Que tipo de líderança o Brasil precisa?

É muito  barulho político!!!

Em pauta, os potenciais “lideres políticos brasileiros”.

“Botei reparo” nas manifestações dos candidatos e também nas dos  cidadãos. Sozinhos ou emanados. Tento ver as suas principais características.  Como esses candidatos se comunicam,   como se portam,  o que dizem,   que sensações provocam.

Mesmo sob os impactos turvos da imagem moldada pelo marketing,  tento rastrear o que cada um carrega e entrega. Ou pelo menos, tenta.   Não poderia deixar de mencionar as necessidades estampadas dos brasileiros,    úmidas ainda das histórias recentes, que tocaram a moral e a ética.

brazil-652855_640

As redes sociais fizeram e fazem bonito. (desculpe – esse é um parênteses de quem vibra muito com a tecnologia e com o que ela viabiliza). Elas tornaram-se um explêndido cenário de expressão.  As mentiras, que antes eram ditas ao vento, ganharam nesse canal maior exposição e  um novo nome: “fakes”.

Presenciei movimentos de um dos  grandes palcos de manifestações desse país, a Avenida Paulista. Pelos meus olhos,  cenas e posições de todo calibre.

Mas..

Do que é mesmo que o Brasil necessita nesse momento?

O que pode,  de fato,  alavancar nosso país de forma significante?

Que tipos de líderes, nós brasileiros, precisamos e queremos?

Os resultados contam muito sobre o que nosso povo quer,  o que nosso povo pensa.  Brasil mostrando sua cara, sua digital.
Em poucas semanas, presenciaremos um novo capítulo da história política brasileira.

E para inspirar nossas reflexões,  trago um pouquinho de Sinek,   sobre o que é ser líder.

Líderes são aqueles que abraçam sem medo o desconhecido.

Correm para o perigo.

Deixam de lado seus interesses pessoais para nos proteger ou para nos puxar para o futuro.

Os líderes preferem sacrificar o que é deles para salvar o que é nosso.

E nunca sacrificariam o que é nosso para salvar o que é deles.

Isso é o que significa ser um líder.

Significa que eles escolhem ir primeiro rumo ao perigo,  encaram de frente o desconhecido.

E quando temos certeza de que vão nos manter em segurança,  marchamos atrás deles, trabalhamos incansavelmente para ver suas visôes ganharem vida e nos consideramos orgulhosamente de seus seguidores.

Texto de Simon Sinek, do livro Líderes se servem por último.

Um dos elementos fundamentais e  estruturantes  de uma  liderança consistente foi mencionada nesse texto:   o interesse genuíno pelo coletivo.  Primeiro,  o todo.

Até mais.

 

A questão da disciplina

Em tempos de confusão acerta do que é ou não “disciplina”,  considerei muito prática a explicação do Gikovate. Veja:

“A palavra “disciplina” já teve conotação positiva; relacionava-se com valor e era considerada uma aquisição indispensável para o desenvolvimento emocional das pessoas.

Ultimamente, passou a ser associada a autoritarismo, a disciplina militar. Pais disciplinadores passaram a ser vistos como pessoas antiquadas, como quem não ama de verdade os filhos. Damos a certas palavras conotações de ordem moral e é comum não sabemos sequer o que elas realmente significam, como nesse caso.

“Disciplina” pode ser definida como a vitória da razão sobre as emoções. Não que devamos reprimir sempre as nossas emoções em nome da razão. As emoções são inerentes a nós. O ideal é que possamos cada vez mais aprender a lidar com elas, encontrando um equilíbrio adequado entre razões e emoções. Trata-se de uma conquista difícil, diretamente relacionada com a maturidade da pessoa. Muitas são as circunstâncias em que existe um antagonismo entre emoção e razão. Na criança vence a emoção, mas, com o crescimento, a razão deveria transformar-se em poder central das decisões. É uma pena que isso só ocorra a certo número de pessoas – fortes o suficiente para suportar a frustração relacionada com a renúncia.

