“Quem é você?”, por Ana Holanda

“Pode parecer até bobo, mas uma das razões pelas quais nos colocamos a quilômetros de distância do outro é porque,  muitas vezes, confundimos “quem somos” com “quem estamos”.  Tente se fazer essa pergunta agora:  Quem é você? Posso afirmar com bastante certeza  que a resposta será aquilo que você faz, o cargo que ocupa neste momento, a empresa para a qual trabalha, o seu status social etc.  A primeira vez que me fiz essa pergunta eu mesma respondi:  “Sou jornalista, editora de revista.” E então me dei conta de que eu não sou,  eu apenas estou isso.

girl-3316342_640

Acreditamos tão fortemente nisso que, numa reunião social quando nos perguntam: “O que você faz?”,  imediatamente respondemos nossa profissão ou aquilo com que trabalhamos. São nossas credenciais para o mundoo.  Então um dia surge uma baita crise econômica,  você é demitido,  e deixa de ser aquilo em que acreditava tanto.  Isso pode acontecer na vida de qualquer um a partir da perda de emprego, do fim de um relacionamento,  da morte de alguém querido, uma guerra, um tsunami,  uma enchente. É incrível: em um espaço tão curto de tempo tudo o que a gente acreditava ser vai embora.

Gosto muito da médica geriatra Ana Claudia Quintana Arantes. Eu a conheci na The School of Life de São Paulo, um espaço para cursos sobre questões ligadas à vida e que tem entre seus fundadores o fisósofo Alain de Botton.   Ana ministra na escola uma aula linda demais, chamada Como lidar com a morte.   Ela é especialista em cuidades paliativos e lida, todos os dias,  com gente que está muito próxima da morte.  Ela traz alívio para a dor física – e ouso dizer que emocional também – de quem está vivenciando seus últimos dias por aqui.  Ela tem, aliás,  uma fala potente no TEDx FMUSP e que vale muito a pena dar uma espiada (“A morte é um dia que vale a pena viver^,  disponível no youtube).

people-2605526_640

No final de 2016 ela lançou um livro de mesmo nome, no qual demonstra, no texto de abertura, a maneira como costuma se apresentar às pessoas – e o incômodo que isso causa.  Ao ser perguntada, em um evento social, o que fazia, ela deciciu responder a verdade: cuidava de pessoas que morrem.  Isso foi seguido por um silêncio profundo.  “Falar de morte em festa é algo impensável. O clima fica tenso, e mesmo a distância percebo olhares e pensamentos.  Posso escutar  a respiração das pessoas que me cercam.  Algumas desviam o olhar para o chão, buscando o buraco onde gostariam de se esconder.  Outros continuam me olhando com aquela expressão: ~OI?´,  esperando que eu rapidamente possa consertar a frase e explicar que não me expressei bem.  Já fazia algum tempo que eu tinha vontade de fazer isso, mas me faltava coragem para enfrentar o abominável silêncio que, eu já imaginava,  precederia qualquer comentário.  Ainda assim,  não me arrependi.  Internamente,  eu me consolava e perguntava: ´Algum dia as pessoas escolherão falar da vida por esse caminho.  Será que vai ser hoje?.”

Ana Claudia Quintana Arantes é uma das médicas mais humanas e sensíveis que conheço. Ela se aproxima, toca, olha nos olhos,  conversa, se interessa pelo outro, se emociona sem medo de deixar as lágrimas escororerem, e isso faz uma grande diferença na vida de muita gente.  Ela afeta as pessoas porque percebe o humano que existe em cada um. Se reconhece e se entrega.  E o texto não é muito diferente disso. Quando nos reconhecemos nas palavras que colocamos no papel,   o outro também se reconhece. Mas este precisa ser um processo com menos máscaras.  Daí a necessidade de você se perguntar: quem é você?”

Texto de Ana Holanda,  do livro “Como se encontrar na escrita”. 

_DSC9365awAna é jornalista, formada pela PUC-SP. Passou pelas principais redações de revistas do país, e desde 2011 é editora-chefe da revista Vida Simples.  É embaixadora da The School of Life no Brasil.  Na filial da escola em São Paulo, ministra o curso Como se Encontrar na Escrita.  Também viaja pelo país dando workshops e palestras sobre Escrita Afetuosa e sobre narrativas que nascem na cozinha.  Saiba mais sobre ela em www.anaholanda.com.br.

