximos. Humanos. Alguns dos motivos pelos quais eu gosto dos textos da Revista Vida Simples.

Esses dias um deles, sobre “serendipidade” me fez pensar sobre a habilidade de criar, de ser um real produtor de inovações, de ideias geniais, de estabelecer achados inusitados. Um competência, eu diria, extraordinária!

Optei por reproduzir parte aqui. Quem sabe o instigue, como ocorreu comigo. Começando por SERENDIPIDADE….

“Como encontrar?

A falta de uma definição exata não atrapalha sua busca: todos procuram a serendipidade ou tentam construir cenários para que ela se manifeste. As empresas veem como uma ferramenta para sobreviver à crise; o mundo digital, como isca para conquistar usuários. E, finalmente, nós, simples mortais, para quem serendipidade também é sinônimo de felicidade.

A questão que se coloca é: como cultivar isso? Podemos treinar para sermos mais “serendipitosos”? Construir um ambiente para que isso se manifeste? Todos os casos práticos e testemunhos indicam que sim. A serendipidade é uma capacidade que pode ser cultivada, adquirida e sustentada (e, como propõe a internet, também comprada e vendida).

A primeira coisa é ser proativo. Como o próprio conto mostra ( parte anterior do texto), a serendipidade é uma habilidade. Ela só foi detectada e percebida por um sujeito ATIVO. Os príncipes puseram-se na estrada e estavam abertos para o desconhecido, para as aventuras e as surpresas inerentes a uma viagem. A postura, o otimismo, a alegria e a entrega transformaram-nos em heróis viajantes. O conto mostra ainda que eles eram observadores sagazes, estavam atentos a cada detalhe do caminho e eram capazes de ver sentido em tudo o que era observado. E é essa habilidade – a capacidade de combinar eventos ou observações de maneiras significativas – que a diferença da sorte. Serendipidade é ver combinações significativas onde os outros não veem.

Outro ponto: estude arduamente. Por mais que as narrativas reforcem, nenhuma descoberta científica foi feita por pura sorte, de forma aleatória. Não foi um mecânico que descobriu a penicilina, por exemplo. Todos os acidentes ou acasos felizes na ciência têm um ponto em comum: cada um foi reconhecido, avaliado e posto em prática à luz da experiência intelectual do descobridor. ^O acaso favorece a mente preparada^. disse Louis Pasteur ( 1822- 1896), cientista francês reconhecido pelas suas notáveis descobertas de causas e prevenções de doenças, ele própria uma ^vítima` de sincronismos de eventos intencionais e fortuitos. Entre os seus feitos está a vacina contra a raiva e o método para conservar alimentos (como o leite), a pasteurização.

Abrace a diversidade. A segmentação do conhecimento é importante e faz o especialista, mas não tenha medo de explorar outros saberes. No tópico sobre a construção do “eu” único e poderoso, o filósofo inglês John Stuart MIll ( 1806-1873) afirma que o mais alto e harmonioso grau de desenvolvimento que um homem pode atingir vem da fórmula INDIVIDUALIDADE + DIVERSIDADE = ORIGINALIDADE. Cultive-se, aprimore-se, percorra o mundo, percorra o outro. E atenção: não se trata de diversidade apelativa e alienante dos dispositivos eletrônicos. É a diversidade com qualidade. Exponha-se a outros saberes, converse com pessoas de outras áreas, fale com desconhecidos. Os livros são fontes preciosas para isso. Procure ler aqueles que sejam de assunto fora da sua área de trabalho. Na educação grega – um modelo de educação reconhecido e aplicado até hoje ( PAIDEIA) – , um soldado que não soubesse poesia jamais chegaria a general.

Mais uma questão: trabalhe arduamente, mas arrume tempo para a contemplação, para a meditação, para a posse de si mesmo. ( …. )

A descoberta mais significativa da biologia moderna – a estrutura da molécula de DNA – nunca foi uma pesquisa oficial. Ela aconteceu nas margens de grandes pesquisas e foi “tolerada” pela chefia. Se você n]ao tem interesse num projeto, não impeça outros de seguir em frente. É dessa abertura que nasce a habilidade de fazer conexões, a capacidade de ver combinações onde outros não viram. Esse é o ponto que diferencia a serendipidade da sorte. “

Texto de Margot Cardoso, para Revista Vida Simples.

O que lhe compete?

“Mantenha sua atenção inteiramente concentrada no que de fato lhe compete e tenha sempre em mente que aquilo que pertence aoos outros é problema deles, e não seu.

Se agir assim, estará imune a coações e ninguém o poderá reprimir. Será verdadeiramente livre e eficiente em suas ações, pois seus esforços serão canalizados para boas atividades, e não desperdiçados em críticas ou confrontos com outras pessoas.

Tendo conhecimento e dando atenção ao que de fato lhe compete, não será obrigado a realizar qualquer coisa contra sua vontade. Os outros não poderão feri-lo, você não fará inimigos nem será prejudicado.

Se o seu objetivo é viver de acordo com esses princípios, lembre-se de que não será fácil: você deverá abrir mão de algumas coisas e adiar outras. É possível que até mesmo precise privar-se de riquezas e poder se quiser atingir a felicidade e a liberdade. “

Título “Ocupe-se apenas do que você pode controlar”, de Epicteto ( do livro A arte de viver, interpretação de Sharon Lebell)

Primeiro diga a si mesmo o que você deveria ser; depois faça o que tem que fazer.

Desrespeito .. nahhhh!

Muito mais fácil adotar um “deixa prá lá”, ou mesmo um “fulano não está num bom dia hoje”, quando somos submetidos a situações constrangedoras, seja por desrespeito ou por falta de educação.

Se você tem essa tendência, de colocar “panos quentes”, o que eu tenho pra te dizer é:

Paaaaara!!!

MUDE.

Deixar “passar”, de forma absolutamente passiva, comportamentos desrespeitosos, deseducados.. é omissão. Perde-se a oportunidade de fazer a diferença no seu entorno. De transformar.

Esses dias fui “destratada” duas vezes seguidas, pela mesma pessoa. Aconteceu quando liguei num cartório da cidade de São Paulo. (4o. cartório de registro de imóveis de SP), em busca de informações.

Uma grosseria sem tamanho!!

A pessoa não me conhece. Nunca me viu. (nem pintada rsss). Eu queria apenas saber a situação de um processo que havia “pago” para dar andamento. Eles fazem esse serviço e “ganha” pra isso.

A simples falta de um número (protocolo) não deveria ser motivo para aquele destempero. Tudo bem, se fosse regra não ser atendido por falta de protocolo, era só dizer. Com educação – Não posso lhe atender sem o documento. É uma regra do serviço. (se fosse, obviamente. o que não era o caso).

Simples assim.

Eu disse a ela isso. Se você não pode ou não quer me atender, é só dizer. Você não precisa me desrespeitar ou ser mal educada comigo.

Escolhi não permanecer mais na ligação com uma pessoa tão desagradável, por mais que eu precisasse da informação.

Expressar-se sobre o que você vê acerca de comportamentos indevidos é um mecanismo para promover diferentes posturas. Ou mesmo mudanças. Obviamente que dizer, ou manifestar-se não significa que isso ocorrerá, mas minimamente fará o interlocutor pensar.

Olha.. não estou dizendo para você atuar no mesmo nível, padrão de tensão, ou mesmo “dar o troco”. Isso seria um desrespeito igual. Estou dizendo para dizer ao outro sobre a atuação dele, equivocada, indevida, ou o que for.

Não saia da presença de outras pessoas, sem fazer a sua diferença. Mesmo que isso ocorra numa situação constrangedora como essa.

Feito.

A “personalidade” pode mudar ou permanece igual a vida toda? Um novo estudo sugere que é um pouco de cada.

A personalidade permanece a mesma desde o nascimento pelo resto de sua vida, ou pode ser mudada? Um novo estudo que abrange 50 anos de dados sugere que é possivelmente uma mistura de ambos.

Por décadas a personalidade foi considerada tão pouco concreta quanto o concreto – quem você era aos 15 anos é quem você seria aos 75 anos. Mas nos últimos 20 anos, a ciência cognitiva e comportamental revelou insights dinâmicos sobre o cérebro humano e os comportamentos correspondentes. Chegamos a ver a personalidade como, pelo menos, marginalmente mutável e, possivelmente, muito mais.

O estudo mais recente acompanhou as mudanças de personalidade ao longo de cinco décadas, e os resultados sugerem que, enquanto certos elementos da personalidade permanecem estáveis ​​ao longo do tempo, outros mudam de maneiras distintas. Em outras palavras, a personalidade é relativamente estável e mutável, e o grau de mudança é específico para cada pessoa.

A boa notícia da pesquisa é que, para aqueles de nós que experimentam mudanças significativas de personalidade, a mudança é principalmente em uma direção positiva.


“Em média, todos se tornam mais conscienciosos, mais estáveis ​​emocionalmente e mais agradáveis”, disse a principal autora do estudo, Rodica Damian, professora assistente de psicologia na Universidade de Houston.

Ao mesmo tempo, as pessoas que eram especialmente atenciosas, agradáveis ​​e emocionalmente estáveis ​​em tenra idade, também eram mais propensas a ser mais tarde.


“As pessoas que são mais conscienciosas do que outras pessoas com 16 anos são mais conscienciosas do que outras com 66 anos”, disse Damian.

O estudo extraiu dados do Inventário de Personalidade de Talentos do Projeto, um repositório de dados de personalidade sobre mais de 400.000 pessoas (no total) reunidas ao longo de um período de 50 anos. O valor dos resultados vem do intervalo de tempo expansivo, que permite aos pesquisadores medir as mudanças nos traços de personalidade, como conscienciosidade, extroversão e neuroticismo ao longo do tempo.

Quanto ao que influencia a estabilidade ou maleabilidade da personalidade, tanto a genética quanto os fatores ambientais desempenham papéis principais, com pesquisas anteriores sugerindo que cada um contribui igualmente para o resultado. O enrugamento relativamente novo nesse entendimento é a influência epigenética, na qual os genes de certos fatores podem ser “ativados” por influências ambientais.

O estudo também descobriu que, embora alguns elementos da personalidade pareçam mais específicos de gênero, as mulheres e os homens mudam praticamente na mesma proporção em relação ao tempo de vida. Nenhum dos dois tem uma vantagem sobre a “maturidade da personalidade” ao longo do tempo.

Uma grande conclusão das descobertas, enfatizaram os pesquisadores, é que, quando se trata de mudança de personalidade, não devemos nos comparar com os outros. Seu amigo especialmente simpático e sociável no ensino médio ainda será provavelmente mais simpático e sociável do que a maioria das pessoas que você conhece na meia-idade, portanto não deixe que o espelho social o leve a uma comparação. O que importa é o quanto você mudou – e que, de acordo com este estudo, é uma avaliação muito específica da pessoa.

O estudo foi publicado no Journal of Personality and Social Psychology.

Texto pstado em 16 de novembro de 2018 por David DiSalvo.  http://www.daviddisalvo.org.
Traduzido em método automático.

Sejamos todos feministas

“Você não deve mais gerenciar esse projeto porque está passando por uma fase difícil,  por conta da doença do seu pai.”  Uma “desculpa” que ouvi de um  “chefe homem”.  Um dos motivos “escolhidos” para ser destituída de um trabalho relevante.   

Insensível.  Essa é a palavra que prá mim,  descreve bem.   Ao longo de minha vida profissional percebi que para muitos homens,  “sentir” ,  “sofrer a perda”,  nada mais é  que símbolo de  “fraqueza”.  Sinal de incapacidade para lidar com as questões profissionais.   
Páaaara!!! Desumano isso!!!

Nunca me envergonhei de sentir profundamente a perda de uma pessoa que amasse tanto.  Quem nunca??  Fico chocada pela forma como as diferenças de gênero se escondem nas entrelinhas das decisões. Muitos gestores, vestidos de conceitos equivocados acerca da sensibilidade, de família, de maternidade, de paternidade, das necessidades humanas em si, podem prejudicar os profissionais em suas carreiras e atuações.  E isso passa desapercebido nos “sistemas”,  em padrões vigentes. 

Essa não foi a única vez e sei que não será a última, que vou presenciar desrespeitos por conta de ter nascido mulher. 

Mulher sim.. com muito orgulho.

Tanto um homem como uma mulher podem ser inteligentes, inovadores, criativos.  Nós evoluímos.  Mas nossas ideias de gênero ainda deixam a desejar. 

Chimamanda

Passei o olho pela cômoda do quarto e me deparei com  um pequeno livro. De cara me prendeu a atenção pelo título..  Comecei a rolar as páginas e não parei mais de ler.  Linguagem fácil.  Recheado de histórias e casos. Tudo  tão próximo das realidades que tratam abusos “de gênero”!   E numa voz  que cola.. engaja e  insere o leitor (ou a leitora rs) no cenário.  A gente se reconhece nas palavras dela.  Os sentimentos são muito próximos…  

 E concluindo a leitura…  afirmo: 

Eu sou sim… feminista! 

Dentro do conceito trazido pela autora,   Chimamanda Ngozi Adichie, que diz:  “Feminista: uma pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos.”.  
Essa definição foi mencionada nesse seu livro “Sejamos todos feministas”.  E que foi também a inspiração para o título desse escrito.

Uma passagem do livro:


Tenho uma amiga americana que substituiu um homem num cargo de gerência.  Seu predecessor era considerado um “cara durão”,  que conseguia tudo; era grosseiro,  agressivo e rigooroso quanto à folha de ponto.  Ela assumiu o cargo, e se imaginava tão dura quanto o chefe anterior,  mas talvez um pouco mais generosa – ao contrário dela, ele nem sempre lembrava que as pessoas tinham família.  Em poucas semanas no emprego, ela puniu um empregado por ter falsificado a folha de ponto – exatamente como seu predecessor teria feito.  O empregado reclamou com o gerente sênior, dizendo que ela era agressiva e difícil.   Os outros funcionários concordaram.  Um deles, inclusive, disse que tinha achado que ela traria um “toque feminino” ao ambiente de trabalho,  mas que isso não acontecera.  Não ocorreu a ninguém que ela estava fazendo a mesma coisa pela qual um homem teria recebido elogios.

Consenti  com muitos  posicionamentos expressos por ela e  ressalto aqui alguns desses pontos:

1) Os pais precisam estar atentos para a educação das crianças (meninos e meninas),  de forma a não estimular (mesmo sem querer) as diferenças de gênero.

2) Mulheres não devem temer por se posicionar em relação à sua igualdade perante várias situações,  no trabalho,  no casamento,  nos relacionamentos.  Mesmo que isso implique,  “deixar de ser querida”.  Assumir o que são efetivamente,  sem se vestir de modelos para agradar padrões.

3) Cuidado com as afirmativas de que problemas de gênero  são culturais.  E com isso,  acomodar-se como algo fixo, rígido. Cultura é o resultado de um povo.  Cultura está sempre em tranformação a a partir da conduta coletiva do grupo. “A cultura funciona afinal de contas, para preservar e dar continuiade a um povo.” 

4) Precisamos,  homens e mulheres, melhorar nosso caminho para as gerações futuras.  Podemos lidar com isso de formas muito melhores, mais justas,  mais HUMANAS.

E tem muito mais…

Nesse vídeo abaixo,   a gravação do seu discurso no TED da África, com o tema que deu origem ao pequeno,  porém, GRANDE  livro.  

Clap Clap Clap

Discurso de Chimamanda Ngozi Adichie,  nigeriana,  realizado em 2012

“Emoções negativas geram processos inflamatórios? o que dizem as pesquisas.”

“Uma enormidade de pesquisas demonstram   que a inflamação mata. Quando a resposta natural de nossos corpos a doenças e lesões não é controlada, pode levar a condições crônicas variando de artrite a depressão e doenças cardíacas.

Nessas pesquisas também foram encontrados links para alguns tipos de câncer e doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson. O que ainda é pouco  entendido é se nossas respostas emocionais também desencadeiam e pioram a inflamação.

Cérebro, Inflamação, Curso, Médica, Cuidados De Saúde
from pixabay.com

Um novo estudo se concentrou nessa questão examinando o aumento de processos inflamatórios em pessoas que perderam recentemente um cônjuge. Os resultados sugerem que não só o luto pode resultar em mais inflamação, mas em níveis comparáveis ​​a doenças cardiovasculares potencialmente fatais.

Os pesquisadores conduziram entrevistas com pouco menos de 100 pessoas cujos cônjuges morreram recentemente e também coletaram amostras de sangue. As amostras de sangue daqueles que estavam passando por “sofrimento elevado”, incluindo a sensação de que a vida havia perdido seu significado, tinham níveis de inflamação 17% mais altos do que aqueles que não se sentiam assim (medidos pelos níveis de proteínas de citocinas inflamatórias). E o primeiro terço do grupo de luto tinha níveis quase 54% mais altos do que o terço inferior.

“Pesquisas anteriores mostraram que a inflamação contribui para quase todas as doenças em adultos mais velhos”, disse o principal autor do estudo, Chris Fagundes, professor assistente de ciências psicológicas na Rice University.

“Nós também sabemos que a depressão está ligada a níveis mais altos de inflamação, e aqueles que perdem um cônjuge estão em risco consideravelmente maior de depressão, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e mortalidade prematura. No entanto, este é o primeiro estudo a confirmar que o sofrimento dos níveis de sintomas depressivos das pessoas – podem promover inflamação, que por sua vez pode causar resultados negativos na saúde “.

O que esta pesquisa nos diz, primeiro, é que o velho ditado sobre morrer de um coração partido é mais verdadeiro do que imaginamos. O luto, via inflamação, pode nos matar, e isso não é uma hipérbole. Os resultados do último estudo confirmam pesquisas anteriores mostrando que a perda de um cônjuge “aumenta a mortalidade por todas as causas do parceiro enlutado”. 

Isso vale igualmente para mulheres e homens, particularmente para adultos mais velhos.As descobertas também oferecem um aviso sobre emoções não gerenciadas. O luto é saudável, mas o que esta pesquisa parece mostrar é que o sofrimento extremo que leva à perda do sentido da vida é perigoso em mais de um sentido. Se agimos ou não em nossas emoções, elas têm conseqüências bioquímicas que podem prejudicar nossa saúde.

O estudo foi publicado na revista Psychoneuroendocrinolgy. 

A recém-revisada e atualizada edição de 2018 do What Makes Your Brain Happy e por que você deve fazer o oposto está agora disponível.”

Texto escrito e postado em 1 de dezembro de 2018 por David DiSalvo. no  http://www.daviddisalvo.org

Essa é uma tradução automática. 

Informações sobre o autor –

DavidDiSalvo.jpg

David DiSalvo is a science writer and public education specialist who writes about the intersection of science, technology and culture.

His work has appeared in Scientific American MindPsychology TodayForbesTIMEThe Wall Street JournalChicago TribuneMental FlossSlateSalonEsquire and other publications, and he is the writer behind the widely read blogs, Neuropsyched, Neuronarrative and The Daily Brain. He is frequently interviewed about science and technology topics, including appearances on NBC Nightly News, National Public Radio and CNN Headline News.   