Vamos a um exemplo esclarecedor que já foi usado por muitos autores. Quando, numa manhã fria e escura de inverno, o despertador toca, nos informando que é hora de levantar, passamos a viver um dos conflitos mais duros entre a razão – que nos lembra de nossos deveres – e a preguiça – emoção natural em nós e que se recusa à obediência. Das pessoas que se deixam vencer pela preguiça, pouco se pode esperar em termos de sucesso nas atividades relacionadas com o trabalho. Sabemos que este se distingue do lazer pelo caráter obrigatório, pelos compromissos que temos com outras pessoas e pelo rigor com que seremos julgados se não obtivermos resultados aceitáveis.

woman-1958723_640

Se o compromisso estiver relacionado com o lazer, desde que não tenhamos combinado nada com ninguém, não levantar ofenderá “apenas” a nós mesmos, que nos avaliaremos como fracos. Não aprovaremos nossa conduta se tivermos faltado a um compromisso esportivo ou se tivermos perdido a hora para uma viagem de lazer. Isso nos fará mal, mas procuraremos nos enganar, dizendo que na próxima vez isso não vai acontecer. Se tivermos nos comprometido a acordar cedo para fazer algum tipo de ginástica e a preguiça nos vencer, não será nada bom para nossa autoestima, pois nos sentiremos “para baixo”. Poderemos fingir para os outros que estamos bem e que a cama estava uma delícia, mas não poderemos jamais enganar a nós mesmos; sabemos que fraquejamos e lamentaremos por isso.

Por outro lado, se o compromisso for com terceiros e envolver atividades profissionais importantes, os resultados objetivos serão catastróficos – além do prejuízo maior à autoestima. Caso um vendedor falte ao compromisso com seu cliente, talvez não seja perdoado e não tenha outra chance. O mesmo vale para o funcionário de uma empresa que sempre chega atrasado: acabará demitido, evidentemente. O médico que não comparecer aos compromissos com seus clientes será dispensado, e assim por diante.

Além da ofensa à autoestima, esses profissionais sofrerão todo tipo de sanção objetiva, de modo que não terão dinheiro nem o respeito dos outros.

Inversamente, aqueles que se reconhecem capazes de ter uma razão vencedora, que domine as emoções em geral, se tornam cada vez mais fortes, à medida que acumulam sucessos nas disputas que travam com eles mesmos.  E acabam por desenvolver um novo tipo de prazer, dos mais importantes para a nossa psicologia: o prazer de ser forte o suficiente para renunciar a um prazer imediato em favor de uma recompensa maior que virá em algum momento do futuro. Assim, a renúncia aos prazeres imediatos se transforma em um novo e maior tipo de prazer, o prazer da renúncia. Quem quiser dar certo no jogo da vida terá de se desenvolver até chegar a esse ponto de maturidade interior. Essas pessoas são capazes de dirigir a própria vida, pois deixam de ser escravas das emoções.

É preciso cautela, pois, à medida que a renúncia se transforma em fonte de prazer, ela pode passar a ser buscada de modo ativo e prejudicial. Orgulhar-se de ser capaz de fazer renúncias necessárias é coisa boa e ponderada. Entretanto, renúncias indevidas, buscadas apenas com o intuito de provocar a sensação de superioridade e de força extraordinária, são um excesso, algo que nos afasta do bom senso e já contém os sinais característicos dos vícios.”

 

(Trecho do livro “Os sentidos da vida”, p. 81-84),  de Flávio GIkovate – Publicado no próprio site do autor pela sua equipe, em 07.08.2018

#asmelhorescoisasdavidanãosãocoisas

Consenti tannnnto com esse posicionamento do Mark (autor do livro “a sutil arte de ligar o foda-se”, que decidi compartilhar com você.

Isso não significa que compartilho de todas as ideias dele.  Algumas ainda têm me feito pensar sobre (rs).   Mas nada como dedicar nosso tempo de vida às questões realmente importantes e permanentes.  Essas sim, alimentam a alma e promovem a alegria de viver.

couple-260899_640

tome nota..

“Nada contra bons negócios, mas ter necessidades demais faz mal para sua saúde mental.  Você acaba se agarrando demais ao que é superficial e falso, dedicando a vida à meta de alcançar uma miragem de felicidade e satisfação.

O segredo para uma vida melhor não é precisar de mais coisas; é se importar com menos,  e apenas com o que é verdadeiro, imediato e importante. “

Mark Manson

grandparents-1969824_640

Ainda sobre encerrar CICLOS…

Lembra dos posts sobre a importância de pensar e criar novos ciclos que quer viver??  Se quiser voltar neles, basta acionar aqui  – 1-Encerrar CICLOS 🕹   e o 2-Criando novos ciclos…

Vi essa foto abaixo, num post de um amigo e conectei com esses artigos.  Gostei dos dizeres… Afinal,  precisamos ser gratos de coração pelas experiências e ciclos que tivemos a oportunidade de viver.  E, pelos aprendizados que geraram. Pensar o quanto foi bom ter essa chance.  Adorei… bjo,

captura 19

Prefere leitura rasa ou funda?

