Lira Itabirana, de Carlos Drummond de Andrade

Poema de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), Lira Itabirana, fotografado da edição do jornal. Tornou-se viral… pela realidade desses dias… (Brumadinho) – um texto chamado de “profético”:

I

O Rio? É doce.
A Vale? Amarga.
Ai, antes fosse
Mais leve a carga.

II

Entre estatais
E multinacionais,
Quantos ais!

III

A dívida interna.
A dívida externa
A dívida eterna.

IV

Quantas toneladas exportamos
De ferro?
Quantas lágrimas disfarçamos
Sem berro?

Nenhuma descrição de foto disponível.

O que lhe compete?

“Mantenha sua atenção inteiramente concentrada no que de fato lhe compete e tenha sempre em mente que aquilo que pertence aoos outros é problema deles, e não seu.

Se agir assim, estará imune a coações e ninguém o poderá reprimir. Será verdadeiramente livre e eficiente em suas ações, pois seus esforços serão canalizados para boas atividades, e não desperdiçados em críticas ou confrontos com outras pessoas.

Tendo conhecimento e dando atenção ao que de fato lhe compete, não será obrigado a realizar qualquer coisa contra sua vontade. Os outros não poderão feri-lo, você não fará inimigos nem será prejudicado.

Se o seu objetivo é viver de acordo com esses princípios, lembre-se de que não será fácil: você deverá abrir mão de algumas coisas e adiar outras. É possível que até mesmo precise privar-se de riquezas e poder se quiser atingir a felicidade e a liberdade. “

Título “Ocupe-se apenas do que você pode controlar”, de Epicteto ( do livro A arte de viver, interpretação de Sharon Lebell)

Primeiro diga a si mesmo o que você deveria ser; depois faça o que tem que fazer.

Histórias pra contar em 2019…

Última semana do ano… E você pode estar pensando… Lá vem tudo de novo… Adeus ano velho, feliz ano novo…. ai ai ai… (rs)

Depende. Depende “do jeito” que a gente vê. Cada um enxerga, interpreta e analisa a partir do seu repertório individual. Absolutamente pessoal.
Prá mim, é sim. Um momento mais que oportuno para revisitar os feitos e não feitos nesse ano que se despede.

Pensar sobre:

Seus sonhos, projetos:  tudo que você, no início desse ano, se propôs realizar, nos seus trabalhos, nas suas atividades profissionais, nos seus projetos de vida, etc.

Conhecimentos, capacidades, competências, comportamentos:
relembre saberes adquiridos, ou requeridos, identifique melhorias observadas nas suas condutas. Quais aspectos você se superou, se tornou uma pessoa melhor.

Cursos, certificações, livros, filmes, viagens:  de que meios ou recursos você se valeu para ampliar sua visão, seus conhecimentos, seu pensamento crítico, sua amplitude de análise e julgamentos, sua condição de decisões.

Relacionamentos: quais convivências, vivências, na sua família, nos seus amores, com amigos queridos, foram iniciativas suas. Contabilize as circunstâncias, situações memoráveis ocorridas nas suas diversas vidas de relações. Promovidas por você ou pelos demais. O que de esforço você empreendeu nessas relações?

Pensamentos, sentimentos: o que te deixou feliz, triste, desanimado, entusiasmado, feliz… Que sucessos e/ou fracassos impactantes você colecionou em 2018. O que não conseguiu realizar e as razões.

Saúde, física, mental e espiritual:   analise sua performance, atividades físicas realizadas, alimentação balanceada ou refletida, hábitos saudáveis adquiridios. Também, os trabalhos voluntários que teve a chance de fazer, as colaborações coletivas com outros grupos e tribos.
Seus momentos a sós consigo mesmo, por meio de silêncios produtivos, meditação, contemplação ou outros.

Agradecimentos e reconhecimentos: quem foram as pessoas que, em qualquer uma dessas esferas, contribuiu para que você chegasse aqui, no agora, alguém melhor. Um contato, uma palavra de agradecimento, um cartão, uma ligação talvez?

Sugestões. Provocações. Inspirações. Foi essa minha intenção aqui.
Alguns desses itens, ocorrem inclusive, por meio dos outros. (tudo junto misturado rs). Não há modelo. Não se trata de uma receita. Cada um percorreu seu próprio caminho, e o elabora em sua estrutura mental individual. Não necessariamente com essa classificação e nem tampouco nessa ordem.

E como diz o ditado ou a poesia… recordar não é viver??

Uns pedaçõs ” de vida” percorreram minha mente, meu coração, enquanto eu me lembrava de quanta coisa aconteceu comigo… Confesso. Ri por dentro. Aquele riso de “ufa”… passei por tudo disso. Ou de “uau” … uma alegria que não se expressa por gargalhadas, mas por um sentimento interno de satisfação.