“Lei fundamental da liderança: seja humano primeiro, cientista segundo”

Ela sabe que eu curtiria esse texto.  Uma pessoa querida que me mandou esse link.  Gostei mesmo.  Trata-se de algo, aparentemente simples, mas pouco observado ou cuidado.  O cuidado com o tecido humano nas equipes.   Compartilho o texto,  com tradução automática.

“Eu fui humano primeiro e depois aprendi a ser cientista. Se eu esquecer a parte humana, então isso é um problema. Foi o que ouvi quando entrevistei 52 cientistas reconhecidos como exemplares por seus pares,  por suas realizações e condutas científicas.

Temas relacionados surgem em meu trabalho com cientistas que foram encaminhados para um programa de remediação formal após falhas na integridade da pesquisa.

Eu sou uma psicóloga organizacional, especializada no ambiente de trabalho científico. O que me interessa são as decisões e comportamentos que resultam em pesquisas inovadoras, rigorosas e éticas.

Os últimos meses chamaram a atenção para ambientes de trabalho insalubres, especialmente o bullying na academia. Também devemos nos concentrar em um problema comum e disseminado: mentores que têm excelentes intenções, mas conhecimento limitado de como criar um ambiente de trabalho saudável.

Muitos cientistas com quem trabalho sentem que não têm habilidades de gerenciamento e liderança. Eles querem ajuda com tarefas concretas, como coordenar projetos ou facilitar reuniões.

Mas o que surge de forma mais enfática é que a realização de pesquisas exige que estabeleçam e mantenham relacionamentos positivos no laboratório. Muitos pesquisadores em nosso programa de remediação tiveram interações tensas com os responsáveis ​​pela conformidade e enfrentaram dificuldades em suas funções de supervisores.

Por outro lado, os exemplos enfatizam enfaticamente como eles fomentam uma boa dinâmica de equipe por estarem envolvidos, acessíveis e conscientes da atmosfera do local de trabalho.

Como alguém me disse: “A regra número um no laboratório é a harmonia. Em primeiro lugar, temos que nos dar bem, temos que nos respeitar, temos que confiar um no outro, e esse é o princípio de funcionamento de todo o resto ”.

Equipe, Motivação, Trabalho Em Equipe, Juntos, Grupo

No entanto, dada a escolha entre trabalhar em um artigo científico ou abordar uma conversa difícil, muitos pesquisadores escolhem o primeiro – a tarefa que se sente mais diretamente ligada aos objetivos da pesquisa.

Os investigadores principais podem precisar trabalhar conscientemente contra a sensação de que “nada está sendo feito” durante as interações pessoais. Porque, seja orientando um trainee em dificuldades ou celebrando uma conquista duramente conquistada, investir em relacionamentos fortes e respeitosos é um investimento em ciência eficaz.

Então o que fazer? Todos os investigadores principais devem adicionar a construção de relacionamentos às suas listas de tarefas.

Tarefa 1:  coloque reuniões individuais recorrentes com os membros do seu grupo no seu calendário.
Configure um caderno ou planilha e anote tudo o que você deve mencionar durante essas reuniões. Defina um alerta por dez minutos antes do compromisso para decidir como abordar a reunião. O membro da equipe precisa de encorajamento? Orientação de carreira? Feedback sobre o seu projeto e direção para os próximos passos? Eles estão atrasados ​​ou sem confiança? Tente uma cutucada respeitosa, mas firme. Você expressou gratidão pela contribuição deles? Como um exemplo observou: “Eu valorizo ​​o que eles fazem e eu digo a eles”. Pergunte a si mesmo se é hora de uma conversa difícil. Se assim for, segure a urtiga. Isso faz parte do trabalho de um líder.
Às vezes, os investigadores principais preocupam-se com o fato de prejudicarem os relacionamentos fazendo discussões desafiadoras. No longo prazo, o oposto é verdadeiro. Use seus dez minutos para listar algumas observações. Declare o comportamento específico de preocupação; descreva como isso afetou você, a equipe ou o projeto. Em seguida, pergunte à pessoa por sua perspectiva. Se houver discórdia no laboratório, fale com as pessoas envolvidas, declare sua expectativa de respeito mútuo, peça-lhes que discutam e identifiquem uma solução.

Tarefa 2: convidar pessoas para compartilhar reclamações e destaques.
Vários cientistas exemplares exigem explicitamente que seus formandos relacionem uma preocupação ou lutem em algum momento em reuniões individuais. Eles querem ajudar as pessoas a se sentirem confortáveis ​​o suficiente para trazer problemas e erros à luz e, assim, resolver os problemas mais cedo, enquanto eles são administráveis. Vários exemplos observaram que os pesquisadores precisam de saídas para discutir frustrações e ansiedades. Eles sabem que é difícil aparecer e fazer o seu melhor quando atormentado pela preocupação. E eles querem saber o que está funcionando bem no laboratório, para aproveitar esses sucessos.

Tarefa 3: ande pelo “chão de fábrica”.
Mesmo quando os membros da equipe são bem-vindos para visitar seu escritório, a visibilidade oferece suporte a acessibilidade, brainstorming improvisado e resolução imediata de problemas.

Tarefa 4: modelar o comportamento desejado nas reuniões da equipe.
O modo como você se comunica será transferido para a interação ponto a ponto em seu grupo. Faça perguntas, espere participação e peça às pessoas que compartilhem seus pensamentos. Descubra onde estão os obstáculos. Incentivar a cooperação e o apoio mútuo. Explicitamente, declare que você valoriza um espírito colaborativo em seu grupo.

Tarefa 5: programe algumas ocasiões sociais para as pessoas passarem tempo juntas de uma forma mais relaxada.
Tais atividades podem parecer muito distantes da ciência, mas podem aliviar as tensões no laboratório. Comece pequeno. Certifique-se de acomodar as necessidades dos pais e responsáveis, pessoas com considerações culturais ou religiosas e aqueles que têm orçamentos apertados.

Tarefa 6: advogar fora do laboratório.
Fale sobre essas práticas em seu departamento, compartilhe aquelas que trabalham e aprenda com pessoas conhecidas por serem grandes líderes de equipe. Novos pesquisadores principais geralmente adotam as práticas de seus próprios mentores sem refletir, e muitas vezes seus modelos não eram ideais. Algumas tarefas de construção de relacionamento parecerão estranhas a princípio; tudo bem. Mostrar que você se importa é mais importante do que mostrar que você é perfeito.”

 

Texto de Alison Antes,  

Publicado originalmente no site – http://www.nature.com em 27.11.2018 –
(extraído em 02.12.2018)

 

 

 

 



H2Humanos é que sois.

A diferença substancial entre gestor e líder  aparece já no prefácio do livro  sobre liderança  do Simon Sinek.

“Quem é você?  Por que você está aqui?  Qual é o seu propósito? Estas são as primeiras questões para as quais queremos respostas,.  antes de iniciar um relacionamento com pessoas desconhecidas.” George Flynn

Depois vem os valores,  os princípios e quais as questões mais importantes na vida delas. Como elas se posicionam e se projetam no mundo.

Ainda:

“Não conheço nenhum estudo de caso na história que descreva uma organização cujos gestores a tiraram de alguma crise.  Em todos os casos, isso coube a seus líderes.”

Consinto com Flynn (autoria do prefácio)  quando menciona que os programas de desenvolvimento, em geral,  tem o foco no desenvolvimento de habilidades e técnicas em gestão. Trabalham com obtenção de conhecimentos para produção de resultados a curto prazo.  Pra ontem.  Agora,  aprender a ser líder?    Isso são outros quinhentos.   

Essas diferenças é que fazem organizações terem mais resultados que outras.

A proposta dessa obra excepcional é direcionar conteúdos  para a liderança,  colocada numa perspectiva ampliada.  Visa favorecer e ou mesmo criar uma nova geração de lideres.  Aqueles que transformam seu entorno.  Transformam o mundo em que vivem.    O autor busca explicar profundamente os elementos de conduta que caracterizam esses líderes e os levam longe.

“o verdadeiro preço da liderança é a disposição de colocar as necessidades dos outraos acima das suas. “

hands-1797401_640

Me questiono sobre minhas posições. Sempre. São muitas batalhas entre o “pensamento crítico”  e a “visão positiva”. Penso: será isso mais uma ilusão?  Uma utopia?  Mas eu,  humanista de carteirinha,   de forma realista – sem óculos  cor-de-rosa – acredito no poder da inspiração,  no poder do exemplo,  na força da ética e do bem.  Aqui em referência, acredito  no lado humano do líder.

“Quando os líderes inspiram seus liderados,  as pessoas sonham com um futuro  melhor,  investem tempo e esforço para aprender mais, fazem mais por suas organizações e,  durante o processo tornam-se líderes também.  Um líder que cuida de seu pessoal e manteém seu foco no bem-estar da organização nunca fracassará. “

Independente da problemática, das situações diversas que contornam esse tema,   o nosso mundo é o mundo dos seres humanos…

Bj, Darlene

Texto inspirado no prefácio do livro “Líderes se servem por último”,   de Simon Sinek.

 

Que tipo de líderança o Brasil precisa?

É muito  barulho político!!!

Em pauta, os potenciais “lideres políticos brasileiros”.

“Botei reparo” nas manifestações dos candidatos e também nas dos  cidadãos. Sozinhos ou emanados. Tento ver as suas principais características.  Como esses candidatos se comunicam,   como se portam,  o que dizem,   que sensações provocam.

Mesmo sob os impactos turvos da imagem moldada pelo marketing,  tento rastrear o que cada um carrega e entrega. Ou pelo menos, tenta.   Não poderia deixar de mencionar as necessidades estampadas dos brasileiros,    úmidas ainda das histórias recentes, que tocaram a moral e a ética.

brazil-652855_640

As redes sociais fizeram e fazem bonito. (desculpe – esse é um parênteses de quem vibra muito com a tecnologia e com o que ela viabiliza). Elas tornaram-se um explêndido cenário de expressão.  As mentiras, que antes eram ditas ao vento, ganharam nesse canal maior exposição e  um novo nome: “fakes”.

Presenciei movimentos de um dos  grandes palcos de manifestações desse país, a Avenida Paulista. Pelos meus olhos,  cenas e posições de todo calibre.

Mas..

Do que é mesmo que o Brasil necessita nesse momento?

O que pode,  de fato,  alavancar nosso país de forma significante?

Que tipos de líderes, nós brasileiros, precisamos e queremos?

Os resultados contam muito sobre o que nosso povo quer,  o que nosso povo pensa.  Brasil mostrando sua cara, sua digital.
Em poucas semanas, presenciaremos um novo capítulo da história política brasileira.

E para inspirar nossas reflexões,  trago um pouquinho de Sinek,   sobre o que é ser líder.

Líderes são aqueles que abraçam sem medo o desconhecido.

Correm para o perigo.

Deixam de lado seus interesses pessoais para nos proteger ou para nos puxar para o futuro.

Os líderes preferem sacrificar o que é deles para salvar o que é nosso.

E nunca sacrificariam o que é nosso para salvar o que é deles.

Isso é o que significa ser um líder.

Significa que eles escolhem ir primeiro rumo ao perigo,  encaram de frente o desconhecido.

E quando temos certeza de que vão nos manter em segurança,  marchamos atrás deles, trabalhamos incansavelmente para ver suas visôes ganharem vida e nos consideramos orgulhosamente de seus seguidores.

Texto de Simon Sinek, do livro Líderes se servem por último.

Um dos elementos fundamentais e  estruturantes  de uma  liderança consistente foi mencionada nesse texto:   o interesse genuíno pelo coletivo.  Primeiro,  o todo.

Até mais.

 

A questão da disciplina

Em tempos de confusão acerta do que é ou não “disciplina”,  considerei muito prática a explicação do Gikovate. Veja:

“A palavra “disciplina” já teve conotação positiva; relacionava-se com valor e era considerada uma aquisição indispensável para o desenvolvimento emocional das pessoas.

Ultimamente, passou a ser associada a autoritarismo, a disciplina militar. Pais disciplinadores passaram a ser vistos como pessoas antiquadas, como quem não ama de verdade os filhos. Damos a certas palavras conotações de ordem moral e é comum não sabemos sequer o que elas realmente significam, como nesse caso.

“Disciplina” pode ser definida como a vitória da razão sobre as emoções. Não que devamos reprimir sempre as nossas emoções em nome da razão. As emoções são inerentes a nós. O ideal é que possamos cada vez mais aprender a lidar com elas, encontrando um equilíbrio adequado entre razões e emoções. Trata-se de uma conquista difícil, diretamente relacionada com a maturidade da pessoa. Muitas são as circunstâncias em que existe um antagonismo entre emoção e razão. Na criança vence a emoção, mas, com o crescimento, a razão deveria transformar-se em poder central das decisões. É uma pena que isso só ocorra a certo número de pessoas – fortes o suficiente para suportar a frustração relacionada com a renúncia.

Vamos a um exemplo esclarecedor que já foi usado por muitos autores. Quando, numa manhã fria e escura de inverno, o despertador toca, nos informando que é hora de levantar, passamos a viver um dos conflitos mais duros entre a razão – que nos lembra de nossos deveres – e a preguiça – emoção natural em nós e que se recusa à obediência. Das pessoas que se deixam vencer pela preguiça, pouco se pode esperar em termos de sucesso nas atividades relacionadas com o trabalho. Sabemos que este se distingue do lazer pelo caráter obrigatório, pelos compromissos que temos com outras pessoas e pelo rigor com que seremos julgados se não obtivermos resultados aceitáveis.

woman-1958723_640

Se o compromisso estiver relacionado com o lazer, desde que não tenhamos combinado nada com ninguém, não levantar ofenderá “apenas” a nós mesmos, que nos avaliaremos como fracos. Não aprovaremos nossa conduta se tivermos faltado a um compromisso esportivo ou se tivermos perdido a hora para uma viagem de lazer. Isso nos fará mal, mas procuraremos nos enganar, dizendo que na próxima vez isso não vai acontecer. Se tivermos nos comprometido a acordar cedo para fazer algum tipo de ginástica e a preguiça nos vencer, não será nada bom para nossa autoestima, pois nos sentiremos “para baixo”. Poderemos fingir para os outros que estamos bem e que a cama estava uma delícia, mas não poderemos jamais enganar a nós mesmos; sabemos que fraquejamos e lamentaremos por isso.

Por outro lado, se o compromisso for com terceiros e envolver atividades profissionais importantes, os resultados objetivos serão catastróficos – além do prejuízo maior à autoestima. Caso um vendedor falte ao compromisso com seu cliente, talvez não seja perdoado e não tenha outra chance. O mesmo vale para o funcionário de uma empresa que sempre chega atrasado: acabará demitido, evidentemente. O médico que não comparecer aos compromissos com seus clientes será dispensado, e assim por diante.

Além da ofensa à autoestima, esses profissionais sofrerão todo tipo de sanção objetiva, de modo que não terão dinheiro nem o respeito dos outros.

Inversamente, aqueles que se reconhecem capazes de ter uma razão vencedora, que domine as emoções em geral, se tornam cada vez mais fortes, à medida que acumulam sucessos nas disputas que travam com eles mesmos.  E acabam por desenvolver um novo tipo de prazer, dos mais importantes para a nossa psicologia: o prazer de ser forte o suficiente para renunciar a um prazer imediato em favor de uma recompensa maior que virá em algum momento do futuro. Assim, a renúncia aos prazeres imediatos se transforma em um novo e maior tipo de prazer, o prazer da renúncia. Quem quiser dar certo no jogo da vida terá de se desenvolver até chegar a esse ponto de maturidade interior. Essas pessoas são capazes de dirigir a própria vida, pois deixam de ser escravas das emoções.

É preciso cautela, pois, à medida que a renúncia se transforma em fonte de prazer, ela pode passar a ser buscada de modo ativo e prejudicial. Orgulhar-se de ser capaz de fazer renúncias necessárias é coisa boa e ponderada. Entretanto, renúncias indevidas, buscadas apenas com o intuito de provocar a sensação de superioridade e de força extraordinária, são um excesso, algo que nos afasta do bom senso e já contém os sinais característicos dos vícios.”

 

(Trecho do livro “Os sentidos da vida”, p. 81-84),  de Flávio GIkovate – Publicado no próprio site do autor pela sua equipe, em 07.08.2018

O império do consumo – Eduardo Galeano

“A cultura do consumo, cultura do efêmero, condena tudo ao desuso mediático. Tudo muda ao ritmo vertiginoso da moda, posta ao serviço da necessidade de vender. As coisas envelhecem num piscar de olhos, para serem substituídas por outras coisas de vida fugaz. Hoje a única coisa que permanece é a insegurança, as mercadorias, fabricadas para não durar, resultam ser voláteis como o capital que as financia e o trabalho que as gera.”
– Eduardo Galeano

Eduardo Galeano – foto: Samuel Sánchez

 

O império do consumo

“Esta ditadura da uniformização obrigatória impõe, no mundo inteiro, um modo de vida que reproduz os seres humanos como fotocópias do consumidor exemplar.”
– Eduardo Galeano

A produção em série, em escala gigantesca, impõe em todo lado as suas pautas obrigatórias de consumo. Esta ditadura da uniformização obrigatória é mais devastadora que qualquer ditadura do partido único: impõe, no mundo inteiro, um modo de vida que reproduz os seres humanos como fotocópias do consumidor exemplar.

O sistema fala em nome de todos, dirige a todos as suas ordens imperiosas de consumo, difunde entre todos a febre compradora; mas sem remédio: para quase todos esta aventura começa e termina no écran do televisor. A maioria, que se endivida para ter coisas, termina por ter nada mais que dívidas para pagar dívidas as quais geram novas dívidas, e acaba a consumir fantasias que por vezes materializa delinquindo.

Os donos do mundo usam o mundo como se fosse descartável: uma mercadoria de vida efémera, que se esgota como se esgotam, pouco depois de nascer, as imagens disparadas pela metralhadora da televisão e as modas e os ídolos que a publicidade lança, sem tréguas, no mercado. Mas para que outro mundo vamos mudar-nos?

A explosão do consumo no mundo atual faz mais ruído do que todas as guerras e provoca mais alvoroço do que todos os carnavais. Como diz um velho provérbio turco: quem bebe por conta, emborracha-se o dobro. O carrossel aturde e confunde o olhar; esta grande bebedeira universal parece não ter limites no tempo nem no espaço. Mas a cultura de consumo soa muito, tal como o tambor, porque está vazia. E na hora da verdade, quando o estrépito cessa e acaba a festa, o borracho acorda, só, acompanhado pela sua sombra e pelos pratos partidos que deve pagar.

A expansão da procura choca com as fronteiras que lhe impõe o mesmo sistema que a gera. O sistema necessita de mercados cada vez mais abertos e mais amplos, como os pulmões necessitam o ar, e ao mesmo tempo necessitam que andem pelo chão, como acontece, os preços das matérias-primas e da força humana de trabalho.