Em tempos de altíssima oferta de informações, dados  e outros atrativos,  os livros têm sido “jogados às traças”. Postergados.  Até esquecidos.   O rápido passar de olhos nos títulos ou em pequenos trechos tem sido um costume usual. Por vezes,  satisfazem os desejos das mentes.  Leituras rasas.  Curtas.  Todos passam por elas.

Falta tempo.  Dias corridos.  Compromissos inadiáveis.

Escolhas.

E a leitura, aquela  escolhida, necessária, detida? Essa fica na lista de pendências.  Lista de afazeres, quase nunca feitos.  Pense comigo.  Quais os últimos livros que você leu?  E por que leu?

Saborear o texto do outro. Buscar entender seu contexto. Compreender ideias. Pensar na sua lógica. Prazeres daqueles que curtem aprender com os outros.  Apreciam a diversidade e  a arte por detrás das palavras. Daqueles que gostam da “fundura”  (termo de um conhecido  escritor)  das coisas.

reading-925589_640

Em há tanta disponibilidade!!  Excelentes e provocativas obras!!

Recentemente, junto com uma parceira (o que é uma estratégia de execução fantástica), estabeleci um desafio diário, que envolvia a prática sistemática de  algumas atividades.  Uma delas,  obviamente, era a leitura.   Tudo bem, sempre apreciei.  Mas realizar  esse desafio me acordou ainda mais para esse gosto.  Em trinta dias percorri quase três.  Não me recordo de ter lido tanto em tão pouco tempo.

Você pode pensar:  “a quantidade não é o mais importante”.  Se pensa assim,  você está coberto de razão!!  Não se trata da quantidade de páginas que você lê.  Mas do porquê da leitura.  Trata-se de como se lê. Trata-se de estar aberto para onde o conteúdo  “levará” você.

O fato de estabelecer a leitura diária como objetivo e meta  foi  uma forma bastante positiva para  acelerar e intensificar essa minha prática.  Foi uma forma de dedicar uma parte do tempo (programada ) para isso.   E acredite.  Valeu muito a pena!

“A vida começa a cada manhã.
Joel Olsteen

Caso tenha dificuldades em estabelecer a leitura como uma prática,  comece por estabelecer uma pequena meta. Estabeleça o desafio  de apenas cinco páginas por dia.   Se seu livro tem cento e oitenta páginas, por exemplo, você o terá lido em apenas trinta e seis dias. No ano terá lido em torno de dez livros. Crie uma disciplina, uma rotina específica,  um horário determinado para isso. Todos os dias.  Aos poucos poderá aumentar a meta. Dez, vinte páginas.  Mantenha seu livro sempre à mão.  Num lugar que possa vê-lo com frequência.

Considere ter uma caneta ou lápis para marcar os pontos importantes.  Aquelas frases que lhe chamam atenção de alguma forma e que de repente, você poderá voltar sem ter que perder tempo procurando a localização.   Faça anotações nos cantos.

Uma dica: Escolha temas que você goste muito ou um assunto que você precise aprender um pouco mais.    Os livros são um excelente mecanismo de desenvolvimento.  Além, é claro, de ampliar seus conhecimentos gerais e seu pensamento crítico.

“Uma pessoa que não quer ler não tem nenhuma vantagem
sobre um que não sabe ler.
Mark Twain

Se essa postagem foi útil pra você e se promoveu alguma mudança de comportamento e posicionamento, compartilhe comigo.  Ficarei feliz de saber.

Boas leituras.  Com fundura.

Bjo,
Darlene

“Engolir sapos” faz mal à saúde!

Pelos últimos seis meses, todos os dias, meu corpo estranhamente me lembra que estou viva.  Muito viva. Não pelo amor. Pela dor. Não foram poucos os vôos que realizei de pé, literalmente. E de  carro,  por vezes,  precisei  dos motoristas.

Percorri jornadas incessantes aos exames e profissionais da medicina. Alguns deles, extraordinários e muito bem recomendados.  No fim, muitas dúvidas e controvérsias nos pareceres.