Só posso me sentir grata por tudo, o que foi positivo e o que não foi. Até porque, “na real”, nem tudo são flores. Mas TUDO, tudo mesmo, nos ensina de alguma forma. Se a gente estiver mesmo afim de aprender, óbvio.

Bom demais pensar que teremos mais tempo, mais vida.
Novo ano, novas oportunidades! E por que não pensar sobre isso agora? Tire um tempinho pra ficar com você mesmo e faça esse exercício. Se possível, anote. Escreva suas conclusões e a SUA visão sobre o seu futuro. Aquele que é SUA responsabilidade construir.

Tenho certeza de que EM VOCÊ, existem milhares de histórias guardadas, esperando para serem contadas…
Que tal escolher aquelas para viver em 2019?

Tenho aprendido que não podemos esperar o acaso trazer o que queremos. É preciso arregaçar as mangas e literalmente “correr atrás”. Lembra da frase “quanto mais eu treino, mais sorte eu tenho.”?

Meus votos de que você, conte e viva suas histórias de forma integral, intensa, autêntica e genuína…. Porque isso sim, valerá muito a pena!! Conte comigo pra isso.

Desfrute 2019!

Desrespeito .. nahhhh!

Muito mais fácil adotar um “deixa prá lá”, ou mesmo um “fulano não está num bom dia hoje”, quando somos submetidos a situações constrangedoras, seja por desrespeito ou por falta de educação.

Se você tem essa tendência, de colocar “panos quentes”, o que eu tenho pra te dizer é:

Paaaaara!!!

MUDE.

Deixar “passar”, de forma absolutamente passiva, comportamentos desrespeitosos, deseducados.. é omissão. Perde-se a oportunidade de fazer a diferença no seu entorno. De transformar.

Esses dias fui “destratada” duas vezes seguidas, pela mesma pessoa. Aconteceu quando liguei num cartório da cidade de São Paulo. (4o. cartório de registro de imóveis de SP), em busca de informações.

Uma grosseria sem tamanho!!

A pessoa não me conhece. Nunca me viu. (nem pintada rsss). Eu queria apenas saber a situação de um processo que havia “pago” para dar andamento. Eles fazem esse serviço e “ganha” pra isso.

A simples falta de um número (protocolo) não deveria ser motivo para aquele destempero. Tudo bem, se fosse regra não ser atendido por falta de protocolo, era só dizer. Com educação – Não posso lhe atender sem o documento. É uma regra do serviço. (se fosse, obviamente. o que não era o caso).

Simples assim.

Eu disse a ela isso. Se você não pode ou não quer me atender, é só dizer. Você não precisa me desrespeitar ou ser mal educada comigo.

Escolhi não permanecer mais na ligação com uma pessoa tão desagradável, por mais que eu precisasse da informação.

Expressar-se sobre o que você vê acerca de comportamentos indevidos é um mecanismo para promover diferentes posturas. Ou mesmo mudanças. Obviamente que dizer, ou manifestar-se não significa que isso ocorrerá, mas minimamente fará o interlocutor pensar.

Olha.. não estou dizendo para você atuar no mesmo nível, padrão de tensão, ou mesmo “dar o troco”. Isso seria um desrespeito igual. Estou dizendo para dizer ao outro sobre a atuação dele, equivocada, indevida, ou o que for.

Não saia da presença de outras pessoas, sem fazer a sua diferença. Mesmo que isso ocorra numa situação constrangedora como essa.

Feito.

A “personalidade” pode mudar ou permanece igual a vida toda? Um novo estudo sugere que é um pouco de cada.

A personalidade permanece a mesma desde o nascimento pelo resto de sua vida, ou pode ser mudada? Um novo estudo que abrange 50 anos de dados sugere que é possivelmente uma mistura de ambos.

Por décadas a personalidade foi considerada tão pouco concreta quanto o concreto – quem você era aos 15 anos é quem você seria aos 75 anos. Mas nos últimos 20 anos, a ciência cognitiva e comportamental revelou insights dinâmicos sobre o cérebro humano e os comportamentos correspondentes. Chegamos a ver a personalidade como, pelo menos, marginalmente mutável e, possivelmente, muito mais.

O estudo mais recente acompanhou as mudanças de personalidade ao longo de cinco décadas, e os resultados sugerem que, enquanto certos elementos da personalidade permanecem estáveis ​​ao longo do tempo, outros mudam de maneiras distintas. Em outras palavras, a personalidade é relativamente estável e mutável, e o grau de mudança é específico para cada pessoa.