O direito ao desperdício, privilégio de poucos, diz ser a liberdade de todos. Diz-me quanto consomes e te direi quanto vales. Esta civilização não deixa dormir as flores, nem as galinhas, nem as pessoas. Nas estufas, as flores são submetidas a luz contínua, para que cresçam mais depressa. Nas fábricas de ovos, as galinhas também estão proibidas de ter a noite. E as pessoas estão condenadas à insônia, pela ansiedade de comprar e pela angústia de pagar. Este modo de vida não é muito bom para as pessoas, mas é muito bom para a indústria farmacêutica. Os EUA consomem a metade dos sedativos, ansiolíticos e demais drogas químicas que se vendem legalmente no mundo, e mais da metade das drogas proibidas que se vendem ilegalmente, o que não é pouca coisa se se considerar que os EUA têm apenas cinco por cento da população mundial.

“Gente infeliz os que vivem a comparar-se”, lamenta uma mulher no bairro do Buceo, em Montevideo. A dor de já não ser, que outrora cantou o tango, abriu passagem à vergonha de não ter. Um homem pobre é um pobre homem. “Quando não tens nada, pensas que não vales nada”, diz um rapaz no bairro Villa Fiorito, de Buenos Aires. E outro comprova, na cidade dominicana de San Francisco de Macorís: “Meus irmãos trabalham para as marcas. Vivem comprando etiquetas e vivem suando em bicas para pagar as prestações”.

Invisível violência do mercado: a diversidade é inimiga da rentabilidade e a uniformidade manda. A produção em série, em escala gigantesca, impõe em todo lado as suas pautas obrigatórias de consumo. Esta ditadura da uniformização obrigatória é mais devastadora que qualquer ditadura do partido único: impõe, no mundo inteiro, um modo de vida que reproduz os seres humanos como fotocópias do consumidor exemplar.

O consumidor exemplar é o homem quieto. Esta civilização, que confunde a quantidade com a qualidade, confunde a gordura com a boa alimentação. Segundo a revista científica The Lancet, na última década a “obesidade severa” aumentou quase 30% entre a população jovem dos países mais desenvolvidos. Entre as crianças norte-americanas, a obesidade aumentou uns 40% nos últimos 16 anos, segundo a investigação recente do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Colorado.

O país que inventou as comidas e bebidas light, os diet food e os alimentos fat free tem a maior quantidade de gordos do mundo. O consumidor exemplar só sai do automóvel par trabalhar e para ver televisão. Sentado perante o pequeno écran, passa quatro horas diárias a devorar comida de plástico.

Triunfa o lixo disfarçado de comida: esta indústria está a conquistar os paladares do mundo e a deixar em farrapos as tradições da cozinha local. Os costumes do bom comer, que veem de longe, têm, em alguns países, milhares de anos de refinamento e diversidade, são um patrimônio coletivo que de algum modo está nos fogões de todos e não só na mesa dos ricos.

Essas tradições, esses sinais de identidade cultural, essas festas da vida, estão a ser espezinhadas, de modo fulminante, pela imposição do saber químico e único: a globalização do hambúrguer, a ditadura do fast food. A plastificação da comida à escala mundial, obra da McDonald’s, Burger King e outras fábricas, viola com êxito o direito à autodeterminação da cozinha: direito sagrado, porque na boca a alma tem uma das suas portas.

O campeonato mundial de futebol de 98 confirmou-nos, entre outras coisas, que o cartão MasterCard tonifica os músculos, que a Coca-Cola brinda eterna juventude e o menu do MacDonald’s não pode faltar na barriga de um bom atleta. O imenso exército de McDonald’s dispara hambúrgueres às bocas das crianças e dos adultos no planeta inteiro. O arco duplo desse M serviu de estandarte durante a recente conquista dos países do Leste da Europa. As filas diante do McDonald’s de Moscou, inaugurado em 1990 com fanfarras, simbolizaram a vitória do ocidente com tanta eloquência quanto o desmoronamento do Muro de Berlim.

Um sinal dos tempos: esta empresa, que encarna as virtudes do mundo livre, nega aos seus empregados a liberdade de filiar-se a qualquer sindicato. A McDonald’s viola, assim, um direito legalmente consagrado nos muitos países onde opera. Em 1997, alguns trabalhadores, membros disso que a empresa chama a Macfamília, tentaram sindicalizar-se num restaurante de Montreal, no Canadá: o restaurante fechou. Mas em 1998, outros empregados da McDonald’s, numa pequena cidade próxima a Vancouver, alcançaram essa conquista, digna do Livro Guinness.

As massas consumidoras recebem ordens num idioma universal: a publicidade conseguiu o que o esperanto quis e não pôde. Qualquer um entende, em qualquer lugar, as mensagens que o televisor transmite. No último quarto de século, os gastos em publicidade duplicaram no mundo. Graças a ela, as crianças pobres tomam cada vez mais Coca-Cola e cada vez menos leite, e o tempo de lazer vai-se tornando tempo de consumo obrigatório.

Tempo livre, tempo prisioneiro: as casas muito pobres não têm cama, mas têm televisor e o televisor tem a palavra. Comprados a prazo, esse animalejo prova a vocação democrática do progresso: não escuta ninguém, mas fala para todos. Pobres e ricos conhecem, assim, as virtudes dos automóveis do último modelo, e pobres e ricos inteiram-se das vantajosas taxas de juros que este ou aquele banco oferece.

Os peritos sabem converter as mercadorias em conjuntos mágicos contra a solidão. As coisas têm atributos humanos: acariciam, acompanham, compreendem, ajudam, o perfume te beija e o automóvel é o amigo que nunca falha. A cultura do consumo fez da solidão o mais lucrativo dos mercados.

As angústias enchem-se atulhando-se de coisas, ou sonhando fazê-lo. E as coisas não só podem abraçar: elas também podem ser símbolos de ascensão social, salvo-condutos para atravessar as alfândegas da sociedade de classes, chaves que abrem as portas proibidas. Quanto mais exclusivas, melhor: as coisas te escolhem e te salvam do anonimato multitudinário.

A publicidade não informa acerca do produto que vende, ou raras vezes o faz. Isso é o que menos importa. A sua função primordial consiste em compensar frustrações e alimentar fantasias: Em quem o senhor quer converter-se comprando esta loção de fazer a barba? O criminólogo Anthony Platt observou que os delitos da rua não são apenas fruto da pobreza extrema. Também são fruto da ética individualista. A obsessão social do êxito, diz Platt, incide decisivamente sobre a apropriação ilegal das coisas. Sempre ouvi dizer que o dinheiro não produz a felicidade, mas qualquer espectador pobre de TV tem motivos de sobra para acreditar que o dinheiro produz algo tão parecido que a diferença é assunto para especialistas.

Segundo o historiador Eric Hobsbawm, o século XX pôs fim a sete mil anos de vida humana centrada na agricultura desde que apareceram as primeiras culturas, em fins do paleolítico. A população mundial urbaniza-se, os camponeses fazem-se cidadãos. Na América Latina temos campos sem ninguém e enormes formigueiros urbanos: as maiores cidades do mundo e as mais injustas. Expulsos pela agricultura moderna de exportação, e pela erosão das suas terras, os camponeses invadem os subúrbios. Eles acreditam que Deus está em toda parte, mas por experiência sabem que atende nas grandes urbes.

As cidades prometem trabalho, prosperidade, um futuro para os filhos. Nos campos, os que esperam veem passar a vida e morrem a bocejar; nas cidades, a vida ocorre, e chama. Apinhados em tugúrios [casebres], a primeira coisa que descobrem os recém chegados é que o trabalho falta e os braços sobram.

Enquanto nascia o século XIV, frei Giordano da Rivalto pronunciou em Florença um elogio das cidades. Disse que as cidades cresciam “porque as pessoas têm o gosto de juntar-se”. Juntar-se, encontrar-se. Agora, quem se encontra com quem? Encontra-se a esperança com a realidade? O desejo encontra-se com o mundo? E as pessoas encontram-se com as pessoas? Se as relações humanas foram reduzidas a relações entre coisas, quanta gente se encontra com as coisas?

O mundo inteiro tende a converter-se num grande écran de televisão, onde as coisas se olham mas não se tocam. As mercadorias em oferta invadem e privatizam os espaços públicos. As estações de ônibus e de comboios, que até há pouco eram espaços de encontro entre pessoas, estão agora a converter-se em espaços de exibição comercial.

O shopping center, ou shopping mall, vitrine de todas as vitrines, impõe a sua presença avassaladora. As multidões acorrem, em peregrinação, a este templo maior das missas do consumo. A maioria dos devotos contempla, em êxtase, as coisas que os seus bolsos não podem pagar, enquanto a minoria compradora submete-se ao bombardeio da oferta incessante e extenuante.

A multidão, que sobe e baixa pelas escadas mecânicas, viaja pelo mundo: os manequins vestem como em Milão ou Paris e as máquinas soam como em Chicago, e para ver e ouvir não é preciso pagar bilhete. Os turistas vindos das povoações do interior, ou das cidades que ainda não mereceram estas bênçãos da felicidade moderna, posam para a foto, junto às marcas internacionais mais famosas, como antes posavam junto à estátua do grande homem na praça.

Beatriz Solano observou que os habitantes dos bairros suburbanos vão ao center, ao shopping center, como antes iam ao centro. O tradicional passeio do fim de semana no centro da cidade tende a ser substituído pela excursão a estes centros urbanos. Lavados, passados e penteados, vestidos com as suas melhores roupas, os visitantes vêm a uma festa onde não são convidados, mas podem ser observadores. Famílias inteiras empreendem a viagem na cápsula espacial que percorre o universo do consumo, onde a estética do mercado desenhou uma paisagem alucinante de modelos, marcas e etiquetas.

A cultura do consumo, cultura do efêmero, condena tudo ao desuso mediático. Tudo muda ao ritmo vertiginoso da moda, posta ao serviço da necessidade de vender. As coisas envelhecem num piscar de olhos, para serem substituídas por outras coisas de vida fugaz. Hoje a única coisa que permanece é a insegurança, as mercadorias, fabricadas para não durar, resultam ser voláteis como o capital que as financia e o trabalho que as gera.

O dinheiro voa à velocidade da luz: ontem estava ali, hoje está aqui, amanhã, quem sabe, e todo trabalhador é um desempregado em potencial. Paradoxalmente, os shopping centers, reinos do fugaz, oferecem com o máximo êxito a ilusão da segurança. Eles resistem fora do tempo, sem idade e sem raiz, sem noite e sem dia e sem memória, e existem fora do espaço, para além das turbulências da perigosa realidade do mundo.

Os donos do mundo usam o mundo como se fosse descartável: uma mercadoria de vida efêmera, que se esgota como esgotam, pouco depois de nascer, as imagens que dispara a metralhadora da televisão e as modas e os ídolos que a publicidade lança, sem tréguas, no mercado. Mas a que outro mundo vamos nos mudar? Estamos todos obrigados a acreditar no conto de que Deus vendeu o planeta a umas quantas empresas, porque estando de mau humor decidiu privatizar o universo?

A sociedade de consumo é uma armadilha caça-bobos. Os que têm a alavanca simulam ignorá-lo, mas qualquer um que tenha olhos na cara pode ver que a grande maioria das pessoas consome pouco, pouquinho e nada, necessariamente, para garantir a existência da pouca natureza que nos resta.

A injustiça social não é um erro a corrigir, nem um defeito a superar: é uma necessidade essencial. Não há natureza capaz de alimentar um shopping center do tamanho do planeta.

Fonte: Publicado originalmente na revista Carta Capital, em 30.12.2010.

Fonte –  Revista Prosa Verso e Arte,  em 01.10.2018

Mais sobre Eduardo Galeano:
Eduardo Galeano (textos, vídeos, crônicas e contos)

Sobre os privilégios do cargo.. 🤔

Durante uma viagem a trabalho, ao Oriente, há mais de dez anos, percebi  o presidente do conselho da empresa em que eu trabalhava, genuinamente incomodado. Humano e simples,  inquietou-se por ter  sido levado, juntamente com o “altíssimo escalão”, para um jantar diferenciado,  confortavelmente nos bancos de couro de um carrão de luxo.

Os demais executivos foram convidados a lugares mais simples e conduzidos numa “van”.  Isso nunca me incomodou.  Rimos da situação.  Logo cedo,  no dia seguinte, o presidente quis logo saber para onde haviam  nos levado e se havíamos sido bem tratados.  Era diferenciado. Quem?  Ele, o presidente.  Recordo de muitas passagens que o envolvem,  que me despertaram admiração pela sua conduta.  Me ensinaram.

Mas indo direto ao ponto que quero trazer…

O fato é que, com mais frequência do que se imagina,   os “empregados”, os profissionais do mundo corporativo estão sujeitos a vários e diferenciados privilégios,  usuais do contexto.

  • O carro na porta.  Abastecido.
  • O cafezinho servido na mesa.
  • O acesso a locais diferenciados.
  • As viagens e hospedagens em classe superior.
  • Por vezes,   muitas mordomias.

Os agrados de toda ordem sombreiam esse mundo de relações comerciais.  Não é incomum,  observar os   jogos de poder e influências  acontecendo  a todo momento  e percorrendo as  estruturas organizacionais.

business-3380350_640

Quanto maior o grau na hierarquia,   maiores e melhores são os privilégios,  as atenções dirigidas e “intencionais”.

Recordo como se fosse hoje,  embora tenha-se passado algumas décadas (rs),  a mudança de tratamento que observei para comigo, quando ascendi à posições executivas. Mesmo as pessoas que se diziam amigas,  passaram a agir de forma diferente,  com restrições.  Causou-me certo estranhamento.  Desde aquele momento,  uma luz amarela acendeu-se. Como que um aviso! Para que eu tivesse atenção e refletisse sobre esses comportamentos.  Muito mais ocorreu ao longo de anos…

Até aí,  parece usual, não?

Não.

As pessoas mais desatentas,  que passam por essas circunstâncias de acesso a posições hierárquicas, de maiores responsabilidades,  podem acabar confundindo-se com os cargos que ocupam.  Por vezes, observa-se até certa simbiose. Misturam suas posições como “indivíduos”  que são,  e incorporam os supostos “poderes” providos pelo cargo,  pelo posicionamento  profissional.

Se pararmos pra pensar, ainda existem os impactos diretos dessa “absorção do cargo”,  nas relações com as pessoas.  Mas esse é um tema para uma outra postagem.. (rs).

O mundo corporativo tem dessas coisas…  Deixa os indivíduos  mal acostumados com os privilégios das posições que ocupam.  Daí a importância de estar atento a esses movimentos,  às ilusões criadas e à realidade de influências que ocorrem nas empresas.

organization-2478211_640

A chave é manter sempre a consciência e clareza do que chega pra você,  enquanto profissional e o que chega pra você, enquanto pessoa.  O que, de fato é seu e  o que é da companhia para quem você trabalha.  A máquina pública tem apresentado exemplos  dos mais diversos, relacionados ao uso indevido da posição, em favor do interesse pessoal.

Eventualmente,  você precisará sacar da coragem, para ser você mesmo, ainda que isso implique abdicar de regalias e ilusões.   Nessas situações, é  importante assumir a responsabilidade por ser você mesmo,  e optar pelo que é correto.

E esteja certo, hora ou outra…  a posição cai.

E você, ficará de pé.

Inteiro.

bjo,

Darlene

 

3 caminhos ao supercérebro #04CC

Tenho escrito alguns posts relacionados ao livro Supercérebro.  Esse é o quarto deles. E para os que gostam e apreciam o tema.. mais um pouquinho…

A complexidade é um dos desafios para o uso mais efetivo do Supercérebro, segundo Chopra,  médico indiano, pesquisador da vida humana e autor de diversos livros.

” a rede neural do cérebro  é o computador do corpo,  mas também o computador da vida.

Esse misterioso computador do homem vai registrando ao longo de toda a vida,  as suas experiências, informações,  aprendizados. E esse repertório vai sendo utilizado na medida em que novas captações são realizadas, por meio de comparações. No meu entendimento,  as faculdades da inteligência estão funcionando nesse momento:  julgam, analisam, comparam, e etc.

Alguns cérebros,  com condições físicas absolutamente normais, já alcançaram resultados  de expressivo desempenho, o que leva a pensar  não ser  necessário possuir  um “modelo”  especial para atingir novos patamares de realizações.   O que nos incita a questionar sobre como então fazer para utilizar melhor esse mecanismo interno poderoso que todos tem a prerrogativa de incorporar,  e de nascença?

Três são  os grandes caminhos expostos por Chopra, para que isso possa ocorrer.  Ele, inclusive os chama de “heróis”.

a) Adaptar-se  –  Albert Einstein que se adaptava enfrentando o desconhecido.  Desenvolveu três forcas:  deixar pra la, ser flexível e manter a calma, e três obstáculos: apego a velhos hábitos,  manutenção das mesmas condições e estagnação.

Alguns sinais de que você esta se adaptando melhor:  consegue rir de si mesmo,  existe que existem outros pontos de vistas e situações que não são do seu domínio,  concessão passa a fazer parte positivamente da sua vida,  encanta-se com novas coisas que vê, entre outros.

b) Integrar-se – capacidade de integrar-se ao que acontece,  absorvendo os feebacks que o próprio corpo gera. A integração pressupõe um ciclo de troca de informações entre mente, corpo e o mundo externo.

Como fazer isso? De forma muito simplificada,  mantendo-se aberto,  não bloqueando o ciclo com crenças,  não censurando o que chega, sendo independente,  analisando outros pontos de vistas como se fossem seus, esteja disposto a se reinventar todos os dias. Obviamente que o que cada um carrega,  tende a influenciar  sua visão e a realidade.

virus-1675421_1920

Cuide das três forças da integração – comunicação, equilíbrio e visão ampla.

Alguns sinais de integração:  cria um lugar onde possa ser você mesmo,  deseja se conhecer,  observa as crenças e encara a realidade,  sente -se inspirado, dispõe-se a servir os outros… entre outros.

c) Expandir a consciência – algumas pessoas levam sua consciência mais adiante.  Em geral, são pessoas de grandes propósitos. Aquele propósito que vem de dentro. “ser humano é ser consciente – a única questão é saber o quanto.”

Consciente do que tem dentro e do que tem fora de si.   Na medida que amplia-se a consciência, tem-se um maior domínio autoral do seu destino.

Como fazer isso?  valorizando o estado de alerta, estando com atenção sempre ativa, resistindo  à unanimidade,  valorizando-se,   não esperando a aprovação dos outros, questionando suas crenças,  entre outros…

Atente-se para as três forcas da expansão da consciência:   evolução,  expansão e inspiração.

Expandir a consciência passa por revisitar os  “domínios”   a que somos submetidos.   Passa por pensar sobre o que nos limita e domina na sociedade contemporânea.  Quais são os nossos principais  motivadores,  o que nos faz levantar da cama e agir no dia. Quais  são nossos desejos,  metas pessoais (consumo, tempo, vida..).

” Uma vida cheia de estresse e tristeza faz a consciencia se contrair.

Sinais de que você está mais consciente: quando consegue ser autêntico, expressar sua verdade,  perdoar mais facilmente,  sentir-se mais seguro no mundo, quando sente o  medo não ser tão mais persuasivo… entre outras..