O corpo, aos poucos e no seu ritmo próprio,  fez a dor ceder…  Deduzo que por uma conjunção de fatores..   Mas o que me inquieta é a origem,

bicycle-166978_640a causa.   Sempre fui adepta de uma vida saudável,  alimentação, exercícios,  ….   O que me causou  esse incômodo?

Felizmente,  estamos em  trégua.  Eu e a dor. (ufa, resolvendo) Hoje, bem mais suave.  Até voltei  ao `pedal”.

Preciso te contar uma das minhas iniciativas nesses tempos.  Nas idas e vindas das investigações,  indicaram-me um tratamento com a medicina oriental. Ali ouvi  de um super e respeitado doutor  “integrativo”  que  essa lesão não retrata o meu momento atual.  Possivelmente trata-se de consequência de algo iniciado há cinco, seis anos atrás. E que manifestou-se fisicamente somente agora.

Fiquei pensando sobre esses últimos seis anos,  e também o porquê do meu corpo ter reagido somente  “agora”, nesse meu atual estilo de vida.  Quem me conhece sabe que  realizei  mudanças importantes no meu estilo de vida,  escolhi novas e importantes opções. Daí, nesse contexto mais aberto à livre expressão,  meu físico se pronunciou.  Talvez, uma oportunidade para reconhecer e cuidar..   Extirpar o que estava ali  instalado.

Oportunamente,  ouço..

“Que sapos foram esses que você engoliu?  Te fizeram muito mal.

Recordo sim, de situações críticas pelas quais passei,  especialmente na vida profissional e que me exigiram muitos exercícios de contenção,   de  auto controle e tolerância e eu não encontrava outras saídas naqueles momentos.

As justificativas verdadeiras estavam sempre presentes:   a necessária sobrevivência (as contas do dia a dia),  as escassas oportunidades na minha atividade / posição, na cidade onde morava,  o apreço à empresa para qual trabalhava, as pessoas boas com quem compartilhava atividades que curtia muito,   entre outros.   Fato era que naquele momento não segui o que meu coração dizia.  E quantas pessoas também não passam por essa mesma situação?

E aí que vai o meu recado pra você!

Haja o que houver  e independente das milhares de justificativas verdadeiras existentes, OUÇA você com atenção,  realize uma análise criteriosa.   Tem situação que não vale a pena manter,  em detrimento de sua saúde.   E o pior.   S i l e n c i o s a m e n t e.

De repente, e inconscientemente, você  pode estar permitindo que seu corpo acumule, seja por meio de contenções,  raiva e  insatisfações,  repercussões físicas de várias ordens.

Parece loucura né?  Mas não é.  A psicossomática é uma ciência que estuda exatamente isso. Transcrevo aqui o significado dado pela Wikipedia –

“A psicossomática é uma ciência interdisciplinar que gera diversas especialidades da medicina e da psicologia, para estudar os efeitos de fatores sociais e psicológicos sobre processos orgânicos do corpo e sobre o bem-estar das pessoas. O termo também pode ser compreendido, tal como descreve Mello Filho,[1]como “uma ideologia sobre a saúde, o adoecer e sobre as práticas de saúde, é um campo de pesquisas sobre estes fatos e, ao mesmo tempo, uma prática, a prática de uma medicina integral”.

Certa vez,  emprestada por um grande e querido amigo,  li uma tese de doutorado, de um médico psiquiatra de Uberaba-MG,  cuja pesquisa concluía, por meio de casos reais e experimentos, exatamente isso. Existem doenças físicas provenientes de situações sociais, emocionais não cuidadas oportunamente.

Não posso concluir que minha lesão seja de ordem psicossomática, ou mesmo,  que esteja ligada a essas circunstâncias profissionais que mencionei. Não tenho conhecimentos suficientes, tampouco informações,  para fazer tal afirmativa. Contudo, a explicação desse médico “experiente e referenciado”  me fez pensar bastante a respeito. Principalmente quando menciona que o tensionamento da nossa musculatura, articulações  de forma intensa por conta de problemas sociais,  emocionais e etc,  podem sim,  desencadear dores e outros efeitos físicos colaterais.

Numa linguagem corriqueira e usual – é o famoso “engolir sapo”.