 

A questão da disciplina

Em tempos de confusão acerta do que é ou não “disciplina”,  considerei muito prática a explicação do Gikovate. Veja:

“A palavra “disciplina” já teve conotação positiva; relacionava-se com valor e era considerada uma aquisição indispensável para o desenvolvimento emocional das pessoas.

Ultimamente, passou a ser associada a autoritarismo, a disciplina militar. Pais disciplinadores passaram a ser vistos como pessoas antiquadas, como quem não ama de verdade os filhos. Damos a certas palavras conotações de ordem moral e é comum não sabemos sequer o que elas realmente significam, como nesse caso.

“Disciplina” pode ser definida como a vitória da razão sobre as emoções. Não que devamos reprimir sempre as nossas emoções em nome da razão. As emoções são inerentes a nós. O ideal é que possamos cada vez mais aprender a lidar com elas, encontrando um equilíbrio adequado entre razões e emoções. Trata-se de uma conquista difícil, diretamente relacionada com a maturidade da pessoa. Muitas são as circunstâncias em que existe um antagonismo entre emoção e razão. Na criança vence a emoção, mas, com o crescimento, a razão deveria transformar-se em poder central das decisões. É uma pena que isso só ocorra a certo número de pessoas – fortes o suficiente para suportar a frustração relacionada com a renúncia.

Vamos a um exemplo esclarecedor que já foi usado por muitos autores. Quando, numa manhã fria e escura de inverno, o despertador toca, nos informando que é hora de levantar, passamos a viver um dos conflitos mais duros entre a razão – que nos lembra de nossos deveres – e a preguiça – emoção natural em nós e que se recusa à obediência. Das pessoas que se deixam vencer pela preguiça, pouco se pode esperar em termos de sucesso nas atividades relacionadas com o trabalho. Sabemos que este se distingue do lazer pelo caráter obrigatório, pelos compromissos que temos com outras pessoas e pelo rigor com que seremos julgados se não obtivermos resultados aceitáveis.

woman-1958723_640

Se o compromisso estiver relacionado com o lazer, desde que não tenhamos combinado nada com ninguém, não levantar ofenderá “apenas” a nós mesmos, que nos avaliaremos como fracos. Não aprovaremos nossa conduta se tivermos faltado a um compromisso esportivo ou se tivermos perdido a hora para uma viagem de lazer. Isso nos fará mal, mas procuraremos nos enganar, dizendo que na próxima vez isso não vai acontecer. Se tivermos nos comprometido a acordar cedo para fazer algum tipo de ginástica e a preguiça nos vencer, não será nada bom para nossa autoestima, pois nos sentiremos “para baixo”. Poderemos fingir para os outros que estamos bem e que a cama estava uma delícia, mas não poderemos jamais enganar a nós mesmos; sabemos que fraquejamos e lamentaremos por isso.

Por outro lado, se o compromisso for com terceiros e envolver atividades profissionais importantes, os resultados objetivos serão catastróficos – além do prejuízo maior à autoestima. Caso um vendedor falte ao compromisso com seu cliente, talvez não seja perdoado e não tenha outra chance. O mesmo vale para o funcionário de uma empresa que sempre chega atrasado: acabará demitido, evidentemente. O médico que não comparecer aos compromissos com seus clientes será dispensado, e assim por diante.

Além da ofensa à autoestima, esses profissionais sofrerão todo tipo de sanção objetiva, de modo que não terão dinheiro nem o respeito dos outros.

Inversamente, aqueles que se reconhecem capazes de ter uma razão vencedora, que domine as emoções em geral, se tornam cada vez mais fortes, à medida que acumulam sucessos nas disputas que travam com eles mesmos.  E acabam por desenvolver um novo tipo de prazer, dos mais importantes para a nossa psicologia: o prazer de ser forte o suficiente para renunciar a um prazer imediato em favor de uma recompensa maior que virá em algum momento do futuro. Assim, a renúncia aos prazeres imediatos se transforma em um novo e maior tipo de prazer, o prazer da renúncia. Quem quiser dar certo no jogo da vida terá de se desenvolver até chegar a esse ponto de maturidade interior. Essas pessoas são capazes de dirigir a própria vida, pois deixam de ser escravas das emoções.