Tenho feito um teste com meus coachees (pessoas com quem atuo  em processos de coaching)  numa metodologia criada por Richard Barrett,  que avalia, por meio dos valores, uma variável relacionada `a amplitude de consciência.  É um exercício fabuloso de auto análise e de compreensão da própria vida.

Enfim, o posicionamento pessoal mediante essas três perspectivas, a de adaptar-se, de integrar-se e a de ter uma consciência mais ampliada pode favorecer uma maior performance na utilização do super cérebro.

Isso faz bem pra saúde em geral, para a existência,.

Aprendeu um pouco mais hoje?

Até a próxima,

Darlene

 

 

 

 

Cuidado com o que pensa! #03CC

Por que as pessoas quando envelhecem tendem a ter preguiça e apatia em relação ao aprendizado? Será que só por seguir um padrão de mentalidade e conduta que se repete ao longo da história?

“À medida que envelhecemos, tendemos a simplificar nossas atividades mentais, muitas vezes, como mecanismo de defesa.  Sentimo-nos seguros com o que sabemos e evitamos aprender qualquer coisa nova.  Chopra

E como já trouxe nos posts anteriores,  se a pessoa deixa de solicitar atividades ao cérebro, ela abdica de construir mais e novas estruturas sinápticas.  O que poderia fazer semmmmpre.

Qual o segredo então?  Manter acesa a luz,  de forma consciente.  A luz que ilumina os sentimentos e pensamentos,  a luz que busca novos conhecimentos e ativa de forma criadora a evolução cerebral.  Prevenção de doenças inclusive.  “Alzheimer”    sim….  muitos lapsos de memória podem ser desencadeados pela falta de utilização da estrutura cerebral.

Como os exercícios físicos.  Se você deixa de realizá-los, minimamente,  sua musculatura muda consideravelmente e há uma perda de força física.

men-1276384_640Manter a atenção consciente,  um aprendizado que tive nos estudos logosóficos, é uma chave para a evolução e para uma vida mais realizadora e feliz. A atenção,  aliada a conhecimentos, conceitos,  favorece de forma substancial as escolhas e mais que isso,  faz o processo criativo acontecer.   Exercita o cérebro.

Algo que Deepak trouxe, e que eu nunca havia parado pra pensar é que as expectativas são um gatilho poderoso para o cérebro.  Se a pessoa pensa que vai perder a memória e tensiona sua vida com alguns lapsos, isso, muito provavelmente está interferindo na sua função de recordar.  Ou seja:  Cuidado com o que pensa !!  Isso modifica você, pode ser para o bem ou não.  De novo,  depende de sua consciência e conhecimento.

Olha essa informação:

“Biologicamente,  mais de 80% das pessoas acima de 70 anos não têm  perda significativa de memória.  Chopra

Uma lição de hoje  (inspirada pelo livro SUPERCÉREBRO que deu origem a essa série de postos)  é que tenhamos cuidado com as expectativas e afirmações que colocamos na nossa vida. De preferência que sejam  positivas,  construtivas e sem o danado, do medo.  Medo de envelhecer, medo de perder a memória,  medo.. medo.. medo…    o limitador!

Que cada um possa plantar  a força da “fé no futuro”, da  “capacidade de empreender”,  do entusiasmo genuíno na vida e nas ações dia a dia são lubrificantes importantes para o corpo.

O fator alegria,  o entusiasmo,  as emoções fortes em geral tem sido consideradas  poderosas no sentido de acumularem registros mais facilmente na memória.  São observações dessas etapas de pesquisas , e, os estudos, as pesquisas têm muito mais ainda pra contar sobre esse mistério,  o cérebro.

Está curtindo essa série de posts? Compartilhe com as pessoas que você considera que poderão se beneficiar deles. No mínimo, pra pensar, criar novas sinapses,  não é? (rs)

Até o próximo,

Bjo,
Darlene

Cérebro: uso básico & uso super. #02CC

No nosso post #01CC sobre o “supercérebro” mencionei que o autor classificou a utilização das funções cerebrais em dois grupos, o básico e o super. Recorda?  Se você não leu esse post,  recomendo, passa lá …  (aqui)

Seguindo, fiquei pensando sobre o percentual de utilização que as pessoas fazem de um (o básico) e de outro (o super). Um “e” outro.  Entendo que os dois estão a postos, o que muda é o tamanho de utilização.  Pensei sobre o “meu percentual” especificamente,  em como eu tenho me comportado na utilização desse  mecanismo sensacional que já trouxe de fábrica (rs).

Pra  tornar prática essa análise, vou colocar aqui mais características de pessoas que utilizam um ou outro.  Para que favoreça também a sua avaliação  e identificação da sua forma de agir e   consequentemente, o uso que faz do seu cérebro.

Baseado no livro de referência, estruturei nessas duas listas, veja:

Captura de Tela 2018-07-17 às 16.22.47

Uma coisa é fato: o cérebro vai funcionar à medida de suas escolhas, estímulos, experiências. Ponto.

Repito aqui,  por puro efeito didático, uma frase do post #01 –  Tudo isso significa dizer que cada um é absolutamente responsável  por estimular a própria curiosidade, o próprio interesse.  Cada um é mestre de si mesmo.  e tem a principal função de tirar o cérebro do adormecimento, da inércia.

brain-2029391_640.pngEssa mudança de posicionamento, essa de adquirir potencia para conduzir seus movimentos cerebrais,  passa pelo conhecimento e por criar novos caminhos, hábitos, etc.  Passa também por rever algumas crenças, alguns mitos.

Olha  essa frase do Chopra:

Nosso cérebro não pode fazer o que julga não poder fazer.  (rs)

Crenças limitantes sugeridas pelo autor, que precisam ser revisitadas, repensadas:

  • Os danos ao cérebro são irreversíveis.
  • Os circuitos cerebrais são imutáveis.
  • O envelhecimento do cérebro é inevitável e irreversível.
  • O cérebro perde milhões de células por dia, que não podem ser substituídas.\\
  • Reações primitivas (medo, raiva, ciúme, agressividade) dominam o cérebro racional.

Pra mim, o grande pressuposto é o de que,  em termos de estrutura cerebral,  somos absolutamente capazes de nos auto criarmos.  E para isso, precisamos quebrar esses mitos colocados, que basicamente,  confrontam a ideia dessa possível evolução.

Se você tirou sua fotografia em relação ao básico X super,  o que encontrou?  Se puder, compartilhe comigo sobre sua compreensão e análise.

Até o próximo  cérebro-post. (rs)

bjo

Darlene

 

 

 

Você tem “supercérebro”! #01CC

Por conta do meu interesse pelas ciências cognitivas, buscando sempre maior aperfeiçoamento das minhas atividades do desenvolvimento, tenho pesquisado e lido a respeito do cérebro e afins.  Quero compartilhar com você algumas informações que considero oportunas e úteis.  Farei uma série de posts com o tema cérebro,  inspiradas pelo Deepak Chopra. Hoje é o primeiro deles.

Notório que a ciência caminha muito mais rapidamente nas descobertas relacionadas ao cérebro, à neurociência,   que no passado.  Os avanços tecnológicos  favorecem muito o desenvolvimento dessa parte incrível dos seres humanos.

“Nosso cérebro contem  100 bilhões de células nervosas, que forma de um trilhão a talvez um quatrilhão de conexões chamadas “sinapses”.”  Chopra

Elas, as sinapses estão continuamente se reorganizando com base nas nossas experiências, informações, criações  e nos nossos contextos.  Tudo que compreendemos, vemos, sentimos, tocamos, saboreamos, cheiramos não seria aprendido sem ele,  o senhor cérebro.

artificial-intelligence-3382507_640

“Nosso cérebro não só interpreta o mundo, mas o cria.”

Daí que precisamos utilizar esse dom que recebemos ao nascer.  Como o que fazemos todos os dias modifica nossas estruturas cerebrais,  que são dinâmicas, esse é um dos  caminhos  fundamentais na construção do futuro de cada indivíduo.

A máxima de que “pau que nasce torto morre torto” pode ser descartada,  pois o cérebro está apto a aprender  novas habilidades, independente de idade,   basta que o acionemos pra essa  prática. Ou seja, basta que queiramos isso.

Diferente de outros órgãos do corpo humano, o cérebro é um que evoluirá a vida toda. Então ele pode, aprender, aprender, aprender…   E uma das teorias  menciona que basta dedicar 10.000 horas  para adquirir qualquer competência especial. Competências, inclusive,  imputadas  unicamente ao “talento” nato.

A vida é então um campo fértil ao desenvolvimento de capacidades.  ..  Pode parecer óbvio isso.  E é.   Mas frequente do que eu gostaria, eu vejo pessoas estagnadas em seus processos de aperfeiçoamento.  Muito aquém do que poderiam conquistar.  Há uma estagnação em muitos aspectos da vida, intelectual, emocional, .. e outros.  Daí que pode ser óbvio, mas não necessariamente, consciente.

E uma das chaves para abrir essa possibilidade chama-se  curiosidade,  ou  interesse.  De acordo com Deepak Chopra,  existem dois conjuntos de características que representam a evolução ou não dessa estrutura.  Uma, o cérebro básico,  como o próprio nome diz,  exercita de forma básica as funções cerebrais  e o super cérebro, que estimula o próprio desenvolvimento.

Veja algumas das características de quem utiliza mais o cérebro básico

  1. Na medida que o tempo passa, a pessoa pára ou diminui muito a velocidade do seu desenvolvimento.
  2. Quando aprende algo, não leva adiante.
  3. Não gosta muito de mudanças  e resiste a elas.
  4. Não vai além daquilo que já é do seu domínio. Limita a expansão.

Agora algumas das características de um cérebro (supercérebro), como ele coloca.

  1. Continua evoluindo durante a vida inteira.
  2. Aprende novas habilidades e leva-as adiante, o mais possível.
  3. Adapta-se mais rapidamente às mudanças.
  4. Gosta de desafios,  se não realiza bem,  retorna e tenta de novo.
  5. Mantem-se bastante ativo,  com períodos curtos de inatividade.\
  6. Gosta de reinventar-se.
  7. Abandona crenças e opiniões.

Fica claro que  que cada um é absolutamente responsável  por estimular a própria curiosidade, o próprio interesse.  Cada um é mestre de si mesmo.  e tem a principal função de tirar o cérebro do adormecimento, da inércia.   Escolhas !!! De novo na nossa pauta.  O que cada um escolhe viver.. (rs).

Existem evidências de que manter atividade social e intelectual retarda a senilidade, o envelhecimento do cérebro. E o contrário também é um fato,  um estudo mostrou que o estresse rotineiro, interfere no cérebro, prejudica a tomada de decisões,  a avaliação de situações e a corrigir erros, rumos.

” use seu cérebro, não permita que ele o use.”

A recomendação colocada é que cada um seja auto-observadores do próprio cérebro, fazendo um papel de  “testemunha silenciosa”, para se perceber e aprender a lidar com ele.

meditation-1000062_640

“A capacidade do cérebro é tão incrível que um feto prestes a nascer forma 250.000 novas células cerebrais por minuto, gerando milhões de novas conexões sinápticas a cada sessenta segundos.”

O potencial cerebral é  então ilimitado.  Há que testá-lo aos  limites.

Como você tem utilizado o seu supercérebro?

Espero que tenha curtido .. até o próximo post.

bjo

Darlene.

 

Fonte:  Deepak Chopra – Livro Super Cérebro

 

Raiva suga sua energia.👊

Observou-se enfurecido por algo, ou por alguém?

Certa vez ouvi a seguinte resposta:  “Lógico,  ou você acha que tenho sangue de barata?” Rolei.. (rss)

Humanos são assim … tem emoções,  tem “repentes”,  temperos de toda ordem e por conta de alguns desses ficam até ensimesmados  (recolhidos em si), amargando.  Por vezes,  corroem-se  por dentro de tanto ficar pensando. Tem os que adoecem. Mas não arredam o pé da emoção.  A mantêm ali firme e forte, como um sanguessuga.

punch-316605_640

O fato é que quando você se permite embolar nesse estado emocional / mental está deliberadamente entregando seu poder a  “isso”. 

Sentir raiva consome energia. você fica mais fraco.   Tem energia de sobra?  

A vida taí chamando..  gritando!!   A-cor-da!.

Existem  inúmeras outras questões precisando de sua energia, da sua capacidade de solução.  Há que considerar se  vale a pena colocar  “a raiva” em pauta.  E certamente a pessoa/situação que provocou isso em você não está nem ai.

É hora de pensar em  seguir em frente e concentrar as suas energias onde possa realmente ter realizações construtivas, onde possa transformar, fazer a diferença no seu entorno. 

Quando você se sentir prestes a ter um ataque de raiva,  busque um pensamento que lhe ajude a cortar o mal pela raiz.

Que tal esse:

“…não é viril ficar enfurecido. Pelo contrário, gentileza e civilidade são mais humanas e, portanto, mais masculinas. Um homem de verdade não cede à raiva e ao descontentamento, e essa pessoa tem força, coragem e perseverança – ao contrário da raiva e da queixa. Quanto mais próximo o homem chega a uma mente calma, mais perto ele está da força. ” 

tradução livre do stoic diary

Vida forte que segue,

bjos,


P.S.

 

Texto do blog  “O que significa”

Sangue de Barata 

Praticamente todo mundo já ouviu e até já utilizou essa expressão: “fulano tem sangue de barata”, “acham que eu tenho sangue de barata” e por aí vai.

Mas afinal, o que o dito popular quer dizer? Relaciona-se o ‘sangue de barata’ com a falta de atitude ou que esperem que você não tenha atitude. Alguém que aceita demais, não questiona. Apático. Não se opõe, não arrisca. Alguém medroso e que não responde a qualquer desaforo.sangue-de-barata

A barata, assim como a maioria dos insetos, não tem sangue (eles tem o que é chamado de hemolinfa que não apresenta pigmentos e é transparente). Dizem que o sangue é o condutor da nossa sensibilidade ao coração, e pela falta do ‘tradicional’ sangue na barata, a pessoa com o tal sangue de barata tem essa insensibilidade que a faz agir como descrevemos acima.

Há explicação também falando que quando estamos nervosos ficamos o sangue quente, o sangue sobe e como a barata não tem sangue convencional, teria sangue frio e não se abalaria por nada.

Créditos para –  https://oquesignifica.wordpress.com/2014/02/14/o-que-significa-ter-sangue-de-barata/

 

Estabeleça METAS !! E persiga-as!!!🎯

A gente tem muita “querência”.

“Quero isso, quero aquilo e também aquilo outro.”  São inúmeras as cenouras na nossa pauta de “desejos”,  de “desafios a conquistar”.

Mas não necessariamente dedicamos tempo para estabelecer uma organização mínima desses nossos objetivos e principalmente, para estabelecer metas a serem conquistadas ao longo do tempo.

Muitas pessoas querem emagrecer.  As segundas feiras são sempre dias de declarações enfáticas e novas promessas de condutas nesse sentido – “essa semana será diferente”. Entretanto,  nem bem é terça feira e o esmorecimento prepondera.  Assim, elas continuam querendo,   mas  debilitadas em sua vontade esperam as soluções milagrosas ao invés de estabelecer um plano e medidas realistas para que isso aconteça.

Daí que nada acontece.

Ao pensar sobre a formulação dos seus objetivos e metas, leve em consideração a ferramenta SMART,  desenvolvida para favorecer esse processo.  Ela nada mais é do que um guia para você não deixar de pensar em nenhum desses pontos.   Entenda um pouco mais o que cada uma das letras significa com a figura abaixo.

Captura de Tela 2018-05-31 às 14.58.00

 

Defina bem  o seu objetivo e o que pretende alcançar em termos de metas.  A falta de clareza prejudica a realização,  e pode lhe fazer  desviar-se do caminho. O desafio estimula a conquista, então, seja ESPECÍFICO.

Se for definir um objetivo corporativo, por exemplo,  que visa o desenvolvimento de pessoas, equipes. Não basta definir  “desenvolver os colaboradores”.   Recomenda-se detalhar um pouco mais essa necessidade.  Perguntas cabíveis: desenvolver em quê,  por que,  para atender qual necessidade de capacitação,  para  cumprir com quais  objetivos estratégicos da organização?  Note que essa última parte faz uma conexão com os objetivos estratégicos da empresa. As iniciativas, projetos e objetivos precisam estar alinhados aos caminhos de futuro desenhados para a organização.  Isso para garantir que todos esforços estão sendo canalizados numa mesma direção.

Captura de Tela 2018-05-31 às 17.28.23.png
Se for um objetivo pessoal,  que visa um plano de formação profissional, pense nas finalidades das formações em pauta. Elas são elencadas para atender qual necessidade e visão de futuro na sua vida?

O que você definir carece ser mensurável, quantificável, para que você possa acompanhar sua evolução.  Medir é muito necessário, para que possa gerenciar sua execução.

“O que não é medido, não é gerenciado”. Adaptado de Edward Deming

Atenção aos motivadores, aos porquês dos seus objetivos. Que sejam relevantes, para que você encontre os estímulos que precisa para realizá-los.  Já ouviu a frase que diz “O que não te desafia, não te transforma”?

Escolha dedicar seu tempo, sua vida aos projetos desafiadores,  mas cuide que sejam também exequíveis, alcançáveis.   O inalcansável desmotiva,  desmobiliza.

Por fim,  é preciso ter um horizonte temporal para a implementação, para a realização do propósito, do objetivo.

Algo que li recentemente num livro muito especial sobre liderança é que nós, os homens, somos orientados visualmente.   Em geral queremos “ver pra crer”.  Ja ouviu isso antes?  Então,  isso reafirma a importância de “registrar”,   de   “escrever”  nossas metas  para materializá-las.   Há uma certa verdade nisso, veja:

“Se você não passar suas metas para o papel,  não vai cumpri-las”.

A probabilidade de atingi-las, ao manifestá-las,  descrevê-las,  especificá-las, aumenta.

“Cada ponto de nossa jornada é uma oportunidade para sentir que estamos progredindo rumo a algo que é maior do que nós. “

Concluo aqui reforçando a necessidade de pensarmos mais sobre o que nos move,  o que move nossos liderados,  o que move nossos filhos,  o que nos faz levantar estimulados da cama e partir para a ação. Que sejam estímulos construtivos e duradouros. Que sejam metas de significado pra você

Ah… um lembrete –  não pense só,  escreva (rs).

Até mais,

Darlene

 

Prática simples e útil pra ser mais produtivo! Yeah!!! 💪

Em tempos de grandes desafios  por maior concentração (foco), mais clareza de propósitos, gerencia do tempo, resultados e equilíbrio entre as várias áreas da vida, ressurge a recomendação por “escrever”por estabelecer uma rotina diária de registros. Pode favorecer a vida.

Quando pensa-se em  “diário”,  logo vem à mente aquele conceito tradicional do caderno onde se relata tudo… detalhes, memórias, lembrança.    Não é o caso aqui.   Nessa perspectiva, essa proposta não trata de escrever TUDO…   Refere-se à organizar melhor os conteúdos da sua vida.

book-2181055_1280

Um dos caminhos sugeridos por alguns autores é ter  dois registros ao dia:
a) um  pela manhã, contendo uma vista para o dia que se inicia e;
b) um registro ao final do dia,  com as conclusões e relevâncias, reflexões.