Resultado de imagem para engolir sapoEsse comportamento é muto  mais comum do que parece.  Significa  “tolerar coisas ou situações desagradáveis sem responder, por incapacidade ou conveniência”, segundo o escritor e professor Ari Riboldi.

Evitar conflitos,   para colocar panos quentes na situação pode não ser um bom caminho.

Reafirmo – ENGOLIR SAPO,  faz mal pra saúde.

Então,  cuide-se preventivamente decidindo não deixar isso acontecer.

Isso não quer dizer “jogar tudo para o alto”,  ser impulsivo ou inconsequente.  Isso quer dizer para que preste atenção nos efeitos nocivos do seu contexto em você.  E decida por você, priorize-se.  Pela sua saúde  física e emocional.  Considere tomar posições e ter comportamentos positivos nesse tema.

Dependendo da amplitude do caso considere acessar profissionais habilitados que possam colaborar no encaminhamento. Um terapeuta,  um mentor, um coach,  um amigo.

Ao surfar sobre esse tema,  encontrei o artigo, da Elisa Correa na Revista Vida Simples, de 2016, exatamente  com esse título e gostei da pergunta de início:

“Por que toleramos ou ficamos calados diante de algo que nos desagrada?

Essa postagem tem o objetivo de chamar a atenção, colocar um foco dirigido aos aspectos relacionados ao estresse,  à tolerância excessiva (beirando o abuso) e  ao automatismo desenfreado (passividade) que observo em muitos contextos.

Que seja especialmente útil para as pessoas que passam por situações similares e estão se deixando absorver. Que possam mudar o seu olhar e lhes permitir transitar  pela criação de novas e saudáveis realidades. Todos seres humanos tem essa prerrogativa..

bjos,

Darlene

 

 

 

O seu “poder” pessoal. #08CC

O ser humano nasce equipado com os mecanismos (cérebro) necessários para criar a própria realidade.  Ainda assim,  muitos não se apropriam devidamente desse “poder”,  dessa prerrogativa.

Consumidos por atrativos diversos,  e por vezes, dependentes de outros,  os seres abdicam de assumir a função de criarem-se,  de construírem a sua própria realidade. Apenas deixam acontecer.

A palavra  “poder”  pode ser interpretada de forma negativa, dado à sua má utilização por determinados tipos psicológicos.  Entretanto, o que trago aqui  é o poder, como uma importante força e condição, intrínseca a todo ser humano.  Energia que o torna capaz de mover-se em busca dos seus objetivos e projetos.    Segundo o dicionário, PODER vem do latim – possum, que significa “ser capaz de”.

Nessa série de posts, inspirada pelo livro Supercérebro,  fica evidente a possibilidade de exercitar o cérebro para ampliar as próprias  perspectivas e consequentemente, a vida.

idea-1876659_640

Vale trazer o trecho de Sater, que pra mim, reforça bem:

Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz.

Almir Sater

A busca por fortalecer o que cada um tem, no seu interior,  no seu íntimo verdadeiro, pode ser o início de uma trajetória mais autêntica  e também,  ser a abertura de novas portas  para a realização humana.

Como fazer isso?

Comece um diálogo interno.

Que tal começar por revistar suas atividades diárias,  escolher aquelas mais profundas e de maior valor?

Pensar em tantos desejos relevantes abandonados pelo caminho e que, talvez,  seja oportuno recuperar?

Que tal realizar escolhas novas, que lhe desafiem  a favor de sua visão pessoal  de longo prazo?

E considere  preparar-se para as incertezas,  para as dificuldades que surgirão.

Pensar sobre o seu ideal de satisfação na vida.  O que lhe causa sensações positivas e de bem estar?  Pensar sobre o que move você? O que lhe tira da cama cheio de entusiasmo?

Aqui vai uma provocação.  Que tal viver um ciclo de reinvenção? Em tempos de “startups”,   por que não viver um auto start (self startup),  a partir de uma  inovação disruptiva?  (rs).

Pode parecer radical, entretanto,  o porte de uma  transformação será sempre individual. Suas repercussões na vida,  independente do que sejam,  são, absolutamente particulares de cada um.

Ao estabelecer sua visão e projetos de criação, mantenha convicto o seu propósito. Para não esmorecer, para não perder a força diante das adversidades.

“Escolher crescer significa enfrentar o desconhecido.

Chopra

Desfrute do poder que tem.

Bj

Darlene