É preciso cautela, pois, à medida que a renúncia se transforma em fonte de prazer, ela pode passar a ser buscada de modo ativo e prejudicial. Orgulhar-se de ser capaz de fazer renúncias necessárias é coisa boa e ponderada. Entretanto, renúncias indevidas, buscadas apenas com o intuito de provocar a sensação de superioridade e de força extraordinária, são um excesso, algo que nos afasta do bom senso e já contém os sinais característicos dos vícios.”

 

(Trecho do livro “Os sentidos da vida”, p. 81-84),  de Flávio GIkovate – Publicado no próprio site do autor pela sua equipe, em 07.08.2018

Ainda sobre encerrar CICLOS…

Lembra dos posts sobre a importância de pensar e criar novos ciclos que quer viver??  Se quiser voltar neles, basta acionar aqui  – 1-Encerrar CICLOS 🕹   e o 2-Criando novos ciclos…

Vi essa foto abaixo, num post de um amigo e conectei com esses artigos.  Gostei dos dizeres… Afinal,  precisamos ser gratos de coração pelas experiências e ciclos que tivemos a oportunidade de viver.  E, pelos aprendizados que geraram. Pensar o quanto foi bom ter essa chance.  Adorei… bjo,

captura 19

O que seu ego anda tirando de você? #06CC

Ainda sobre as possibilidades de criar uma nova realidade,  e utilizar melhor o  “supercérebro”…

Se o ego  é o responsável por fixar em nós, preconceitos, inclinações,  então é preciso identificar, reconhecer e minimizar ao máximo essa sua função.  Permitir,  se possível, que ele funcione mais fortemente nas fixações relacionadas a valores, por exemplo, o que é positivo.

Permita-me um parênteses,  para os que querem saber mais sobre a palavra EGO, coloquei o significado, pesquisado da internet, ao final desse post.  Passe lá.

Como o próprio nome diz.. o EGO,  representando posturas de  “egoísmo” e de abrangência pessoal, pode impedir ou limitar não somente a evolução cerebral (novas construções), como  a evolução de uma maior consciência.   Pode mascarar medos, inseguranças e impedir um crescimento super possível.  Veja pensamentos limitadores: “sei bem o que penso, não tente mudar minha opinião.”,   “outra pessoa que faça isso.”,  entre outros.

“o supercérebro é o produto da evolução com consciência. “

Ponto. Então você deve estar se perguntando…   Então o que e como fazer diante disso?

  • Primeiro,  lembrar da nossa capacidade de mudanças,  e conscientes. (descritas nas postagens anteriores dessa série rápida, inspirada no livro Supercérebro).
  • Segundo,  passe a questionar os seus padrões…  se questionar o porquê de pensar dessa ou daquela forma,  sobre os seus principais motivadores…  Dialogue consigo mesmo para tentar aprofundar na sua estrutura interna.

Esse é um caminho para abrir as portas de uma reinvenção pessoal.  Acredite!!

“Novas experiências significam novas redes neurais.

board-2433982_640 (1)

Na visão do Dr. Chopra,  os cérebros humanos, podem ser divididos, funcionalmente quatro fases: instintiva,  emocional, intelectual e intuitivo.

A instintiva, responsável especialmente pela sobrevivência,  por nos manter alertas para muitas situações diárias.  Tem seu papel fundamental de  nos proteger, além de ser o “dono” das paixões,  do medo. Trata-se de uma parte reativa, dando origens ás nossas reações mais diversas.

A emocional, que registra todas as nossas experiências marcantes,  as boas e os traumas também.  Em qualquer fase do cérebro,  as emoções podem ser a causa de desequilíbrios, destemperos.   Os seres muito emocionais,   dado a intensidade em que ocorre,  podem perder a perspectiva e serem “orientados” pelas emoções, que podem levar a exaustão.  O sistema límbico abriga as emoções. A parte emocional, assim como a anterior, a instintiva é reativa, ou seja promove reações nos seres.

A racional  encontra a parte pensante, questionadora, tática do ser humano.  Nessa fase reside o aumento considerável de possibilidades para a vida humana.   Só o cérebro racional é capaz de afastar a mente da fase instintiva e emocional, criar soluções, caminhos, táticas.  O intelecto ajuda  o ser a lidar com seus medos, seus desejos,  suas tempestades.