Num de meus posts sobre “mindset” mencionei sobre estar atento aos aprendizados do dia.  Sobre perguntar-se sempre,  o que aprendi hoje?  O quê, de novo,  acrescentei na minha vida?  São perguntas propícias para o final do dia.

Aprendi com Pecotche uma outra medida fabulosa…  simples e funcional.  Ao deitar, já elabore mentalmente o seu dia seguinte,  as atividades que estão programadas,  o que gostaria de viver.  Assim, quando acordar, já estará com esse planejamento prévio “pensado”.   Experimente!!

Uma das maiores tenistas mundiais, com uma coleção de prêmios, Martina Navratilova,  revelou,  numa entrevista  recente para o economista Tyler Cowen,  que o uso do diário  lhe ajudou a ter maior eficácia na vida e na carreira. Contribuiu para que pudesse canalizar esforços para seus objetivos de longo prazo, mas olhando o curto.  O dia a dia.  De acordo com ela,  essa prática te ajuda a se manter centrada nos seus projetos,  propósitos, nos seus objetivos primordiais.  Te mantem na “linha”.

Chamo a atenção também para  a necessidade de segmentar os projetos,  particionar as iniciativas,  alocando atividades menores na agenda, nos dias.  (sprints)

Enfim,   absolutamente  necessário “botar reparo” no seu dia,  em quê você investirá seu tempo,  seu esforço e por que.

Os benefícios da adoção dessa prática simples e útil podem ser ainda maiores.  Por exemplo, ao escrever,  trabalha-se mais a organização de ideias, a estruturação mental do tema.  Outro,  você terá possibilidade de utilizar o mecanismo para medir sua evolução.  As anotações vão favorecer sua visão sobre o caminho percorrido e seu cumprimento,  as distâncias para conquistar o que almeja.  Me lembrou uma frase muito conhecida no contexto de negócios – Você não consegue gerenciar,  o que você não mede. Consinto. Ponto.

“Os dias são caros. Quando você gasta um dia, você tem um dia a menos para gastar. Então tenha certeza de que irá gastar cada dia sabiamente.”

Jim Rohm

Bjo,

Darlene

Liderança Situacional: cada ocasião, uma nova oportunidade!🎊

Durante os preparos para os módulos do Programa SOS Liderança,   gosto muito de voltar aos conceitos fundamentais e fazer um repasse nos meus conteúdos,  realizar um “refresh“,  uma atualização. Normalmente, como há algum tempo não toco especificamente no tema em pauta, faço um mergulho e …. uau!!! Observo que os meus olhos já são outros.  Aí mora “certa” beleza de ver,  botar reparo no tempo de  “hoje”.    Como de lá pra cá,  já tive outras experiências, vivências, certamente a minha visão está consideravelmente diferente e na maioria das vezes, acrescida.

Captura de Tela 2018-04-26 às 06.27.17.png

 

Quero trazer um pouquinho desse olhar sobre o tema liderança situacional. Um dos seus princípios básicos  é a capacidade em “reconhecer”,  identificar,  fazer o diagnóstico de determinada “situação”.  Esse é um passo importante para lidar,  saber como se comportar melhor com seus liderados e com as necessidades específicas deles.

Como o próprio nome sugere “situacional”,   refere-se ao  “momento presente” e específico.    Daí a oportunidade imediata de “renovação”,   Mesmo já tendo vivido momentos similares, ou com variáveis análogas (mesma pessoa,  mesma empresa,  mesmo projeto),  essa é uma circunstância nova.

Liderança Situacional – Cada ocasião, uma nova oportunidade!!!

box-2953722_640 (1)

Assim torna-se necessário e muito bem-vindo um novo olhar, um novo diagnóstico.

Receitas velhas não necessariamente são adequadas para situações novas.  A realização da leitura do contexto requer “conceitos”,  conhecimentos,  requer visão,  (que estão sempre em evolução) para que o líder consiga interpretar corretamente e para que aja, utilizando-se do estilo compatível.

Imagine um médico fazendo uma prescrição sem ter feito um diagnóstico correto.  Coitado do paciente.  Nem me fale sobre isso... tenho tido experiências críticas nesse campo (ufa!). Assuntos pra outra hora… (rs)

O fato é que nessa etapa são necessários conhecimentos e conceitos sobre níveis de desenvolvimento das pessoas,  suas necessidades,  sobre a maturidade profissional, sobre os requisitos técnicos de situação avaliada,  sobre os objetivos a serem alcançados, entre outros.  O autoconhecimento e a inteligência emocional são aliados fortes nesse percurso pois as emoções estarão sempre presentes em todos os momentos e relações e vale a pena estar atento a elas.

Esse processo de diagnóstico e a aplicação do estilo adequado podem render muitos frutos tais como:

  • uma  maior motivação dos liderados,
  • o aumento na produtividade da equipe,
  • uma comunicação mais fluida;  e,  consequentemente,
  • um clima mais propicio para resultados de toda ordem,

inclusive sobre a energia e alegria dos colaboradores.

Já parou pra pensar sobre isso??

Até sempre..

Da

 

Postergou algo muito importante?⏱

Postergou algo muito importante??

Cuidado.

Certifique-se, absolutamente, que conseguirá cumprir com esse intento em data futura.  Garanta.

Sabe por que ?

Porque o tempo passa muito rápido e quando a gente se dá conta,  já foram semanas, meses e anos até,   como muito bem diz a poesia do Mário Quintana.  (anexada aqui)

 Deixamos pra trás muitos sonhos, projetos e ideias porque priorizamos a chamada “urgência” do agora.   Esse agora que carrega um saco de dificuldades.

  • Agora não dá,  tenho que juntar mais dinheiro.
  • Agora não dá,  precisa ser nas férias.
  • Agora não dá, tenho que acudir lá em casa.
  • Agora não dá, ainda não tenho diploma.
  • Agora não dá, preciso aprender melhor o inglês.
  • Agora não dá, não consigo tempo pra planejar isso.

Não Agora Não Depois??    É isso que vejo acontecer inúmeras vezes.  Projetos dentro da gaveta do criado mudo,  ou na do trabalho,  esperando uma atenção especial do dono –  “quando der vejo isso”.      Final do ano,  ele aparece um pouco na pauta,  nos votos para o novo ano, mas em seguida,  quase que imperceptivelmente, se apaga novamente.

Sinto te informar… agora já foi.

hourglass-620397_1280

Se isso não ocorre com você, receba meus efusivos e sinceros cumprimentos…  !!!!

Quer ver?  Tudo requer tempo  e ele está lá,  passando junto, inexoravelmente.   Pense, por exemplo,  no seu corpo físico.  Como ele mudou e responde bem diferente  à medida que você acumula algumas dezenas na idade.  Um corpo de vinte anos tem respostas  bem diferentes do corpo de cinquenta.

Certa vez li um livro chamado “Meu pescoço é um horror”,  de uma roteirista americana. Uma leitura leve, bem-humorada  e com muitas mensagens sobre o avançar a idade.   Até emprestei esse livro, mas nem sei mais pra quem.. (rsss).  Será problema de memória? (rss)   A autora disse algo muito simples e verdadeiro: depois de determinada idade,  os tempos são diferentes e a  gente precisa reservar mais boras na agenda pra  “manutenção”.   Eu interpretei assim… manutenção do físico,  da família,  das amizades,  dos relacionamentos,  das atividades, da energia,  da saúde…  etc. etc. etc.

É a mais pura REALIDADE.    Assim como as outras máquinas,  a máquina física,  utilizada a vida toda (sabe-se lá como)  começa a apresentar sinais provenientes do “uso”: a queda na produção dos hormônios,  dos cabelos,  as articulações começam apresentar por vezes, sinais de cansaço,  entre outras outras coisitas mais.

Mas .. o intuito aqui,  não é abordar os impactos do envelhecimento,  é ACORDAR as pessoas para a vida que têm nas mãos  e para que não deixem de abrir a gaveta, o criado “mudo”  e  tirar pra fora todos os seus projetos adormecidos.  Pensar, elaborar e criar condições para realizar  as experiências que anseiam viver.   Não postergue,  não protele,  não deixe guardado…

Porque quando vê … já foi.

bjo,

Darlene

 

O Poema de Mario Quintana, conhecido como  “O Tempo”, tinha um outro nome no seu original,  “Seiscentos e Sessenta e Seis”,  cuja publicação data de 1980 – na obra Esconderijos do Tempo.  Ele o escreveu aos setenta e quatro anos,  numa idade madura e cheia de sabedoria sobre a vida.

SEISCENTOS E SESSENTA E SEIS

A vida é uns dos deveres que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são 6 horas: há tempo…
Quando se vê, já é 6ª-feira…
Quando se vê, passaram 60 anos!
Agora, é tarde demais para ser reprovado…
E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio
seguia sempre em frente…

E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

 

Liderar com sensibilidade 🤺

Numa pesquisa realizada recentemente sobre felicidade, pelo Economista Richard Layard,   demonstra que as pessoas preferem sozinhas a ter que interagir com seus líderes. As pessoas se reconhecem muito felizes ao lado de famílias,  amigos.  O líder vem por último.

Olhem essas impressionantes informações.
Captura de Tela 2018-03-06 às 12.42.09

Ainda,  as pessoas que sofrem com seus líderes tem desenvolvido doenças complexas,  estresse, depressão,  síndrome do pânico,  o que as tem afastado de suas atividades profissionais com muita regularidade.  A cobrança intensa e não necessariamente adequada por resultados cada vez maiores  e mais rápidos  faz crescer o nível do estresse que por sua vez,  pode transformar-se em doenças piores, como a depressão.   Além de serem uma das causas dos distúrbios de humor e de ansiedades.

Já se tornou um dos grandes motivos de afastamentos do trabalho,  conforme informações dos órgãos responsáveis.

Para alguns “chefes”,  com letras minúsculas, subordinados não têm o direito de ter família,  e tampouco,  problemas particulares,  familiares e situações emocionais.  São uns verdadeiros aniquiladores, do “ideal”, do sentido positivo do trabalho em si.

Colaboram para aumentar o conceito “depreciativo” que o trabalho carrega por conta da sua própria história.   Não é à toa que muitos o encaram como castigo e não como um prazer,  como uma oportunidade para aprender,  para crescer e ser produtivo.  E pensar que mais de 60% das satisfações permanentes dos seres humanos provêm das atividades produtivas !! (AHHH)

Captura de Tela 2018-03-02 às 20.01.27.pngNão seja um líder (ou melhor chefe) redutor  do desejo de trabalhar dos outros.

Naquele dia profissional inusitado entrei  na minha “baia” ou área de trabalho num estado deplorável. Vergonhoso! De um jeito, nunca antes ocorrido nos meus mais de trinta anos de trabalhos profissionais no mundo corporativo. Super abastecida de uma emoção negativa, de um sentimento de desrespeito. Não, daquela forma,  eu NUNCA havia sentido. Um nó na garganta e aos prantos! Literalmente.  Me deixei levar pela emoção negativa. Lembro como se fosse hoje, porque cenas como essas,  não são tão fáceis de esquecer.

Havia recebido os meus primeiros cumprimentos de pêsames pelo falecimento do meu pai, sem que ele nem mesmo tivesse ainda falecido. Eu havia mencionado que o caso dele era crítico e que provavelmente não haveria mais recursos médicos.  Junto com os pêsames,  a mensagem de que estaria fora do projeto porque eu “estava vivendo uma situação difícil na esfera particular” (meu pai estava na UTI,  em fase terminal).  Não cabe detalhes, que certamente,  estava coberto de muitas outras variáveis.  Foi uma crueldade!

Por merecimento,  ou por lei de correspondência fui recebida e amparada por uma colega de trabalho,  sensível e solidária, que me aconchegou.   Somente ela presenciou e soube dessa minha passagem histórica.

A morte dele,  do meu querido pai,  ocorreu  poucos dias depois.Captura de Tela 2018-03-02 às 20.02.45.png

Sempre alimentei o pensamento de aprender com o que me acontece. Analiso, penso e estabeleço medidas.  Há sempre lições a serem capturadas  e especialmente nesse episódio não foi diferente.   Essa e outras tantas ocorrências  ajudaram-me  a reafirmar os meus propósitos por trabalhar para projetos e iniciativas conectadas ao ser humano, à vida.    Ao colaborar  com o desenvolvimento de pessoas posso contribuir na formação de novas mentalidades, mais humanas, mais dispostas a compreender as emoções uns dos outros,  mais sensível à integralidade dos indivíduos.   O profissional não pode ser considerado, tratado uma “coisa”,  um “recurso” a serviço dos resultados. É gente.  Bom, era assim que eu gostaria de ter sido tratada naquele momento.

Importante fazer ainda uma consideração:  uma pessoa, um único chefe não representa com suas atitudes,  a totalidade de uma organização.  Ou seja,  ter “uma” pessoa assim na sua trajetória profissional não necessariamente destitui o valor que você tem da organização. E posso afirmar que tive um imenso prazer em atuar nas empresas pelas quais passei e sou-lhes muito agradecida.

Mas como nada acontece por acaso,  e sempre para o nosso bem e crescimento, daquele dia em diante, um pensamento,  uma decisão começou a crescer comigo  internamente… EU PRECISO MUDAR!!!  Não posso permitir-me ser tratada, desrespeitosamente. NUNCA MAIS.  Qualquer tipo de dependência que eu tivesse naquele momento precisaria ser trabalhada, para criar condições de realizar. mobilizar um futuro diferente.

Aprenda a lidar por isso…

Antes que você veja sua auto-estima dizimada por essas questões, por esses fatores  propulsores  de emoções negativas, busque desenvolver estratégias e caminhos que te alimentem positivamente.

Você pode se deparar com situações muito legais e novas perspectivas de atuação, em contextos emocionalmente mais favoráveis, protegendo sua saúde e bem estar.  Ou mesmo,  descobrir razões fortes que ampliem suas motivações e engajamento no trabalho, mudando então o foco, reduzindo os impactos das relações negativas, tóxicas

Dizem que escrever é um santo remédio.  Ajuda a “aclarar” as ideias,  a tirar de dentro o que não nos faz bem,  e a ampliar as compreensões que temos.. Escrevo, porque, depois de tantos anos considero essa emoção negativa dissipada.    Penso que ao transferir em  palavras e compartilhar, posso ajudar outras pessoas a atuarem melhor em situações similares.

Não quero isso mais em mim. Ponto!

“que o perdão seja sagrado,  que a fé seja infinita, que o homem seja livre, que a justiça sobreviva.. aiai ”

Até sempre..

Darlene

Meninas, vocês são demais!! 💗💗💗

Ouço e estudo tanto sobre a importância das “inteligências relacionais” para o ser humano, em várias dimensões de sua vida, e isso me fez pensar na riqueza de uma experiência “mais virtual” que física, que tenho vivido e pela qual sou grata.

Por isso escrevo hoje. Para explicitar o meu respeito à muitas mulheres fortes, batalhadoras, cidadãs ativas, seres humanos “família”, muitas almas femininas com as quais tive a alegria de me conectar.  Participo há alguns anos de um grupo grande de mulheres “poderosas”, de XXX’s  (para preservar) do Brasil. (Agora não mais só do Brasil … )

girls-438152_640

Pensei por várias vezes render-lhes a minha homenagem, “singela” que pudesse ser, e acabei me detendo. Mas hoje encorajei-me, após ler uma serie de mensagens e de manifestações do grupo.

Conheço poucas pessoalmente, dado que sempre estive no interior e a maioria transita e atua nas capitais. Mas nem por isso, deixei de conectar-me, interagir e sentir-me partícipe.

O que presencio nesse grupo são conexões de qualidade, que vão desde questões profissionais – a maioria delas – à questões familiares, sociais, políticas, entre outras.

Recordo que chamaram-me especial atenção os intercâmbios acerca de política por ocasião da estruturação do governo Temer: questões sobre nomes relevantes, sobre potenciais mulheres com competência e valor que poderiam ser sugeridas para colaborar em tamanhos desafios brasileiros. Vez ou outra se apresentam também opiniões sobre grandes e estratégicos acontecimentos no país e no mundo.

Mas esse foi apenas um ponto… Tem muuuuuito mais…

Presencio uma enormidade de trocas, “ajudas” de várias naturezas, cumprimentos, benchmarking, discussões técnicas e sociais, informações significativas que envolvem o trabalho, mudanças realizadas (promoções, trocas de empresas, transição), e não poderia deixar de citar, as delicadezas de toda ordem.

Os desafios, as superações conquistados são motivos de alegria coletiva, as dificuldades e problemas, razão para o acolhimento e para as palavras de apoio e solidariedade.

Obviamente que num conjunto tão grande, a diversidade é do mesmo tamanho, mas as precursoras equilibram o contexto. Nem preciso citar nomes.. todas nós sabemos!!! As que saíram do mundo corporativo para empreender, continuam lá, a convite. É o meu caso. Sigo agradecida por essa convivência virtual e cheia de humanidades!

Quando paro e penso sobre esse grupo.. Que bom que existe um conjunto como esse! De expressão, de vibração, de realização!!

Minha voz hoje é de gratidão meninas.

Bjus, vocês são demais!! (tim tim)

 

 

Liderança TRANSFORMADORA!

Eu e minha querida parceira Andreia Nalesso realizamos um projeto que “adoro”,  o SOS Liderança.    Tenho um apreço especial por esse tema e há muitos anos sigo pesquisando, praticando e escrevendo sobre ele.  Aqui mesmo no blog,  tenho vários artigos nesse sentido.  E olha,  sempre descubro que há muito mais a ser aprendido, principalmente quando observo a realidade atual.

Especialmente no Programa SOS Liderança tivemos  palestrantes incríveis, que são grandes  referências em  suas áreas de atuação.    Hoje quero citar um deles:  Paulo Braune,  que nos ensinou de forma brilhante sobre a LIDERANÇA TRANSFORMADORA

De acordo com ele,   a liderança transformadora é um dos pilares que compõe  o tripé da Liderança INTEGRAL  (autêntica, inspiradora e transformadora).   É notória a relevância do tema, haja vista a carência de líderes não somente no Brasil, como também, no mundo.  Estamos assistindo aberrações  nos contextos políticos, econômicos  e sociais  no que tange aos “ditos líderes”.

Uma das características principais dos líderes transformadores compartilhada pelo Paulo é a postura e visão crítica sobre a realidade,  persistindo mediante  injustiças;  e convictos de suas crenças, princípios e valores.    Não abrindo mão deles, independente dos interesses em jogo.

Tem muito mais…  acompanhe conosco por aqui.  Veja uma “palhinha” e se inspire com a mensagem do Paulo.

 

Em breve teremos novas noticias sobre o SOS Liderança..
Me siga por aqui e tenha acesso rápido a esses conteúdos e notícias.

