O peso de cada um (Ana Holanda)

“Acordei cansada, muito cansada. Corpo dolorido, nariz entupido. Mais do que gripe, eu tinha a sensação de carregar o mundo nas costas. Minhas decisões, meus excessos, tudo parecia me pesar. Me joguei no sofá, triste comigo mesma. Desanimada. Peso. E, enquanto eu me sentia miserável e perdida nos meus dramas, maldizendo a vida, Clara, minha filha de 10 anos entra na sala. De pijama, cabelos desarrumados, me olha, sorri, senta ao meu lado, me abraça e pergunta: “Você está bem, mãe? Quer que eu cuide de você? Antes mesmo que eu lhe responda, Lucas, meu menino, irmão gêmeo da clara, também se aconchega ao meu lado. Me abraça e minha cabeça fica próxima ao seu peito. Ouço o coração dele. Ele então me diz, bem próximo ao ouvido: “te amo, mãe”. Ele se distancia, segue com sua rotina e a Clara também. Olho para mim, olho tudo o que me cerca. Existe algo ao meu redor que vai tão além de mim mesma… O peso se desfaz e dá lugar ao amor, a uma sensação gostosa de estar presente, ao dia com céu azul, ao vento fresco que entra sorrateiro pela janela. Estava tudo ali antes das crianças entrarem na sala, enquanto eu remoía minhas mazelas. Eu é que não percebia. A leveza, afinal, muitas vezes é assim, uma escolha. E ela é diária. Eu diria mais: ela se faz a cada instante. ”

Por Ana Holanda, editora chefe da Revista Vida Simples, abrindo a edição de número 205 – “cultive a leveza”.