A intuitiva, colocada em check pela racional,  é muito necessária… é acionada, por exemplo no processo de empatia.  Essa parte situa-se no córtex cingulado,  e em geral, é maior fisicamente nas pessoas do sexo feminino. Ela se manifesta por colaborar nas sensações observadas e estimuladas pelo contexto.

Ampliar a consciência desses mecanismos e seus funcionamentos viabiliza com que o ser humano possa enxergar perspectivas maiores. Poderá lidar melhor com seus medos, ansiedades, depressões, batalhas internas,  entre outros.

Até a próxima ..

bjo

Darlene

 

P.S – significado (dicionário)
ego – substantivo masculino
  1. 1.
    PSICOLOGIA
    núcleo da personalidade de uma pessoa.
  2. 2.
    PSICOLOGIA
    princípio de organização dinâmica, diretor e avaliador que determina as vivências e atos do indivíduo.
  3. 3.
    PSICANÁLISE
    de acordo com a segunda teoria freudiana, instância do aparelho psíquico que se constitui através das experiências do indivíduo e exerce, como princípio de realidade, função de controle sobre o seu comportamento, sendo grande parte de seu funcionamento inconsciente [As três instâncias que compõem o aparelho psíquico são o id, o ego e o superego. ].
  4. 4.
    m.q. EGOTISMO (‘apreço’, ‘tendência’).
Origem
⊙ ETIM lat. ego ‘eu’

Sobre os privilégios do cargo.. 🤔

Durante uma viagem a trabalho, ao Oriente, há mais de dez anos, percebi  o presidente do conselho da empresa em que eu trabalhava, genuinamente incomodado. Humano e simples,  inquietou-se por ter  sido levado, juntamente com o “altíssimo escalão”, para um jantar diferenciado,  confortavelmente nos bancos de couro de um carrão de luxo.

Os demais executivos foram convidados a lugares mais simples e conduzidos numa “van”.  Isso nunca me incomodou.  Rimos da situação.  Logo cedo,  no dia seguinte, o presidente quis logo saber para onde haviam  nos levado e se havíamos sido bem tratados.  Era diferenciado. Quem?  Ele, o presidente.  Recordo de muitas passagens que o envolvem,  que me despertaram admiração pela sua conduta.  Me ensinaram.

Mas indo direto ao ponto que quero trazer…

O fato é que, com mais frequência do que se imagina,   os “empregados”, os profissionais do mundo corporativo estão sujeitos a vários e diferenciados privilégios,  usuais do contexto.

  • O carro na porta.  Abastecido.
  • O cafezinho servido na mesa.
  • O acesso a locais diferenciados.
  • As viagens e hospedagens em classe superior.
  • Por vezes,   muitas mordomias.

Os agrados de toda ordem sombreiam esse mundo de relações comerciais.  Não é incomum,  observar os   jogos de poder e influências  acontecendo  a todo momento  e percorrendo as  estruturas organizacionais.

business-3380350_640

Quanto maior o grau na hierarquia,   maiores e melhores são os privilégios,  as atenções dirigidas e “intencionais”.

Recordo como se fosse hoje,  embora tenha-se passado algumas décadas (rs),  a mudança de tratamento que observei para comigo, quando ascendi à posições executivas. Mesmo as pessoas que se diziam amigas,  passaram a agir de forma diferente,  com restrições.  Causou-me certo estranhamento.  Desde aquele momento,  uma luz amarela acendeu-se. Como que um aviso! Para que eu tivesse atenção e refletisse sobre esses comportamentos.  Muito mais ocorreu ao longo de anos…

Até aí,  parece usual, não?

Não.

As pessoas mais desatentas,  que passam por essas circunstâncias de acesso a posições hierárquicas, de maiores responsabilidades,  podem acabar confundindo-se com os cargos que ocupam.  Por vezes, observa-se até certa simbiose. Misturam suas posições como “indivíduos”  que são,  e incorporam os supostos “poderes” providos pelo cargo,  pelo posicionamento  profissional.

Se pararmos pra pensar, ainda existem os impactos diretos dessa “absorção do cargo”,  nas relações com as pessoas.  Mas esse é um tema para uma outra postagem.. (rs).