 

👍🏻 Curta
✍🏻 Comente
👉🏻 Compartilhe👈 🥊


✅ Siga-nos também nas redes sociais:

📺: http://youtube.com/darlenedutra
🖼: http://facebook.com/darlenedutra00
🖼: http://instragram.com/darlenedutra00
💼: http://linkedin.com/company/darlenedutra


✅ Saiba mais em:
http://www.darlenedutra.com

 

Processos de desenvolvimento assistidos… (mentoring, coaching)

Você já experimentou algum desenvolvimento de forma “assistida”,  com ajuda personalizada,  feito só para você?

Compartilho aqui algumas informações sobre esses tipos de processos de capacitação individual.   Embora o termo “coaching” esteja sendo utilizado para muitas e distintas finalidades,   em um de seus  “desenhos originais”,  enquanto processo estruturado de desenvolvimento,   é uma das formas mais interessantes para trabalhar a ampliação  de competências.

Para os leitores que não estão muito habituados ao termo,   “Coach”  é um termo inglês que passou a ser usado inicialmente na Universidade de Oxford,   fazendo referência aos orientadores ou tutores particulares  que tinham como responsabilidade,   preparar os estudantes para os exames da universidade.

mentor-2443788_640

Se você se deparar com a palavra “coaching”    trata-se do processo de desenvolvimento em si.   Se ouvir “coach” refere-se ao treinador, ao condutor do processo e  “coachee” à pessoa,  que está sendo orientada,  com vistas à uma evolução com objetivos definidos,   à aquisição de competências que a favoreça na obtenção de resultados.

Os líderes, especialmente no mundo corporativo,  têm se preparado formalmente para tornarem-se líderes coaches,   o que de acordo com Rhandy Di Stefano – referência no assunto – representa um estilo de liderança mais humanizada,  quando comparamos com estilos antigos.  Considera  também esse caminho mais eficiente para criar equipes e organizações de alta performance. Para que isso aconteça é necessário que seja uma estratégia da companhia e que haja formalmente essa “instituição”.

Outro caminho muito utilizado pelas organizações dentro desse mesmo contexto  é a contratação de consultores ou empresas  “externas’  especializadas em processos de “coaching”  para  realizar essa jornada de desenvolvimento e capacitação com profissionais em cargos de chefia, liderança.

Ainda,  é importante mencionar que para garantir certa padronização e uma metodologia que favorece a prestação de serviços com qualidade e eficiência, surgiram os órgãos certificadores,  muitos internacionais, inclusive.

A ICI® – International Association Of Coaching Institutes é uma escola pioneira nos seus cursos de coaching e aprovados pela International  Coach Federation (ICF).

Captura de Tela 2017-09-20 às 19.13.48.png

Existem também outras instituições com esse mesmo propósito e que podem ser pesquisadas e consultadas na própria internet. O que penso ser relevante mencionar é que,  os coaches, ao obterem as certificações internacionais passam a ser melhor reconhecidos pelo mercado, pois as empresas,  os contratantes em geral, sabem que  as certificações tem requisitos, regras e normas que visam garantir a qualidade dos serviços prestados por esses profissionais.

Se você estiver pensando em utilizar-se desses tipos de desenvolvimentos personalizados,  verifique a formação do profissional,  a experiência profissional que ele teve e a instituição em que foi certificado.  Vale a pena!

Cadastre-se aqui na nossa REDE  e receba nossas informações diretamente no seu email.

Se você curtiu esse conteúdo,  compartilhe com outras pessoas que possam também se beneficiar dele.  Interaja comigo,  darlene@pothum.com.br

Informações adicionais:

Para quem gosta de conhecer a origem da palavra…

Da Wikipedia – “A palavra coaching na língua inglesa (Coach) foi utilizada pela primeira vez na cidade localizada no condado de Komárom-Esztergom na Hungria, para designar as coches de quatro rodas. Essas coches começaram a ser produzidas no século XVI e tornaram-se as mais cobiçadas da época por seu conforto – elas foram as primeiras a ser produzidas com suspensão feita de molas de aço. Assim, as coches de Kocs eram chamadas de kocsiszeker. Os nativos dessa cidade também são chamados de kocsi. E é esse vocábulo que os ingleses entendiam como “coach”.[1]

Com o passar do tempo, surgiu uma metáfora. Do mesmo modo que a carruagem leva as pessoas aos diversos campos geográficos, o coach era a forma como se chamava o tutor que conduzia outras pessoas pelos diversos campos do conhecimento. Conta-se também que as famílias muito ricas, quando em longas viagens pela Europa, levavam servos no interior da carruagem, que liam em voz alta para as crianças o que elas tinham de aprender. Esse servo passou a ser chamado de coach também.

No século XVIII os nobres universitários da Inglaterra iam para suas aulas, em suas carruagens, conduzidos por cocheiros – Coachs. Por volta de 1830, o termo Coach passa a ser utilizado na Universidade de Oxford como gíria de “tutor particular”, aquele que “carrega”, “conduz” e “prepara” os estudantes para seus exames. Sendo assim, o termo coaching refere-se ao processo em si, o Coach àquele que conduz, e o Coachee à pessoa conduzida na direção do objetivo que deseja alcançar.

Porém, na atualidade novas linhas e abordagem estão surgindo, contrapondo esta ideia do coach como o profissional que leva o cliente do ponto A ao ponto B.”

Reputação, você tem?

Essa palavra tem sido muito mais utilizada  após a expansão valiosa da internet e das redes sociais.    O acesso e a democratização das informações e dados,  promovido pelo belíssimo desenvolvimento tecnológico,  tem criado novas reflexões nesse sentido.   As pessoas ficam muito  “mais expostas”,   e se apresentam a partir do que publicam,  seja por meio de fotos,  seja por meio de seus escritos e posicionamentos.  Essa exposição, modela de certa forma, o  “perfil da pessoa”,   reconhecido a partir dos seus leitores, visualizadores. Às respostas a esses “desenhos”  chamamos de reputação.  É a percepção, ou mesmo, o sentimento que os demais seres têm em  relação ao que observam.   Então, o que você diz, escreve, e mesmo,  faz,  diz muito sobre você.

Os outros reputam algo à você,  pelas características que eles lhe observam. Compostas por variáveis  que intrinsecamente (e na visão deles) estão qualificando você.

Captura de Tela 2017-09-13 às 15.17.20.png

Envolve desde suas preferências, opiniões, condutas,  …. entre outros.

Obviamente que tudo depende do “olhar” do observador e do que ele tem de conceitos e conhecimentos diante da vida.

“As pessoas vêm a partir do que têm dentro de si mesmas.”

A soma de muitos desses  “olhares”, percepções e observações constroem um perfil,  um desenho,  que promove ou não uma vinculação de confiança.   As pessoas de boa reputação possuem a confiança dos demais.

Grande parte das pessoas recorrem  às redes para tudo que querem saber,  pesquisar, e ou estudar atualmente.  Essa imensidão de dados  disponíveis têm subsidiado uma série de contextos pessoais e profissionais.

No contexto profissional, por exemplo:  muitas organizações incluíram no seu processo de recrutamento e seleção,  uma etapa de visitação aos sites sociais dos candidatos.

Então…

Você já parou pra pensar sobre “qual imagem você tem passado às pessoas?” ,  ou  “como está sua reputação?”

Uma nova especialidade tem ajudado as pessoas  a  realizarem uma melhor gestão de sua imagem.  Trata-se do “Personal Branding” ou “Gestão de marca e reputação”.   Uma disciplina que cresceu também junto com esse aumento das “exposições”.

No 4TOUCH,  um programa de autodesenvolvimento que idealizei,  trago a tona essa reflexão,  num dos seus primeiros módulos.  Para que os alunos possam estar atentos a essa questão e aos seus posicionamentos.  Para ampliar a visão conto ainda com a preciosa parceria da especialista no assunto,  a Juliana Saldanha, que nos ajuda sempre a entender melhor sobre isso e trabalhar a nossa reputação.

Se você gostou desse conteúdo e quiser interagir comigo,  cadastre-se na nossa REDE (clique aqui),  siga-nos nas redes:  darlenedutra.com  facebook.com/darlenedutra00. 

 

crédito das imagens utilizadas aqui – > https://www.federateddigitalsolutions.com/reputation-tool/

Quando a experiência fala alto…

Os apreciadores de esportes e os amantes do tênis tiveram a  oportunidade de assistir emocionantes partidas no US OPEN dos EUA,  em Nova York, esses dias.   Uma partida em especial me fez pensar sobre o valor da experiência em qualquer campo da vida.

Del Potro, argentino,  (foto), um jogador experiente,  cheio de febre por conta de uma gripe forte dos últimos dias,  conseguiu mesmo após um início difícil,  virar o jogo, de uma forma sensacional, contra  Thiem, jovem tenista austríaco,  e seguir para as etapas finais desse  Grand Slam norteamericano.

Por mais que estivesse debilitado por conta da saúde,   o jogador demonstrou que sua experiência,  sua trajetória nessa modalidade foram cruciais.

Muito estuda-se e analisa-se acerca das diferenças entre as gerações,  a necessária convivência entre níveis de maturidade e experiências distintas, do surgimento de conflitos e do jeito de pensar peculiares.   Só o desdobramento desse parágrafo daria um livro (rs), mas não é esse meu propósito.

Captura de Tela 2017-09-07 às 07.16.34

Esse jogo em especial  me fez pensar sobre como a experiência,   a maturidade,  o caminho percorrido fazem a diferença em alguns momentos,  trazendo à tona a necessária confiança, segurança para a ação com alta performance.   Alguém que passou repetidas vezes pelo mesmo caminho e teve resultados significativos, acumulou um repertório importante que pode ser “sacado”  em situações críticas e tensas onde os nossos limites são colocados à prova.   Se o componente “inteligência emocional” estiver presente então,  melhor ainda.

Desenvolver competências pressupõe entrar em ação.  Repetir, repetir, repetir práticas… Aprender com elas, lapidar, corrigir,  e principalmente, persistir, continuar.  É inócuo abarcar só e brilhantemente a teoria.  Seria como aprender tudo no manual de “como dirigir um carro”  e não tê-lo guiado.   A experiência prática,  a vivência,  os erros e acertos constituem  o acervo e esse, por sua vez, favorece grandemente a ação.

“A batalha que você tem que ganhar hoje
é a força que você precisa para vencer a guerra amanhã.”
Lanzelotte

O programa 4TOUCH ajuda as pessoas a percorrerem de forma autônoma e independente, de acordo com sua disponibilidade,   uma jornada de autodesenvolvimento,  com vistas a ampliar seu poder de ação.  Principalmente para as pessoas que não podem, por questões financeiras ou de disponibilidade de tempo, percorrer um processo de “coaching” individualizado.  Indico fortemente esse treinamento online.  Acesse aqui e conheça mais ou entre em contato comigo.

Se você gostou desse conteúdo,  clique e compartilhe!
Interaja comigo, cadastre-se na nossa rede

 

liderança primal – a experiência da sensibilidade e eficácia

Liderança é um dos temas mais tratados e discutidos nas organizações e sempre oferece muitas perspectivas de estudo e exploração. As questões que envolvem esse assunto não apresentam soluções definitivas, haja vista sua grande variável, o ser humano e sua inerente complexidade.

Confesso que me acerco desse assunto com muita freqüência, seja para buscar melhorias na minha atuação profissional e pessoal, seja para acalentar meus anseios de conhecimento e reflexão sobre a vida. Recentemente tenho tido contato com um livro muito interessante que discorre sobre características e estilos dos líderes, e que me atraiu a atenção pela abordagem diferenciada e com a qual me identifiquei muito: “a experiência de liderar com sensibilidade e eficácia”. Os autores trazem o conceito de liderança primal e discorrem sobre ele com muita propriedade e clareza, demonstrando seus efeitos diretos na vida das pessoas e organizações.

Ao estudarem, observarem os lideres, seus comportamentos, suas atitudes identificaram esse estilo de liderança como a que imprime em seus liderados um sentimento positivo. Líderes primais são aqueles que conseguem despertar nas pessoas o que elas tem de melhor. Mais ainda, sua missão básica é de cunho emocional, muitas vezes ignorada e invisível; contudo, importante e presente. A liderança baseada na inteligência emocional promove resultados de ressonância e por conseqüência um desempenho melhor dos liderados. A capacidade de inspirar, de gerar energia positiva, de provocar paixão e entusiasmo é um dos pontos de análise dessa liderança.

Questões que são trazidas na bibliografia e que vale a pena ressalta-las: “O que é necessário para ser capaz de liderar emocionalmente? O que habilita o líder a inspirar outros a darem o melhor de si? Como propiciar um ambiente de trabalho positivo, livre para as pessoas criarem, se relacionarem com o demais e produzirem na sua melhor forma? “ É possível desenvolver líderes primais, ressonantes?

Tenho compreendido que nos momentos de crise, nas situações adversas é que os líderes são mais exigidos e tem a possibilidade de demonstrar sua capacidade de fazer a diferença. Ser positivo e influenciar as pessoas em situações confortáveis é aparentemente mais simples, contudo, fazê-lo na adversidade é uma verdade arte. Lidar com as emoções das pessoas, não significa lidar somente com as positivas; significa compreender e cuidar também de toda a gama de emoções a que estas estão submetidas nas diversas circunstâncias. Atitudes e orientações dadas pelos líderes nesses momentos representam impacto e têm grande repercussão nas pessoas. Até os piores resultados, sejam eles de que natureza forem, devem ser administrados e as emoções do grupo canalizadas corretamente. Uma das questões colocadas é “de que recursos emocionais os líderes necessitam para prosperar em meio ao caos e à mudança turbulenta? O que confere ao líder a força interior para ser honesto mesmo em relação à verdades incômodas? O que habilita o líder a inspirar outros a darem o máximo de si e permanecerem fiéis diante da tentação de outros empregos? Como os líderes criam um clima emocional que propicie inovações criativas, desempenhos espetaculares ou relacionamentos calorosos e duradouros com os clientes?”

A maneira genuína de ser do líder, a naturalidade, de como interpreta e vê as coisas, de como gerencia o significado delas, de como diz e faz, tem um peso na condução dos trabalhos e do grupo. “Ao longo da história e em culturas em todo o mundo, o líder de qualquer agrupamento humano sempre foi aquele a quem os demais recorrem em busca de conforto e clareza diante de determinada incerteza ou perigo, ou quando há algum trabalho a fazer.. É quem funciona como líder emocional do grupo.”

Os autores mencionam também que o riso e a cordialidade são disseminadoscom mais facilidade e a irritabilidade e depressão quase não se disseminam. O resultado é uma cadeia de sentimentos positivos.Tenho observado a importância do humor inteligente nas interações profissionais e o quanto ele é importante para criar uma levezaesuavizar os temperamentos melhorando o ambiente de trabalho.

O estilo de um líder é demonstrado não só pelo que ele faz, mas principalmente, “como” faz. De forma sintética cito vários estilos de liderança: os visionários, os conselheiros, os agregadores, os democráticos, os agressivos, os despóticos. Cada um desses estilos reúne características e exercem determinado impacto sobre o ambiente, criando ressonância positiva de acordo com sua forma de ser no grupo. Por exemplo: o estilo visionário cria ressonância, conduzindo as pessoas rumo a sonhos compartilhados, o democrático cria ressonância a partir da contribuição de todos pela participação. Cada estilo, de posse de suas características, promove resultados em diferentes situações. Qualquer que seja o estilo, poderá ser fortalecido com as competências da inteligência emocional. De acordo com os autores desse estudo, a liderança, embora não seja um processo fácil e simples, pode ser aprendida, se houver esforço e dedicação.

Os lideres denominados ressonantes – que inspiram as pessoas positivamente – em geral, são em primeira instância, líderes de si mesmos, “tem um nível alto de autoconsciência, compreensão empática, autocontrole e harmonia de relacionamentos”. Conduzem sua vida com significados, exercitam a humildade, são abertos a aprender e mudar. Suas atuações, normalmente, não estão restritas ao ambiente profissional, são observadas também em suas outras esferas de relações. Os benefícios que promovem refletem não somente nas organizações que trabalham, mas na sua família, na comunidade, na sociedade em que estão inseridos.

Recordo de líderes como o prefeito de Nova York, Rudoph Giulliani, que teve na sua trajetória de resultados importantes, princípios como: integridade, otimismo, coragem, preparo, comunicação e responsabilidade. Demonstrou em várias ocasiões ser um homem de valores fortes e não abriu mão deles em função dos críticos e ou da imprensa. Para ele, os líderes, lideram pelas idéias que devem refletir seus princípios. Ele demonstrava confiança nas pessoas que lhes devolviam também da mesma forma.

Estou atualmente num programa – composto de muitos projetos, iniciativas e de vários líderes.Líderes, pra mim, não são aqueles que estão em posição de gerência, coordenação, chefia ou supervisão, mas são todos aqueles que, de alguma forma,seja pelo conhecimento,seja pela atitude, seja pelo exemplo, seja pela forma de ser, lideram pessoas, idéias eatividades. São lideranças distribuídas, que de uma forma, ou de outra,influenciam e se relacionam com as pessoas na busca de objetivos comuns, de relações duradouras e profícuas. A complementaridade existente no grupo amplia essa experiência e confirma a importância da colaboração como forma de criação de valor.

Esse programa, de cunho e envergadura diferenciados, proporciona uma riqueza de análise e observações, expõe lideranças e participações humanas estimulantes. Não obstante aos que estão diretamente ligados ao programa, ainda conta com as relações e interações com as mais diversas áreas e públicos da organização. Sejam áreas de comando e decisão, áreas de operação, áreas de mercado ou áreas de staff. Todo esse contexto, com a complexidade de gestão e decisões que envolvem, movimenta as inteligências, as mentes e as emoções das pessoas.

Coleciono várias passagens e casos dessa oportunidade, onde posso constatar o exercício da liderança, com seus estilos próprios, com suas idéias e ações. Me estimula observar odesenvolvimento pessoal e intelectual das pessoas e o progresso por meio de resultados. Um ecossistema venturoso e riquíssimo em experiências de muito valor.

Nesse programa nós, a organização, tivemos e temos pela frente imensos desafios e, de toda ordem: de gestão, de tecnologia, de engajamento, de transformações, de inovação, de relações com parceiros, de decisões, de riscos; todos eles, certamente sustentados pela grande base e maior desafio de todos – o humano.

Nesse conglomerado de variáveis, deixo como estímulo a reflexão: Como desenvolver cada vez mais líderes, que primem pelo desenvolvimento humano ao seu redor, levando-se em conta o mental e emocional das pessoas, o seu potencial humano, possibilitando que cada um desperte e dê o melhor de si?

Saudações,

Darlene

Vale a pena a leitura do livro base principal desse texto:
O poder da inteligência emocional – Goleman-Boyatzis-Mckee – Editora Campus

“Há algo que fica imantado à existência visível ou invisível de um ser:
são os feitos, os pensamentos, as idéias e as palavras que caracterizaram sua vida.”

Raumsol

 

A difícil decisão de empreender …

Você é uma dessas pessoas que analisam, analisam,  analisam muuuito antes de tomar uma decisão?  Ou você precisa de poucas análises e informações mínimas para iniciar seus projetos?  Qual seu estilo para tomar decisões?