A boa notícia da pesquisa é que, para aqueles de nós que experimentam mudanças significativas de personalidade, a mudança é principalmente em uma direção positiva.


“Em média, todos se tornam mais conscienciosos, mais estáveis ​​emocionalmente e mais agradáveis”, disse a principal autora do estudo, Rodica Damian, professora assistente de psicologia na Universidade de Houston.

Ao mesmo tempo, as pessoas que eram especialmente atenciosas, agradáveis ​​e emocionalmente estáveis ​​em tenra idade, também eram mais propensas a ser mais tarde.


“As pessoas que são mais conscienciosas do que outras pessoas com 16 anos são mais conscienciosas do que outras com 66 anos”, disse Damian.

O estudo extraiu dados do Inventário de Personalidade de Talentos do Projeto, um repositório de dados de personalidade sobre mais de 400.000 pessoas (no total) reunidas ao longo de um período de 50 anos. O valor dos resultados vem do intervalo de tempo expansivo, que permite aos pesquisadores medir as mudanças nos traços de personalidade, como conscienciosidade, extroversão e neuroticismo ao longo do tempo.

Quanto ao que influencia a estabilidade ou maleabilidade da personalidade, tanto a genética quanto os fatores ambientais desempenham papéis principais, com pesquisas anteriores sugerindo que cada um contribui igualmente para o resultado. O enrugamento relativamente novo nesse entendimento é a influência epigenética, na qual os genes de certos fatores podem ser “ativados” por influências ambientais.

O estudo também descobriu que, embora alguns elementos da personalidade pareçam mais específicos de gênero, as mulheres e os homens mudam praticamente na mesma proporção em relação ao tempo de vida. Nenhum dos dois tem uma vantagem sobre a “maturidade da personalidade” ao longo do tempo.

Uma grande conclusão das descobertas, enfatizaram os pesquisadores, é que, quando se trata de mudança de personalidade, não devemos nos comparar com os outros. Seu amigo especialmente simpático e sociável no ensino médio ainda será provavelmente mais simpático e sociável do que a maioria das pessoas que você conhece na meia-idade, portanto não deixe que o espelho social o leve a uma comparação. O que importa é o quanto você mudou – e que, de acordo com este estudo, é uma avaliação muito específica da pessoa.

O estudo foi publicado no Journal of Personality and Social Psychology.

Texto pstado em 16 de novembro de 2018 por David DiSalvo.  http://www.daviddisalvo.org.
Traduzido em método automático.

O mais é nada

Navegue, descubra tesouros, mas não os tire do fundo do mar, o lugar deles é lá.

Admire a lua, sonhe com ela, mas não queira trazê-la para a terra.

beautiful-hands-heart-5390

Curta o sol, se deixe acariciar por ele, mas lembre-se que o seu calor é para todos.

Sonhe com as estrelas, apenas sonhe, elas só podem brilhar no céu.

Não tente deter o vento, ele precisa correr por toda parte, ele tem pressa de chegar sabe-se lá onde.

Não apare a chuva, ela quer cair e molhar muitos rostos, não pode molhar só o seu.

As lágrimas? Não as seque, elas precisam correr na minha, na sua, em todas as faces.


O sorriso! Esse você deve segurar, não deixe-o ir embora, agarre-o!

Quem você ama? Guarde dentro de um porta jóias, tranque, perca a chave! Quem você ama é a maior jóia que você possui, a mais valiosa.

Não importa se a estação do ano muda, se o século vira e se o milênio é outro, se a idade aumenta; conserve a vontade de viver, não se chega à parte alguma sem ela.

Abra todas as janelas que encontrar e as portas também.

Persiga um sonho, mas não deixe ele viver sozinho.

Alimente sua alma com amor, cure suas feridas com carinho.

Descubra-se todos os dias, deixe-se levar pelas vontades, mas não enlouqueça por elas.

Procure, sempre procure o fim de uma história, seja ela qual for.

Dê um sorriso para quem esqueceu como se faz isso.

Acelere seus pensamentos, mas não permita que eles te consumam.

Olhe para o lado, alguém precisa de você.

Abasteça seu coração de fé, não a perca nunca.

Mergulhe de cabeça nos seus desejos e satisfaça-os.

Agonize de dor por um amigo, só saia dessa agonia se conseguir tirá-lo também.

Procure os seus caminhos, mas não magoe ninguém nessa procura.

Arrependa-se, volte atrás, peça perdão!

Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.

Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.

Se achar que precisa voltar, volte!

Se perceber que precisa seguir, siga!

Se estiver tudo errado, comece novamente.

Se estiver tudo certo, continue.

Se sentir saudades, mate-a.

Se perder um amor, não se perca!

Se achá-lo, segure-o!

Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala.

O mais é nada.

Fernando Pessoa