O mundo corporativo tem dessas coisas…  Deixa os indivíduos  mal acostumados com os privilégios das posições que ocupam.  Daí a importância de estar atento a esses movimentos,  às ilusões criadas e à realidade de influências que ocorrem nas empresas.

organization-2478211_640

A chave é manter sempre a consciência e clareza do que chega pra você,  enquanto profissional e o que chega pra você, enquanto pessoa.  O que, de fato é seu e  o que é da companhia para quem você trabalha.  A máquina pública tem apresentado exemplos  dos mais diversos, relacionados ao uso indevido da posição, em favor do interesse pessoal.

Eventualmente,  você precisará sacar da coragem, para ser você mesmo, ainda que isso implique abdicar de regalias e ilusões.   Nessas situações, é  importante assumir a responsabilidade por ser você mesmo,  e optar pelo que é correto.

E esteja certo, hora ou outra…  a posição cai.

E você, ficará de pé.

Inteiro.

bjo,

Darlene

 

Cuidado com o que pensa! #03CC

Por que as pessoas quando envelhecem tendem a ter preguiça e apatia em relação ao aprendizado? Será que só por seguir um padrão de mentalidade e conduta que se repete ao longo da história?

“À medida que envelhecemos, tendemos a simplificar nossas atividades mentais, muitas vezes, como mecanismo de defesa.  Sentimo-nos seguros com o que sabemos e evitamos aprender qualquer coisa nova.  Chopra

E como já trouxe nos posts anteriores,  se a pessoa deixa de solicitar atividades ao cérebro, ela abdica de construir mais e novas estruturas sinápticas.  O que poderia fazer semmmmpre.

Qual o segredo então?  Manter acesa a luz,  de forma consciente.  A luz que ilumina os sentimentos e pensamentos,  a luz que busca novos conhecimentos e ativa de forma criadora a evolução cerebral.  Prevenção de doenças inclusive.  “Alzheimer”    sim….  muitos lapsos de memória podem ser desencadeados pela falta de utilização da estrutura cerebral.

Como os exercícios físicos.  Se você deixa de realizá-los, minimamente,  sua musculatura muda consideravelmente e há uma perda de força física.

men-1276384_640Manter a atenção consciente,  um aprendizado que tive nos estudos logosóficos, é uma chave para a evolução e para uma vida mais realizadora e feliz. A atenção,  aliada a conhecimentos, conceitos,  favorece de forma substancial as escolhas e mais que isso,  faz o processo criativo acontecer.   Exercita o cérebro.

Algo que Deepak trouxe, e que eu nunca havia parado pra pensar é que as expectativas são um gatilho poderoso para o cérebro.  Se a pessoa pensa que vai perder a memória e tensiona sua vida com alguns lapsos, isso, muito provavelmente está interferindo na sua função de recordar.  Ou seja:  Cuidado com o que pensa !!  Isso modifica você, pode ser para o bem ou não.  De novo,  depende de sua consciência e conhecimento.

Olha essa informação:

“Biologicamente,  mais de 80% das pessoas acima de 70 anos não têm  perda significativa de memória.  Chopra

Uma lição de hoje  (inspirada pelo livro SUPERCÉREBRO que deu origem a essa série de postos)  é que tenhamos cuidado com as expectativas e afirmações que colocamos na nossa vida. De preferência que sejam  positivas,  construtivas e sem o danado, do medo.  Medo de envelhecer, medo de perder a memória,  medo.. medo.. medo…    o limitador!

Que cada um possa plantar  a força da “fé no futuro”, da  “capacidade de empreender”,  do entusiasmo genuíno na vida e nas ações dia a dia são lubrificantes importantes para o corpo.

O fator alegria,  o entusiasmo,  as emoções fortes em geral tem sido consideradas  poderosas no sentido de acumularem registros mais facilmente na memória.  São observações dessas etapas de pesquisas , e, os estudos, as pesquisas têm muito mais ainda pra contar sobre esse mistério,  o cérebro.

Está curtindo essa série de posts? Compartilhe com as pessoas que você considera que poderão se beneficiar deles. No mínimo, pra pensar, criar novas sinapses,  não é? (rs)

Até o próximo,

Bjo,
Darlene