Há um estilo de pessoas que “super” refletem antes de uma tomada de decisão necessária para implementação de projetos, para  entrar literalmente em ação.  Mergulhados num  “mar” de informações,  conteúdos,  produções científicas, críticas especializadas…  e tudo mais –  incrivelmente à disposição nas redes –  não é  fácil consolidar cenários e estruturar o racional que sustente a decisão.

Na verdade, em muitos casos, ocorre a tão conhecida “analysis paralysis’  (paralisia da análise).

icon-2515316_640

Cá pra nós, tomar decisão nesse mundão de dados e informações ficou bem mais complexo.  Tem muita ciência envolvida. “

As pessoas não querem errar,  e mais,  elas querem ser reconhecidas por bons resultados,  por realizações bem sucedidas. Esse comportamento (de enormidade de análises), quando  em “graus elevados”,   faz  manter  os projetos no papel.

Nas minhas pesquisas e trabalhos voltados à realização humana (Programa 4Touch) identifiquei que esse é um dos fatores inibidores da partida para ação.  Chamo a atenção para o MEDO:  o MEDO da incerteza,   o MEDO de não ser capaz de lidar com o novo,  o MEDO de errar,  o MEDO do FRACASSO. E esse medo,  por vezes, não declarado e até mesmo não identificado,  pode paralisar.

Gosto da frase de Nelson Mandela:

Eu aprendi que a coragem não é a ausência de medo, mas o triunfo sobre ele. O homem corajoso não é aquele que não sente medo, mas aquele que conquista por cima do medo.

Por outro lado…

horizontal-2071315_640

Devido ao momento crítico na economia do país,  às condições de menor consumo do mercado brasileiro, e do aumento progressivo do número de desempregados, há uma onda de  novos negócios,  de  novos empreendimentos. A coragem para criar novos caminhos, nesse caso,  tem sido fomentada pela necessidade.

Uma quantidade significativa de pessoas está empreendendo e especialmente no mundo  digital.  Boa parte delas por estar sem trabalho,   outra parte por apostar na tão sonhada carreira solo ou para tirar da gaveta uma idéia guardada há tempos.

Enfim,  deram a largada.

De acordo com Cristina Junqueira, co-fundadora do Nubank,  numa apresentação recente, esses momentos de recessão,  de crise econômica,  são propícios para empreender, porque é quando as pessoas “estão procurando alternativas e soluções diferentes, o que torna mais propício o crescimento de startups”.

Coragem e arrojo  à parte – e diga-se de passagem,  são qualidades que admiro –    é importante ter um mínimo de análise preliminar de forma a ampliar as chances de sucesso da iniciativa.  Um kit mínimo de variáveis precisa ser estudado para que esse projeto,   esse empreendimento tenha boas perspectivas.

O Brasil abre muitas empresas,  mas tem fechado muito mais nos últimos anos.  E não me refiro à taxa de mortalidade de novas empresas que é historicamente grande, mas  refiro-me ao fechamento de empresas com maior tempo de operação.  Em 2016, por exemplo, o número de empresas que pediram falência subiu 12%, se comparado ao ano anterior.  (Folha de S.Paulo).

O que fazer nesses momentos de decisão?

Se você pensa em alçar vôos nesse sentido…  sugiro avaliar  qual o seu estilo  para tomar decisões.  Ao se identificar busque um equilíbrio entre o ser “extremamente detalhista”  e não implementar e o  ser  “muito arrojado e até impulsivo” e implementar sem alguns cuidados mínimos.

Se quer conhecer algumas dicas chaves que podem favorecer sua a tomada de decisão  e evitar várias armadilhas,  fique de olho por aqui.

Não me refiro a procedimentos e atividades corriqueiramente necessários à abertura de empresas.  Nem sobre como fazer contratos,  negociações ou estudos estratégicos  e planos de marketing.  Esses tipos de conhecimentos e orientações você poderá obter em sites específicos, Sebrae por exemplo e ou outros. São inúmeras as fontes para obter essas informações.  Vou  trazer pra você recomendações de outro gênero. que lhe ajudem a tomar uma decisão com maior confiança. Fique ligado aqui e veja mais nos meus próximos posts.

Te convido também para se cadastrar na nossa REDE,  e receber informações diretamente no seu email.

 

Gostou das informações que trouxe aqui?  Quer interagir a respeito? Basta me enviar mensagem no meu email darlene@pothum.com.br

#cinema – Sobre Nise, o coração da loucura

Hoje eu trouxe como panorama de análise,   o filme considerado um “drama-biográfico”  –   Nise, o coração da loucura.  Um parênteses: eu “adoro” filmes e a sua utilização na didática em geral.   A história é contada no contexto do Hospital Psiquiátrico  do Engenho de Dentro  subúrbio do Rio de Janeiro,  e a atuação brilhante da Psiquiatra Nise da Silveira.

Como dizem por aí,   “botei reparo” em  vários pontos de reflexão e que podem ser tranquilamente transpostos a outros contextos e objetos de nossa análise e aprendizado.

Algumas lições importantes:

a) o inconformismo positivo: aquele incômodo necessário a todos nós,  que nos move rumo ao progresso, à  evolução,  que nos  faz saber que pode-se  mais,  que nos faz saber que é possível ser diferente.   Um inconformismo que leva à ação.

b) a riqueza da discordância: a mentalidade de  que não é necessário concordar com o “status quo”,  com os sistemas vigentes e que existe sempre outras alternativas para os problemas.  Sim, requer valentia,  coragem e disposição para contrapor colegas de trabalho, ter persistência,  autoconfiança  e transformar. Quebrar padrões vigentes,  mudar a transmissão de comportamentos de épocas,  é sim, possível.

c) o respeito ao humano:  independente das condições físicas, mentais, econômicas e sociais,  buscar o respeito ao ser humano, acima de tudo.  Em todas as situações, privilegiar a opção por medidas, métodos  e tratamentos humanizados e  acima de tudo, respeitosos.

d) o machismo:  demonstrou claramente como as restrições nas relações de trabalho entre os gêneros eram mais escancaradas (época em que as mulheres eram para casar, somente).  A realização de um trabalho sob esse prisma  pressupõe a necessidade de um esforço dobrado e sem contar com a inexistência de parcerias e apoios.  A desigualdade nesse quesito era ainda mais gritante, pra não dizer,  gigante.

e) estilo de liderança:   uma mulher,  que preserva suas características femininas e se mostra naturalmente  forte em atitudes, com posicionamentos firmes  e ao mesmo tempo docente e afetuosa na convivência.   Conseguiu,  mantendo  seu estilo próprio,   liderar mudanças significativas,  sem ser autoritária,  sem impor sua posição.  Me fez recordar uma frase da  Margareth Thatcher,  “Ser líder é como ser uma dama:  se você precisa provar que é,  então você não é. “

E você,  qual legado está deixando?

 “Há dez mil modos de ocupar-se da vida e de pertencer a sua época… Repetindo, há dez mil modos de pertencer à vida e de lutar por ela.” (Nise da Silveira)

Captura de Tela 2017-07-30 às 15.52.30

Fonte: da Wikipedia

 

No 4TOUCH – a jornada da realização,  ajudamos as pessoas a avaliarem seus propósitos. Clique no link e saiba mais detalhes desse programa e seus módulos.

Até sempre
Darlene

Conversas difíceis

Ao longo da vida… serão inúmeras…. e em  situações de todo tipo.

Em um dos bons livros sobre esse tema, os autores  mencionam que  DIÁLOGO DIFÍCIL é aquele que causa “desconforto”. E se propõem “colaborar” com as pessoas, para que elas atuem melhor em situações importantes e que exijam argumentações, posicionamentos.

Veja e se recorde de algumas das  situações  em que ocorrem esses tipos de “diálogos”:
– dificuldades nos relacionamentos
– cobrança de resultados de outras pessoas
– discordância de posição, principalmente de autoridades ou chefias
– dizer não para uma situação
– dar uma má notícia
– dar um feedback mais difícil

Uma imagem que gostei muito foi a comparação de  uma mensagem difícil com uma granada. Sempre causará estragos. E se você não o fizer, estará com a granada sem pino nas suas  próprias mãos.  Ou seja, algo não resolvido permanece com você.

Pensar sobre a forma de abordar o assunto,  o melhor momento,  o local,   as possíveis reações  é uma forma de você se preparar para lidar melhor com a situação.

É bom lembrar que todo o universo,  com uma exceção insignificante, é composto de outros.

John Andrew Holmes

Com esforço e dedicação  é possível sim, evoluir.  Em tudo  aquilo que colocamos energia, foco e especialmente ação encontramos alguns resultados.   As pessoas que percorreram esse caminho relataram a diminuição da ansiedade e maior auto-confiança,  maior sensação de integridade.

Elas  (as conversas difíceis) fazem parte da vida!!! NÂO podemos  e não devemos evitá-las. Então vamos aprender como lidar melhor com elas??

Até sempre..

Darlene

não fui a escolhida…

Cheguei a pensar que eu era o problema !!!
Me considerei mesmo incompetente!!
Como dizem os gaúchos:  “Bah..Tchê“!!   Ou “Barbaridade Tchê!!!

Não ser capaz de ocupar uma posição para a qual eu me preparava há anos foi realmente frustrante.  Eu tinha, em geral,  o reconhecimento positivo de grande parte das pessoas,  tinha feedbacks relevantes sobre minha performance e experiência com gestão de pessoas  (inclusive formais),  escrevi uma trajetória de realizações e engajamento  reais,  ou seja, muitas variáveis  favoráveis para que eu fizesse o  “step” seguinte, o próximo passo.

Naquele momento me passou um pensamento de arrependimento por  não ter aceito um convite de  trabalho numa grande empresa no Rio de Janeiro, épocas antes.  Mas como nada ocorre por acaso…

Ao viver tal episódio tive a necessidade interna de entender  a decisão,  tentei  obter informações mais aprofundadas,  mas foram iniciativas e movimentos em vão.  Tem decisões que nunca serão totalmente expostas e entendidas. Mesmo com o apoio dos aparatos do marketing interno sempre haverão dúvidas  porque envolvem questões que não são explícitas  e não são declaradas nessas circunstâncias.

“Teoricamente” eu  pensava  que mereceria  um feedback sobre o pontos que precisaria evoluir e conquistar para assumir mais responsabilidades e  ou para que eu pudesse me preparar para um outro posicionamento profissional.   Em matérias avançadas de gestão de pessoas esse seria um caminho natural e óbvio,  mas isso nem sempre funciona assim.

Muito pelo contrário,  as pesquisas nos revelam que falta muito ainda às organizações para que hajam processos de gestão e feedbacks adequados.  Ainda depende muito da cultura,   do interesse individual  do gestor no desenvolvimento das pessoas,  da sua capacitação em “dar feedback” de forma genuína e natural,  e mesmo do cuidado “humano” com os profissionais.

Em alguns estudos e fontes conhecidas da administração (Drucker) :

“os executivos gastam muito tempo gerenciando pessoas e tomando grandes decisões sobre pessoas do que qualquer outra coisa – e estão certos. Nenhuma outra decisão tem consequências tão duradouras ou é tão difícil  de ser desfeita.  Porém, mesmo assim de modo geral, os executivos tomam decisões ruins com respeito a promoções e a alocação de pessoal.  Segundo opinião geral, a média de acertos desses executivos não ultrapassa 0,333. Quando muito, 33% dessas decisões revelam-se corretas,  33% são minimamente eficazes; e 33% são um completo fracasso. Em nenhuma outra área da administração toleraríamos um desempenho tão desprezível.”

As decisões sobre pessoas são complexas, carregam em si uma série de variáveis e por vezes, não necessariamente conscientes: ancoragem emocional, apego ao familiar, rotulação,  julgamentos precipitados,  superestimação da capacidade, conhecimentos específicos,   dificuldades de avaliações, necessidades de capacitações mutáveis (estágio e maturidade dos negócios),  procrastinação, avaliação de pessoas em termos absolutos, tentativas de salvar as aparências, gregarismos,  pressões políticas,   conflitos de interesses,  princípios e valores, intuição, contextos culturais, etc…   Acho que já foi muito. Na  bibliografia há uma fartura dessas questões.!!

Quando coloco aqui essa racionalização pode parecer que apresento justificativas pela minha não escolha.  Mas,  não!!  Por pior e mais frustrante que tenha sido  me proporcionou um verdadeiro  SALTO DE VISÃO E AMADURECIMENTO PROFISSIONAL…

Passei a ler, estudar,  refletir e compreendi muito mais aspectos das culturas organizacionais e seus protagonistas.   Mergulhei nas matérias sobre lideranças (que sempre gostei demais), sobre  as geografias de decisões nas empresas,   sobre as mazelas do poder,  sobre as práticas políticas,  sobre características psicológicas, entre outros.

Também pude realizar um trabalho de  autoconhecimento e auto-avaliação na busca de uma maior elucidação  das minhas reais competências e capacitações de trabalho para novas oportunidades e experiências.

Enfim,  foi uma SUPER oportunidade para aquisição de conhecimentos que foram fabulosos e substanciais pra mim! 

Em certo momento,  cheguei a pensar…  “Naquele contexto, que bom que não fui eu.”.

As relações de toda ordem passam por alinhamentos  de interesses,   de objetivos, de propósitos e sobretudo de princípios. A aceleração promovida pelas tecnologias e inovações ampliam o espectro de escolhas de todos os atores – empregadores e empregados.  Os modelos e  as relações de produção e  trabalho passam por uma significativa transformação e por conseguinte as geografias de decisões de todos os agentes desse panorama também.

Aprendi que as experiências difíceis são fontes de crescimento quando há uma mentalidade aberta  e  uma inquietação intelectual e emocional para evoluir.

As grandes decisões sobre pessoas abrem muitos caminhos,  muitas PORTAS…
Como não ser grata por isso??

Até sempre!

Darlene

P.S.:

Me siga aqui no blog… e receba meus posts diretamente no seu email..  🙂

Corrigir sem ofender..

Nesses dias postei sobre  as dificuldades em  ˜ser autêntico”,  sobre  as pessoas  “se vestirem”  de muitos papéis na “selva da sobrevivência”.
Gostei muito do texto do Cortella (Livro Educação, Convivência e Ética: Audácia e Esperança.. que chama atenção para outro ponto de vista. Ser autêntico não é SER DESCUIDADO e falar tudo que pensa a qualquer tempo.
Transcrevo  aqui,  porque vale a pena a leitura!!!!
 Captura de Tela 2017-02-18 às 08.22.19.png“O que é uma pessoa honrada? Aquela que, entre outras coisas, tem a percepção da piedade, aquilo que precisa ser resguardado na convivência. Uma pessoa autêntica tem a autenticidade grudada à piedade. Eu não posso, em nome da minha autenticidade, dizer tudo o que penso. Eu não posso, em nome da minha autenticidade, desqualificar apenas porque quero ser transparente. Ser autêntico não significa ser transparente de maneiro contínua.

Ser transparente para si mesmo? Sem dúvida, mas dizer tudo o que pensa numa convivência é ofensivo. O exemplo do menino de 5,6 anos de idade que traz o presente clássico do Dia dos Pais feito pelas próprias mãos. Chega da escola com aquelas coisas “horrorosas”, feitas com casca de ovo, palito de sorvete, que chegam a cheirar mal. “Pai, tá bonito?” É óbvio que o pai dirá que está maravilhoso naquela circunstância. A ideia do elogio ou do não elogio tem de ser circunstancializada.

Uma pessoa autêntica não aquela que é o tempo todo transparente. Se ela não tiver percepção de circunstância, ela se torna inconveniente.

“Mas é assim que eu penso”.

O fato de pensar assim não exime a pessoa de ser moderada. Isso não a leva a perder a autenticidade, apenas a resguardar a expressão de modo como é. Porque, como eu sou com os outros, tenho de ser de fato o que sou, mas não posso desconsiderar que outros existem.

É preciso cautela, em nome da autenticidade, para não ser ofensivo. Nem descambar para o terreno da crueldade. Por exemplo, a criança chega com o presente e o pai diz: “Não está, não.  Você devia ter feito uma coisa bonita”. Ora, na condição daquela criança, ela fez algo belíssimo. E é belo porque ela fez no melhor da sua condição.

Não é a mesma circunstância de um pai ou de uma mãe que percebem que a criança fez algo com desleixo. Nesse caso, não deve elogiar por elogiar, porque isso deseduca. Se um filho ou uma filha traz um desenho que pode ser precário, mas que, naquela circunstância, naquela idade, naquele modo, é o melhor que a criança poderia fazer, é preciso elogiar em alto estilo. É sinal de afeto imenso. Mas, se o desenho apresentado é resultado de um desleixo, não se deve elogiar.
Eu posso dizer a clássica fase de que educa: “Você é capaz de fazer melhor do que isso que está me mostrando”. Isso é educação. O que é crueldade? Dizer: “Isso é péssimo”.

Quem educa precisa corrigir sem ofender, orientar sem humilhar.
Precisa conviver com essa virtude, que é a piedade.”

 

Até sempre..

Darlene

feedback faz falta…

 

… e afeta os resultados (na última linha) das organizações.

A falta de feedback é uma das razões de descontentamento  dos colaboradores com o trabalho. Numa pesquisa realizada sobre o tema,  os números chamam a atenção.

Este foi um deles !!!!

captura-de-tela-2017-02-09-as-18-41-15

As pessoas quando não recebem feedbacks ficam duvidosas  se o esforço  e a dedicação que oferecem estão sendo “vistos”,   estão sendo “adequados”,   reconhecidos pelos seus superiores, pares, etc.    Com muita frequência não conseguem conectar seu trabalho aos objetivos estratégicos da empresa.

Daí que 65% das colaboradores querem mais feedback.

Apresento um outro número bastante expressivo:  39% da força de trabalho NÄO se sente reconhecida ou apreciada.   (é muuuitoo) 

captura-de-tela-2017-02-09-as-18-47-35

Esse resultado  me faz pensar que,  se existe esse percentual de “dúvida” com relação ao próprio trabalho,  pode haver implicitamente muitas oportunidades aí:

melhor  produtividade – se as pessoas não tem  certeza  dos seus resultados podem não estar entregando a totalidade de seu potencial…  ou podem não estar entregando o que de fato a empresa precisa (?!?!)

quase 40%  do quadro de colaboradores  pode estar com problemas de motivação. Isso exerce impacto direto nas realizações  e  no  contexto social do trabalho.  Além de afetar, de certa forma,  os outros 60% sob o ponto de vista de ambiente de trabalho.

Uma cultura de feedback  implementada pode influenciar os resultados de negócio?  Eu pessoalmente acredito nisso!!

Recentemente num artigo de Lolly Daskal,  ela mencionou as cinco maiores causas  de pedidos de demissões por colaboradores que mesmo apreciando o trabalho decidem sair das atuais organizações.

Duas das cinco  causas tem relação direta com a prática do mecanismo de feedback:

falta de reconhecimento

estagnação

Os estudos mostram que as pessoas tem necessidades de  enxergar perspectivas de evolução  no seu trabalho e de verem seus resultados reconhecidos, valorizados.

Ora,  se as empresas são feitas de pessoas …

Até sempre,

Darlene

 

 

construindo pontes…

Considerando-se  o acesso facilitado a uma enormidade  de informações, dados, e conhecimentos,  a habilidade em conectar mentes e corações  – Construção de relações – para realização de objetivos ou  propósitos comuns,  tornou-se ainda mais necessária e requerida.

Quando pensamos sobre isso são tantos aspectos … mas hoje quero ressaltar  um deles:
a autenticidade.

"Autêntico significa verdadeiro, legítimo, genuíno. 
É um adjetivo que caracteriza aquilo que não deixa dúvidas, 
em que há autenticidade, que não é falso, que é real, positivo."

Uma das qualidades em extinção em terras de egos inflados.

Tantas máscaras,   tantas representações,  tantas manipulações
têm vestido os seres para sobreviver num mundo de pressões,  rótulos e exigências que a autenticidade tem estado anestesiada.   (difícil ser autêntico e principalmente bancar isso).  O medo e  a apatia das pessoas frente às situações têm demonstrado isso claramente.

Veja alguns pensamentos correntes:

"Me posicionar  pra quê?"   
"Apresentar meu ponto de vista diferente  demanda esforço de explicação..."
"Se eu for realmente quem eu sou,  não serei bem quisto..."
"Se eu disser o que penso, posso ser demitido... "

 

“as mentiras mais devastadoras para a nossa auto-estima
não são as que contamos, mas as que vivemos.”   
Nathaniel Branden

Qual a relação da “construção de relações” e “autenticidade”?

Tenho compreendido que a construção de relações baseada em comportamentos “artificiais” não se sustenta ao longo do tempo.  Se as pessoas não são  autênticas e verdadeiras nessas empreitadas,  as chances de insucessos (nas relações verdadeiras) são reais.

Oportunamente essas relações podem ate ser úteis para atingir determinados propósitos e  interesses momentâneos de alguns.  Mas não sendo amparadas por esta (autenticidade) e outras virtudes  acabam não se constituindo de fato em “construção de relações”…     Peço licença para, de forma criativa, chamar de “arranjos sociais com propósitos definidos” (rss).

captura-de-tela-2017-02-03-as-10-20-22

Deixo pra pensar:

  • o que de fato representa pra você   “construir relações”,
    construir verdadeiras pontes entre as pessoas?
  • o  que significa pra você ser autêntico?

Gostei de um artigo do site administradores.com.br que fala sobre o que é ser autêntico. Se você tiver interesse, segue o link: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/o-que-e-ser-autentico/38509/

Até sempre..

Darlene

Aproveite seu tempo… é VIDA!

A semana está começando  … ..  temos muito por fazer!!

Aproveite seu tempo.. pense agora sobre as atividades que precisa realizar e como vai distribuí-las nos dias da semana!!    Organize para que tenha condições de realizar tudo o que gostaria e contemple possíveis adversidades.  Não se esqueça de deixar um “slot”, um “lugarzinho” para as suas relações próximas

Em geral o trabalho tem consumido muito do tempo das pessoas e  as outras áreas da vida, ficam a desejar em atenção e qualidade.   Estima-se que 61% das pessoas (pesquisa) não encontram o ansiado equilíbrio entre o trabalho e as atividades pessoais.

Certifique-se que sua programação contemplou outros aspectos não profissionais: uma conversa com seu filho,   um jantar com seus amigos,   uma visita ou telefonema  a uma pessoa querida com quem não fala há muito tempo,  uma mensagem de afeto e reconhecimento, uma pedalada com uma companhia valiosa….. ..  etc, etc, etc, …

Em todas as ocasiões,  certamente haverá um “feedback”,  um olhar que seja.!!  Desfrute!

Captura de Tela 2017-02-04 às 10.31.51.png

Boa semana e até sempre!

Darlene

 

Se quiser dividir experiências.. me escreva
darlene@pothum.com.br

Baixe o ebook sobre FEEDBACK – Segredos de se relacionar

 

receber críticas DÓI… 🙄 😰 😡

Ao longo de minhas vivências e estudos  tenho tido contato  com variadas fontes e bibliografias acerca desse tema.

Uma delas,  a Sheila Heen,  que gosto DEMAIS  e considero uma autora diferenciada, trata especialmente da dificuldades que a maioria das pessoas,  para não dizer a totalidade das pessoas tem em relação à “receptividade” do feedback.

Ela reafirma algo que a maioria de nós provavelmente já experimentou em vários momentos de nossas vidas: dar feedbacks é muito mais simples e fácil do que receber.

Captura de Tela 2017-11-22 às 19.43.22.png

Assista ao vídeo de 1Minuto

Ouvir as críticas dos demais DÓI, incomoda,  angustia,  chateia,  porque não estamos preparados “nativamente” para esse movimento.  Desde a infância queremos ser queridos, amados e respeitados e um feedback com algo a melhorar significa implicitamente que não somos bons  e por isso “menos queridos”,  “menos amados”.

A adoção do mindset de crescimento, de aprendizado que comentei em um outro post é um caminho que favorece  o autoconhecimento e contribui para amplificar a postura de “aprender a aprender”.  Ou como disse Fernando Jucá: “expertise em aprender”.

Te convido a pensar nas suas reações diante das considerações não favoráveis emitidas por outras pessoas em relação a você.  
O que você faz com elas?

Se puder e quiser, compartilhe comigo..   darlene@pothum.com.br

Tem muuuito mais sobre isso e continuaremos conectados por aqui.

Até sempre.

Darlene

 

 

feedback não é só para o trabalho!

Quando falo de feedback, muitas pessoas relacionam imediatamente o tema aos aspectos da vida profissional,  dado que tem sido amplamente utilizado nesse contexto. Contudo,  o feedback é um mecanismo válido para as relações humanas,  quaisquer que sejam.

Tenho escrito vários posts aqui sobre o tema e já passei algumas dicas sobre outros contextos de utilização dessa ferramenta “INCRÌVEL”.

Continue nos seguindo que vamos evoluir com informações prá você.

Até sempre,

Darlene

Como estou me saindo?

Se você gostaria de ter um feedback… saber como está indo…. e ainda não recebeu .. pergunte,  SOLICITE-O!!

“Ed.Koch, quando foi prefeito de Nova York,  caminhava pelas ruas perguntando às pessoas:  Como estou me saindo?.  Não era uma pergunta em vão…  Ele ouvia todas as pessoas, simpatizantes, detratores e prestava atenção em todas as respostas,  porque o seu desempenho como prefeito dependia da opinião direta e honesta dos moradores da cidade. ”

 

Eu grifei as palavras direta e honesta porque o feedback legítimo, construtivo deve ser feito assim,  verdadeiramente e com o interesse genuíno de melhoramento do outro ou da situação.

Os comentários (feedbacks) com vieses de interesses e bajulações, muito comuns nos dias de hoje, são contraproducentes.

Essa semana, após ministrar uma aula na pós-graduação,  exercitei essa prática, solicitei aos alunos que me dessem um feedback.

Foi uma experiência muuuuito legal!!

Conhecer a visão deles contribuiu para que eu refletisse sobre o que devo manter, o que devo alterar na aula, etc.  Isso certamente vai  contribuir para conduzir melhor as próximas oportunidades…

Tem alguma experiência com esse tema?

Compartilhe comigo.

Escreva prá mim..

darlene@pothum.com.br

Até sempre.

Darlene

 

Liderança – interesse genuíno no desenvolvimento

“o apagão e suas causas” –  é preciso interesse genuíno em desenvolver lideranças 

Após identificar potenciais líderes, tenho entendido que é muito recomendado o estabelecimento de um “coach”  ou  “mentor” ou “mestre”.  Independente da nomenclatura é preciso que esse potencial seja cuidado por um líder experiente, que não somente lhe observe  e oriente, mas também tem a responsabilidade de trabalhar um exercício frequente de “feedbacks”.

A assessoria próxima de uma liderança experiente pode acelerar muito o processo de desenvolvimento do jovem líder. Isso porque,  além da visão, aconselhamentos,  o  mentor experiente terá o papel de canalizar oportunidades de trabalho e aprendizagem que viabilizem a realização
do desenvolvimento proposto.

Outro ponto que considero fundamental, além do estabelecimento do mentor:  que a organização desses profissionais possua um programa que sustente e comporte toda essa estratégia de formação de lideranças.

Para que todos esses esforços e investimentos sejam profícuos,  há que haver um gerenciamento desse processo,  canalizando decisões e  provendo facilitadores, principalmente no provimento dessas oportunidades de desenvolvimento,  avaliações periódicas para canalização de oportunidades e desafios de novas posições da empresa.

Num outro momento, pode-se explorar um pouco mais sobre os riscos desses programas.

Atenção… Olhe para seu lado… conhece alguém que exerce naturalmente esse papel de “mentor” de jovens líderes?

Até a próxima!

feedback – reconhecimento..

terça-feira, 14 de junho de 2011

Esse foi um dos reconhecimentos que colecionei .. com PESSOAS.. trabalho que adoooro!

Me reservo no direito de não identificar as pessoas envolvidas, respeitando sua privacidade.

Após longa e complexa temporada de trabalho num programa internacional,  tive oportunidade de colher muitos frutos dos trabalhos realizados com as PESSOAS nesse período.
Abaixo compartilho uma das belas mensagens que recebi, numa despedida de uma das pessoas que participou por uma das empresas:

” Gostaria de deixar uma nota especial a você, que me proporcionou o momento (positivo) mais marcante do projeto. Minha vida profissional inteira foi como fornecedor e este é um trabalho onde naturalmente existe uma pressão muito forte. Lembro-me que estava discutindo uma estratégia de  execução com a equipe quando chegou a informação  de que você  estava querendo conversar na sua sala.  Quando cheguei lá e você fez o elogio de que estava sentindo que as coisas estavam melhorando ( e realmente estavam ), eu me senti a pessoa mais feliz do mundo. Sai  da sua sala e não conseguia esconder o sorriso. Aquele evento me deu a  maior injeção  de ânimo para trabalhar e me sacrificar  ainda mais pelo projeto do que qualquer  aumento de salário  ou outra ação pudesse ter proporcionado. Senti que todo o esforço  pela contratação de novas pessoas, a melhoria no processo, o investimento de tempo de alinhamento com outras áreas, entre outras práticas, tinham valido a pena!! Quero te dizer que aquele evento  foi o grande responsável por me dar forças para continuar no projeto. Não consigo enumerar a quantidade de clientes que reclama ( por direito )  quando algo dá errado, mas consigo contar nos dedos os clientes que elogiam e ou nos incentivam a melhorar. Levarei este momento para sempre comigo.  Um grande abraço e obrigado por tudo, de verdade!.”

Esse pra mim, foi um enorme reconhecimento por tudo que tenho empreendido e me esforçado
para  construir com as pessoas do meu convívio.

Gente é gente..!!

Liderança Primal

Líderança Primal – a experiência da sensibilidade e eficácia.

Liderança é um dos temas mais tratados e discutidos nas organizações e sempre oferece muitas perspectivas de estudo e exploração. As questões que envolvem esse assunto não apresentam soluções definitivas, haja vista sua grande variável, o ser humano e sua inerente complexidade.

Confesso que me acerco desse assunto com muita freqüência, seja para buscar melhorias na minha atuação profissional e pessoal, seja para acalentar meus anseios de conhecimento e reflexão sobre a vida. Recentemente tenho tido contato com um livro muito interessante que discorre sobre características e estilos dos líderes, e que me atraiu a atenção pela abordagem diferenciada e com a qual me identifiquei muito: “a experiência de liderar com sensibilidade e eficácia”. Os autores trazem o conceito de liderança primal e discorrem sobre ele com muita propriedade e clareza, demonstrando seus efeitos diretos na vida das pessoas e organizações.

Ao estudarem, observarem os lideres, seus comportamentos, suas atitudes identificaram esse estilo de liderança como a que imprime em seus liderados um sentimento positivo. Líderes primais são aqueles que conseguem despertar nas pessoas o que elas tem de melhor. Mais ainda, sua missão básica é de cunho emocional, muitas vezes ignorada e invisível; contudo, importante e presente. A liderança baseada na inteligência emocional promove resultados de ressonância e por conseqüência um desempenho melhor dos liderados. A capacidade de inspirar, de gerar energia positiva, de provocar paixão e entusiasmo é um dos pontos de análise dessa liderança.

Questões que são trazidas na bibliografia e que vale a pena ressalta-las: “O que é necessário para ser capaz de liderar emocionalmente? O que habilita o líder a inspirar outros a darem o melhor de si? Como propiciar um ambiente de trabalho positivo, livre para as pessoas criarem, se relacionarem com o demais e produzirem na sua melhor forma? “ É possível desenvolver líderes primais, ressonantes?

Tenho compreendido que nos momentos de crise, nas situações adversas é que os líderes são mais exigidos e tem a possibilidade de demonstrar sua capacidade de fazer a diferença. Ser positivo e influenciar as pessoas em situações confortáveis é aparentemente mais simples, contudo, fazê-lo na adversidade é uma verdade arte. Lidar com as emoções das pessoas, não significa lidar somente com as positivas; significa compreender e cuidar também de toda a gama de emoções a que estas estão submetidas nas diversas circunstâncias. Atitudes e orientações dadas pelos líderes nesses momentos representam impacto e têm grande repercussão nas pessoas. Até os piores resultados, sejam eles de que natureza forem, devem ser administrados e as emoções do grupo canalizadas corretamente. Uma das questões colocadas é “de que recursos emocionais os líderes necessitam para prosperar em meio ao caos e à mudança turbulenta? O que confere ao líder a força interior para ser honesto mesmo em relação à verdades incômodas? O que habilita o líder a inspirar outros a darem o máximo de si e permanecerem fiéis diante da tentação de outros empregos? Como os líderes criam um clima emocional que propicie inovações criativas, desempenhos espetaculares ou relacionamentos calorosos e duradouros com os clientes?”

A maneira genuína de ser do líder, a naturalidade, de como interpreta e vê as coisas, de como gerencia o significado delas, de como diz e faz, tem um peso na condução dos trabalhos e do grupo. “Ao longo da história e em culturas em todo o mundo, o líder de qualquer agrupamento humano sempre foi aquele a quem os demais recorrem em busca de conforto e clareza diante de determinada incerteza ou perigo, ou quando há algum trabalho a fazer.. É quem funciona como líder emocional do grupo.”

Os autores mencionam também que o riso e a cordialidade são disseminadoscom mais facilidade e a irritabilidade e depressão quase não se disseminam. O resultado é uma cadeia de sentimentos positivos.Tenho observado a importância do humor inteligente nas interações profissionais e o quanto ele é importante para criar uma levezaesuavizar os temperamentos melhorando o ambiente de trabalho.

O estilo de um líder é demonstrado não só pelo que ele faz, mas principalmente, “como” faz. De forma sintética cito vários estilos de liderança: os visionários, os conselheiros, os agregadores, os democráticos, os agressivos, os despóticos. Cada um desses estilos reúne características e exercem determinado impacto sobre o ambiente, criando ressonância positiva de acordo com sua forma de ser no grupo. Por exemplo: o estilo visionário cria ressonância, conduzindo as pessoas rumo a sonhos compartilhados, o democrático cria ressonância a partir da contribuição de todos pela participação. Cada estilo, de posse de suas características, promove resultados em diferentes situações. Qualquer que seja o estilo, poderá ser fortalecido com as competências da inteligência emocional. De acordo com os autores desse estudo, a liderança, embora não seja um processo fácil e simples, pode ser aprendida, se houver esforço e dedicação.

Os lideres denominados ressonantes – que inspiram as pessoas positivamente – em geral, são em primeira instância, líderes de si mesmos, “tem um nível alto de autoconsciência, compreensão empática, autocontrole e harmonia de relacionamentos”. Conduzem sua vida com significados, exercitam a humildade, são abertos a aprender e mudar. Suas atuações, normalmente, não estão restritas ao ambiente profissional, são observadas também em suas outras esferas de relações. Os benefícios que promovem refletem não somente nas organizações que trabalham, mas na sua família, na comunidade, na sociedade em que estão inseridos.

Recordo de líderes como o prefeito de Nova York, Rudoph Giulliani, que teve na sua trajetória de resultados importantes, princípios como: integridade, otimismo, coragem, preparo, comunicação e responsabilidade. Demonstrou em várias ocasiões ser um homem de valores fortes e não abriu mão deles em função dos críticos e ou da imprensa. Para ele, os líderes, lideram pelas idéias que devem refletir seus princípios. Ele demonstrava confiança nas pessoas que lhes devolviam também da mesma forma.

Estou atualmente num programa – composto de muitos projetos, iniciativas e de vários líderes.Líderes, pra mim, não são aqueles que estão em posição de gerência, coordenação, chefia ou supervisão, mas são todos aqueles que, de alguma forma,seja pelo conhecimento,seja pela atitude, seja pelo exemplo, seja pela forma de ser, lideram pessoas, idéias eatividades. São lideranças distribuídas, que de uma forma, ou de outra,influenciam e se relacionam com as pessoas na busca de objetivos comuns, de relações duradouras e profícuas. A complementaridade existente no grupo amplia essa experiência e confirma a importância da colaboração como forma de criação de valor.

Esse programa, de cunho e envergadura diferenciados, proporciona uma riqueza de análise e observações, expõe lideranças e participações humanas estimulantes. Não obstante aos que estão diretamente ligados ao programa, ainda conta com as relações e interações com as mais diversas áreas e públicos da organização. Sejam áreas de comando e decisão, áreas de operação, áreas de mercado ou áreas de staff. Todo esse contexto, com a complexidade de gestão e decisões que envolvem, movimenta as inteligências, as mentes e as emoções das pessoas.

Coleciono várias passagens e casos dessa oportunidade, onde posso constatar o exercício da liderança, com seus estilos próprios, com suas idéias e ações. Me estimula observar odesenvolvimento pessoal e intelectual das pessoas e o progresso por meio de resultados. Um ecossistema venturoso e riquíssimo em experiências de muito valor.

Nesse programa nós, a organização, tivemos e temos pela frente imensos desafios e, de toda ordem: de gestão, de tecnologia, de engajamento, de transformações, de inovação, de relações com parceiros, de decisões, de riscos; todos eles, certamente sustentados pela grande base e maior desafio de todos – o humano.

Nesse conglomerado de variáveis, deixo como estímulo a reflexão: Como desenvolver cada vez mais líderes, que primem pelo desenvolvimento humano ao seu redor, levando-se em conta o mental e emocional das pessoas, o seu potencial humano, possibilitando que cada um desperte e dê o melhor de si?

Saudações,

Darlene

Vale a pena a leitura do livro base principal desse texto:
O poder da inteligência emocional – Goleman-Boyatzis-Mckee – Editora Campus

“Há algo que fica imantado à existência visível ou invisível de um ser:
são os feitos, os pensamentos, as idéias e as palavras que caracterizaram sua vida.”

Raumsol

 

 

%d blogueiros gostam disto: